O que os líderes russos aprenderam do colapso da URSS?

Por: Pyotr Akopov

Publicado originalmente (Ru), por: Vzglyad

Data: 27.01.2016

Traduzido para o inglês e publicado no site South Front, por: J. Halk

Traduzido para o português pelo Coletivo da Vila Vudu

Fonte em português: Blog do Alok

Adaptado por: César A. Ferreira/DG.

A Rússia Soviética foi destruída pelo vai-não-vai para todos os lados e para lado algum, pela ausência de visão estratégica, pela fraqueza e pela covardia de Gorbachev (…).

Tendo iniciado a reforma do sistema econômico e político antes de ter construído plano estratégico coerente, tão logo as reformas começaram a gerar mais problemas que soluções, Gorbachev assustou-se e meteu os pés pelas mãos. E daquele momento em diante – cercado por intrigas e dedicado a promover ‘mudanças’ sem qualquer rumo ou sentido nos quadros mais altos do governo –, Gorbachev consumiu todas as próprias forças exclusivamente para preservar a própria autoridade”.

A declaração do secretário do Conselho de Segurança da Rússia Nikolai Patrushev sobre as causas do colapso da URSS é nela e por si mesma muito esclarecedora. Mostra que a liderança russa não apenas compreende corretamente as razões daquela catástrofe, mas tem a vontade política indispensável para responder aos desafios internos e externos. Quanto a isso, sua avaliação da atual situação na Ucrânia é particularmente indicativa.

Durante toda a era Putin, Nikolai Patrushev sempre foi um dos mais importantes líderes nacionais russos. Começou por assumir o lugar de Putin na direção do Serviço Federal de Segurança da Federação Russa (ru. FSB, órgão que substituiu a KGB), e ocupou por oito anos o posto de secretário do Conselho de Segurança.

Ao longo dos últimos quatro anos, o Conselho de Segurança foi-se convertendo na principal instituição coletiva de governança na Rússia. Entre seus membros estão os chefes militares e de segurança e ministros do bloco presidencial, além dos presidentes das Câmaras legislativas.

O Conselho de Segurança lida com conjunto muito vasto de problemas, mas, além disso, Patrushev é um dos quatro cabeças que definem e mantém o curso do país na arena internacional, ao lado de Putin, Sergey Ivanov e Sergey Lavrov. No ocidente, Patrushev é tradicionalmente pintado como “falcão”, mas nada é além de realista sóbrio e homem sem ilusões sobre o “projeto” atlanticista [que quer a integração do país ao “ocidente”, sob o “comando” dos EUA; opõe-se aos “eurasianos soberanistas”, na expressão do Saker, que querem a integração da Eurásia para constituir outro polo, em mundo multipolar (NTs)].

E entre os quatro citados acima não há divisão entre “falcões” e “pombos”, como se vê nos EUA, assim como não há desacordos fundamentais no que tenha a ver com a situação internacional e os objetivos da Rússia. Mas, dos quatro, Patrushev é o que mantém perfil de menor exposição pública. Explica-se pela sua natureza, o tipo de homem que é e por sua biografia, e também pela posição que ocupa no Estado, e que não lhe permite deixar-se distrair com cerimônias e discursos rituais. Por tudo isso, Patrushev serve-se de entrevistas para divulgar suas ideias sobre o país. Mas continua extremamente cuidadoso nas declarações e edita todas as entrevistas depois de redigidas, para remover qualquer formulação que lhe pareça descabida. Também por esse procedimento, pode-se ter certeza de que o que é afinal publicado é realmente o sumo importante do pensamento do entrevistado, mais do que do entrevistador –, como tão frequentemente acontece em entrevistas jornalísticas no ocidente.

Isso, precisamente, é o que acontece na entrevista que Patrushev concedeu, na 3ª-feira, ao jornal Moskovskiy Komsomolets (ru.).

A discussão pós-entrevista ficou centrada nas palavras dele sobre como os EUA, para alcançar dominação global, têm de enfraquecer a Rússia o mais que possam, “e não se deve descartar que trabalhem diretamente com o objetivo de desintegrar a Federação Russa”.

Patrushev disse que “Washington acredita que, sendo necessário, pode servir como catalisador daquele processo”, o que “daria aos EUA acesso à enorme riqueza, em recursos naturais, que, na avaliação dos norte-americanos, a Rússia não mereceria ter”.

É declaração importante, porque define abertamente os objetivos estratégicos do adversário. Mas não traz nenhuma novidade absoluta, porque o mesmo Patrushev já disse isso por várias outras vezes.

No período pós-Crimeia, todos os membros da alta liderança, de Putin a Lavrov, tornaram-se mais, ou menos abertos nas críticas às ações dos EUA. Não porque tenham aprendido alguma coisa nova sobre os planos de Washington, mas porque o relacionamento com os atlanticistas entrou no estágio do conflito geopolítico direto.

Até o extremamente reservado Patrushev fez várias declarações bem duras – mas, afinal, guerra é guerra. Enquanto isso, o Kremlin continua a destacar que não foram os russos que começaram o confronto com os EUA. Patrushev faz lembrar mais uma vez que “os EUA iniciaram o atual conflito. E a Europa submeteu-se ao que os EUA determinaram; e, para neutralizar os membros ‘abertamente’ independentes da OTAN (França, Alemanha e Itália), Washington está usando com habilidade a orientação anti-Rússia nos países do flanco oriental da OTAN”.

De fato, a pressão começou sobre a Rússia em 2011, com as “revoluções coloridas” e os preparativos para as eleições presidenciais na Rússia. Washington não queria saber da volta de Putin, e começou a interferir abertamente em assuntos internos de nosso país. Depois de fracassar, sem conseguir impedir a eleição e a posse de Putin, os EUA passaram a reforçar então a política de contenção da Rússia e de “cercar o país”. E isso, logo depois, levou ao golpe na Ucrânia.

Sobre o conflito na Ucrânia, Patrushev não disse apenas que “a sociedade internacional deveria agradecer-nos pela Crimeia. Graças ao que fizemos ali, muito diferente do que foi feito no Donbass, não houve nenhuma morte na reincorporação da Crimeia”. Patrushev também ofereceu sua visão sobre o futuro da Ucrânia, no trecho que traz as duas declarações mais importantes da entrevista.

O secretário do Conselho de Segurança da Rússia disse, de fato, que se Kiev continuar no curso em que está hoje, a Ucrânia deixará de existir. Não é ultimato ou ameaça: é simples constatação de um fato. É também uma explanação de como o Kremlin avalia a situação da Ucrânia e de nossa estratégia para aquele estado.

“Nesse momento, a Ucrânia é governada por prepostos dos EUA que implementam o desejo de forças externas que querem afastar a Ucrânia, da Rússia, cada vez mais. Esse é curso absolutamente sem futuro. Se não for alterado em breve, levará ao total colapso da economia ucraniana e à desintegração do país. Sobretudo, a Federação Russa e a Ucrânia são povoadas por, de fato, uma única nação, que está dividida. A Ucrânia inevitavelmente passará pela experiência de repensar o que está acontecendo hoje. Relações normais entre nossos países podem, eventualmente, ser restauradas”.

Não, Patrushev nada disse que sugira que o Kremlin trabalharia sobre a hipótese de que os dois países serão inevitavelmente reunificados no futuro. Nada disse, nem teria por que dizer isso, menos ainda agora, quando as chamas dos dois conflitos – o interno na Ucrânia e o conflito Kiev-Moscou – estão sendo tão ativamente infladas de fora e por dentro.

Não há motivo algum para dar, não importa a quem, subsídios para acusar a Rússia de expansionismo (a reunificação do povo russo e do território russo não é assunto para discussão fora do país, não importa que o ‘interlocutor’ tente impor-se). Hoje, a primeira questão é repelir o ataque que deu aos atlanticistas o controle de Kiev, ao mesmo tempo em que se luta para impedir que os atlanticistas construam uma muralha que venha a separar a Rússia da União Europeia.

Sim, Patrushev menciona que “estamos interessados em preservar a Ucrânia como país unificado e não estamos interessados em que o país seja rachado. Acreditamos que os Acordos de Minsk têm de ser integralmente implementados. A questão é se Kiev está preparada para tudo isso”.

É perfeitamente verdade – a Rússia não quer a Ucrânia quebrada, porque levaria a mais derramamento de sangue e complicaria, embora não a impeça, a futura reunificação com a Rússia. Mas para deter a desintegração da Ucrânia hoje em andamento, é preciso rejeitar o modelo pelo qual a “Ucrânia não é parte da Rússia, mas parte da Europa” (o modelo atlanticista, de orientação anti-Rússia). A atual elite ucraniana rejeitará aquele modelo? Não. Assim sendo, todos os aspectos apontam cada vez mais para o cisma ucraniano.

Por enquanto o Donbass, que está sobre patrocínio e proteção da Rússia, terá de esperar que chegue a hora de reintegrar a Ucrânia como a Malorossia [“Pequena Rússia”] e a Novorrússia.

A referência à “nação ainda dividida” indica que Patrushev partilha a visão de Putin – de que há um grande povo russo, do qual os “ucranianos” são parte e que será reunido. Naturalmente, não diz como nem quando, porque não se pode adivinhar o futuro; mesmo assim, é crucial que a liderança russa trabalhe com o pressuposto de que há um só povo russo e busque a união de todos os russos. A estratégia e as táticas do Kremlin foram e continuam a ser decididas com vistas a alcançar esse objetivo.

Essa política em nada se beneficiaria de excessiva publicidade e só alcançará sucesso se as pessoas que a conduzem se movimentarem sob a firme convicção de que seja a política mais acertada e não tenham medo de tomar decisões. E a questão da responsabilidade dos governantes é, precisamente, tema do segundo pronunciamento mais importante nessa entrevista.

Respondendo uma pergunta sobre a expectativa dos EUA de que a Rússia venha a consumir todos os seus recursos econômicos e renda-se, Patrushev disse que somos país autossuficiente, que pode prover aos próprios cidadãos tudo de que precisem para viver. Na sequência, passou a analisar paralelos que se observam entre o que se passa hoje e o que se passou há um quarto de século:

[Patrushev]Você me perguntou sobre o colapso da URSS. A União Soviética não colapsou por causa de problemas econômicos ou na economia soviética. O que aconteceu foi que os líderes soviéticos simplesmente perderam a cabeça, enlouqueceram. Deixaram de compreender o que tinham de fazer e por quê; não conseguiram ver ou criar saída à frente que superasse os problemas da União Soviética. E o mais grave e decisivo para aquele colapso: a liderança soviética não assumiu a responsabilidade que lhe cabia.

Os últimos líderes soviéticos esqueceram o mais importante princípio do que significa governar um Estado: o governante que toma uma decisão responde por ela. Relembre, por exemplo, a decisão de enviar tropas à Geórgia ou a Lituânia. Será que alguém realmente crê que teria acontecido como aconteceu, por decisão tomada no comando local? Não é possível. Não é explicação séria”.

[Entrevistador] – Concordo que não seja séria. Mas o que isso tem a ver com os problemas econômicos da URSS ou da Rússia contemporânea?

[Patrushev] – “Tem a ver muito diretamente, porque nesse primeiro caso o que se tem é a decadência do sistema de governança do Estado. A liderança da URSS não manifestou qualquer vontade política quando ela era mais necessária, não mostrou qualquer senso de convicção, de autoconvencimento profundo, de confiança em sua própria capacidade para preservar o país; e não tomou as necessárias medidas econômicas.

Hoje, as lideranças russas que comandam o país já comprovaram mais de uma vez que têm forte vontade política e que têm as indispensáveis capacidades para preservar e fortalecer o desenho constitucional, a soberania e a integridade territorial do Estado russo.”

Patrushev, portanto, observa muitíssimo corretamente que o colapso da URSS nada teve a ver com crise econômica, mas, isso sim, com o comportamento irresponsável dos governantes, que levou ao colapso, não da União Soviética, como se o problema tivesse sido os sovietes ou o comunismo, mas do sistema de governança do Estado.

De fato, apesar da inflexibilidade da economia planejada, a Rússia não foi destruída nem pela queda dos preços do petróleo nem, sequer, por reformas econômicas alucinadas, sem qualquer sentido.

O país foi destruído pelo vai-não-vai para todos os lados e para lado algum, pela ausência de visão estratégica, pela fraqueza e pela covardia de Gorbachev, que era quem governava o país naquele momento.

Tendo iniciado a reforma do sistema econômico e político antes de ter construído plano estratégico coerente, tão logo as reformas começaram a gerar mais problemas que soluções, Gorbachev assustou-se e meteu os pés pelas mãos. E daquele momento em diante – cercado por intrigas e dedicado a promover ‘mudanças’ sem qualquer rumo nos quadros mais altos do governo –, Gorbachev consumiu todas as próprias forças exclusivamente para preservar a própria autoridade.

Já sem o apoio do partido, deslocou o centro de gravidade na direção dos sovietes e de expandir os direitos das repúblicas, ao mesmo tempo em que sacrificou a posição internacional do país.

Gorbachev nunca foi particularmente brilhante, mas, pela posição, tinha imenso poder executivo. Seus “parceiros” só se rebelaram contra ele em agosto de 1991, quando afinal se descobriu que Gorbachev já avançara a ponto de ter preparado um tratado que transformaria a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas numa confederação – desmontando a unidade do Estado russo. De fato, Gorbachev apoiou a (intenção/interesses) dos “parceiros”, depois que se deu conta de que não lhe restava alternativas. Mas Gorbachev apoiou os “parceiros” de tal modo, que lançou às costas deles responsabilidades que, a rigor, não eram deles, mas suas, de Gorbachev.

“Vão em frente”, disse o presidente da Rússia aos que resolveram criar o Comitê Estatal do Estado de Emergência [ru. sigla, GKChP) em 1991. Mas logo no dia seguinte, deu-se contra de que estava sendo deposto, não por causa de intrigas de Yeltsin, mas por causa dos putschistas (golpistas) que o haviam procurado. O que fez Gorbachev? Correu para casa e gravou uma mensagem a ser distribuída por televisão, denunciando que o presidente havia sido “preso” (caso acontecesse).

Irresponsabilidade, falta de visão do que tinha de ser feito, e falta de confiança nas próprias capacidades e habilidades – eis o que pôs abaixo um grande país. Isso é o que o Kremlin de hoje compreende perfeitamente.

E aí está por que Patrushev diz que os governantes, hoje, assumem plena responsabilidade pelo que decidem; que desejam – com vontade política clara – preservar o Estado russo e torná-lo mais forte; que sabem que a Rússia é país autossuficiente; que acreditam na Rússia e, não menos importante, que conhecem e confiam nas próprias capacidades.

O secretário do Conselho de Segurança da Rússia fala aí, em primeiro lugar e, sobretudo, embora sem citá-lo nominalmente, do presidente Putin, mas também se refere a mais alta instância de governo do país que, precisamente, se reúne no Conselho de Segurança. As políticas econômicas do governo e os debates a elas associados têm, nessas condições, importância secundária.

Sem negar a enorme importância do que está sendo feito e de quais são as preferências macroeconômicas desses ou de outros ministros do Gabinete como um todo,  a autoconfiança bem informada dos que hoje, no Kremlin, traçam a rota da Rússia e a fazem caminhar por ela é, de longe, muito mais importante.

O que se vê hoje é uma equipe coesa, que navega abaixo de tempestade densa, ajudada por um coro de assessores e conselheiros que vão iluminando o caminho, caminhando abaixo do fogo inimigo, rumo a objetivo bem definido, que todos os membros da equipe conhecem e entendem com perfeita clareza. Essa autoconfiança fundamentada, combinada à vontade política, é indispensável para reparar os buracos que nos fazem as balas do inimigo e para enfrentar as tentativas internas para fazer naufragar o navio e reabrir os buracos no casco.

A responsabilidade que o presidente russo aceita, e assume sobre o trabalho bem coordenado de uma equipe de pessoas que tenham visão comum e ocupem os postos chaves – é item imprescindível. E aí está a diferença crucial, entre a Rússia de hoje e àquela que existiu naqueles tristes anos da perestroika.

Anúncios

Análise: EUA estão encarando uma dura luta com a China

Autor: Wendell Minnick

Tradução: Dinamica Global

Fonte Original: Defense News

23 de janeiro de 2016

Um novo relatório da RAND desafia os militares dos EUA a repensar uma guerra com a China. O relatório examina EUA e capacidades militares chinesas em 10 áreas operacionais, produzindo um “scorecard” para cada um, de quatro anos: 1996, 2003, 2010 e 2017. Cada um dos scorecards avalia capacidades no contexto da geografia e da distância, cada um dos os scorecards avalia capacidades no contexto de dois cenários: uma invasão de Taiwan e uma campanha nas Spratly Islands. Estes cenários centram-se em locais que se encontram cerca de 160 km e 940 km, respectivamente, a partir da costa chinesa.

O relatório de 430 páginas, US-China Militar Scorecard: Forças, Geografia, e o equilíbrio evolutivo do Poder, 1997-2017, foi escrito por 14 estudiosos, incluindo o gênio dos jogos de guerra da RAND, David Shlapak; o especialista Jeff Hagen da modelagem e simulação; Kyle Brady, anteriormente com Lawrence Livermore; e o pesquisador de operações Michael Nixon.

Este relatório é sobre músculo e máquinas, não sobre política e questões políticas. Este é um objetivo “onde a borracha encontra a estrada” análise que olha para as capacidades da China em espancar as bases aéreas dos EUA na região, afundando porta-aviões norte-americanos com novos mísseis balísticos antinavio, e transformando satélites de espionagem e de comunicação americanos em lixo espacial.

O formato do scorecard com a análise dá ao leitor uma sensação de disputa esportiva, sobre como tão ruim as coisas podem ficar para os militares dos EUA em um conflito com a China. Os 10 scorecards de cada particularidade das capacidades relativas norte-americanas e chinesas em cada uma das área operacionais específicas: ar (1-4), marítima (5-6), espaço, cibernética e nuclear (7-10).

Scorecard 1: Capacidade chinesa de ataque a Bases Aéreas.

Desde 1996-97 com a Crise dos Mísseis no Estreito de Taiwan, assumiu-se que a China iria paralisar as bases aéreas de Taiwan com ataques de saturação de múltiplas camadas usando mísseis balísticos de curto alcance (SRBM). Porém, hoje há inclusive a base aérea de Kadena em Okinawa. O número de SRBMs têm crescido desde 1996, de um punhado para cerca de 1.400, e a probabilidade de erro circular encolheu de centenas de metros para menos de cinco metros. Até mesmo um número relativamente pequeno de mísseis precisos poderia inutilizar Kadena durante os dias críticos no início de uma guerra, e “ataques cometidos podem fechar uma única base por semanas”. Isso vai forçar os aviões americanos a voar a partir de distâncias mais longas para se envolver com forças chinesas, por exemplo: Alaska, Havaí e Guam.

DF-21D
Missil DF-21D, míssil balístico com ogiva direcionável, conhecido como “Carrier Killer”, ou “Assassino de Porta-Aviões”. Imagem: internet.

Scorecard 2: Campanhas aéreas sobre Taiwan e as Spratly Islands.

A China substituiu metade da sua frota de caças com caças de quarta geração. O impacto desse esforço tem sido próximo, mas não perto, da diferença qualitativa entre as forças aéreas dos Estados Unidos e da China. No entanto, isso levou a problemas gradativos dificultando a proteção de Taiwan em 2017. Nesse ano, os “comandantes dos Estados Unidos seriam incapazes de encontrar o embasamento necessário para as forças dos EUA prevalecerem em uma campanha de sete dias”, mas, eles poderiam deixar de lado a exigência de tempo e prevalecer em uma campanha mais prolongada, mas isso implicaria deixar as forças terrestres e navais vulneráveis ​​às operações aéreas chinesas por um longo período de tempo.

Scorecard 3: Penetração dos EUA sobre o espaço aéreo chinês.

Os avanços da China na defesa aérea têm tornado mais difícil de operar no espaço aéreo ou nas proximidades chinesas. Em 1996, os sistemas superfície-ar de mísseis (SAM) da China eram em grande parte cópias de antigos sistemas russos, como os SA-2 com 35 km de alcance. Até 2010, a China implantou cerca de 200 lançadores de “SAMs de dois dígitos” com candidatos mais sofisticados, com alcance de até 200 km. A análise mostrou ganhos líquidos para a China entre 1996-2017 com melhores sistemas integrados de Defesa Aérea, lutadores de quarta geração, e aeronaves de alerta aéreo antecipado. No entanto, em um cenário nas Spratly Islands, longe da China continental, a capacidade dos EUA de penetrar alvos é muito mais robusta, devido à utilização de aeronaves stealth e um conjunto alvo muito menor.

Scorecard 4: Capacidade dos EUA para atacar as bases aéreas chinesas.

Enquanto penetrar o espaço aéreo chinês é mais perigoso, o desenvolvimento de armas de precisão de fabricação americana tem dado aos norte-americanos mais opções e maior ímpeto em um cenário em Taiwan. Exemplos como os Joint Direct Attack Munitions e as armas retaliação de longo alcance oferecem aos EUA algumas vantagens no quintal da China. O relatório toma por modelo ataques sobre as 40 bases aéreas chinesas dentro do alcance, sem reabastecimento, dos caças de Taiwan. Em 1996, os EUA poderiam encerrar pistas a uma média de oito horas, e este número aumentou para entre dois e três dias em 2010, e permanece aproximadamente o mesmo em 2017. “Apesar do ataque ao solo representar um raro ponto de brilho para o desempenho relativo dos Estados Unidos, é importante notar que o inventário de armas à distância é finito, e o desempenho em um conflito maior iria depender de uma ampla gama de fatores”.

Scorecard 5: Capacidades chinesas de guerra antissuperfície.

A China tem uma obsessão com a proximidade dos porta-aviões dos EUA desde que os EUA implantaram dois durante a Crise dos Mísseis de 1996-1997 no Estreito de Taiwan. Uma piada comum agora cogitada entre os analistas de defesa na China é que, quando há uma crise, o presidente dos Estados Unidos sempre pergunta “onde está o porta-aviões mais próximo”? Mas em uma crise futura, a primeira coisa que um presidente chinês vai perguntar é “onde está o mais próximo porta-aviões dos EUA”?

A China finalmente atingiu o ponto em que pode oferecer risco aos porta-aviões norte-americanos com os novos mísseis balísticos antinavio (ASBM), o primeiro implantado por qualquer nação. Embora o relatório indique que a cadeia de destruição ainda faz ASBMs vulneráveis às contra medidas dos EUA, os EUA têm de encarar o fato de que a China desenvolveu uma capacidade de localizar e comprometer as transportadoras dos EUA que só vai melhorar nos próximos anos. Atualmente, a China tem uma capacidade de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) cada vez mais robusta ao longo do horizonte, que inclui satélites militares de imagem. Junto com a ameaça ASBM, os EUA devem considerar o aumento da sofisticação dos submarinos chineses armados com mísseis de cruzeiro e torpedos.

Scorecard 6: Capacidades de guerra antissuperfície dos EUA contra os navios da marinha chinesa.

Os EUA faz um trabalho muito melhor de prevenir um desembarque anfíbio chinês em Taiwan. Graças em grande parte aos submarinos, o poder aéreo e às forças de superfície, o relatório indica que 40% (quarenta por cento) do transporte anfíbio chinês seria destruído durante uma campanha de sete dias, “perdas que provavelmente causariam destruição sobre a integridade organizacional de uma força de desembarque”. Entretanto , a China está melhorando seus helicópteros e navios de guerra antissubmarina, e continua a expandir sua frota de embarcações anfíbias. Desde 1996, a China dobrou sua capacidade de elevação anfíbia, e sua frota inclui agora quatro grandes docas de transporte classe Tipo 071 que podem transportar quatro embarcações infláveis de desembarque terrestre.

Scorecard 7: Capacidades counterspace dos EUA contra Sistemas Espaciais Chineses.

Em resposta ao aumento da dependência da China por satélites e sinais preocupantes armas antiespaciais foram desenvolvidas, em 2002, os EUA começaram a financiar capacidades antiespaciais seletivas. Isso inclui a criação em 2004 do Sistema de Anticomunicação para obstruir satélites de comunicações inimigos. O relatório também sugere aos EUA desenvolverem sistemas de laser de alta energia para ofuscar os sensores ópticos dos satélites chineses, e incumbir interceptores de mísseis balísticos para abater satélites chineses. Estas recomendações são em grande parte resultado da derrubada em 2007 pela China de um dos seus satélites meteorológicos, e não uma decisão unilateral feita pelos EUA.

Scorecard 8: Capacidades counterspace chinesas contra Sistemas Espaciais dos EUA.

A China testou três testes de cinética de mísseis antissatélites desde 2007 em órbitas terrestres baixas (LEO). A China também opera estações de alcance a laser que poderiam ofuscar os satélites dos EUA ou rastrear suas órbitas para facilitar outras formas de ataque. O relatório constatou que as ameaças aos satélites de comunicação dos Estados Unidos na forma de sistemas de interferência e de imagem que estão em LEO são graves. O relatório argumenta que “mais preocupantes” na China são os sistemas e transmissores de alta potência de rádio de dupla utilização, de fabricação russa, que podem ser utilizados contra a comunicação dos EUA e satélites ISR.

Scorecard 9: Capacidades da guerra cibernética chinesa e americana.

As unidades cibernéticas da China operam desde a década de 1990 e estão intimamente ligadas ou operadas por militares chineses. Embora os EUA tenham sofrido ataques graves, sendo destes o mais notável o recente incidente no Escritório de Gestão de Pessoas nos EUA, indica o relatório que os EUA “podem ​​não sair tão mal no domínio cibernético como muitos supõem” durante um conflito. A Cyber ​​Command dos EUA trabalha em estreita colaboração com a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos e pode desenhar fortemente o kit de ferramentas sofisticadas deste último. Apesar da vantagem dos Estados Unidos durante a guerra, ambos vão, “mesmo assim enfrentar surpresas significativas” e os esforços logísticos dos EUA serão particularmente vulneráveis, uma vez que dependem de redes não classificadas na Internet.

Scorecard 10: EUA e China, Estabilidade Nuclear Estratégica.

Este scorecard avalia as capacidades de sobrevivência de ambas as partes para um segundo ataque nuclear em face de um primeiro ataque. A China tem melhorado suas forças nucleares de forma constante desde 1996, com a introdução de novos mísseis balísticos intercontinentais, como o DF-31/31A e um atualizado DF-5 com capacidade MIRV. A Marinha também implantou seu primeiro míssil JL-2 balístico lançado de submarino operacional a bordo de seus submarinos da classe Jin. Apesar destas novas capacidades a China não tem a capacidade de impedir uma segunda capacidade de ataque dos EUA. Os EUA têm uma vantagem numérica de ogivas de 13:1 (treze para um).

Conclusões e Recomendações

O relatório afirma que nos próximos cinco a 15 anos, se as forças americanas e chinesas permanecem nas trajetórias atuais, a Ásia vai testemunhar uma fronteira que irá se afastar progressivamente do domínio dos Estados Unidos. As forças chinesas se tornarão mais capazes de estabelecer temporariamente no local a superioridade naval e aérea no início de um conflito, e isso poderá permitir que a China “alcance objetivos limitados sem derrotar as forças dos EUA”.

“Talvez mais preocupante do ponto de vista político-militar, a capacidade para contestar o domínio pode levar os líderes chineses a acreditar que eles poderiam impedir a intervenção num conflito entre eles e um ou mais dos seus vizinhos”. Isso poderia minar a dissuasão norte-americana e poderia durante uma crise pender a balança da disputa para a China sobre a conveniência de usar a força.

O relatório recomenda que os EUA trabalhem para moldar as percepções equivocadas dos líderes chineses de que a força militar dos EUA está enfraquecendo na região e enfatizem que existem sérios riscos de se envolver com as forças militares dos EUA.

As prioridades de aquisição devem ser ajustadas para enfatizar a redundância de base e capacidade de sobrevivência, mais armas standoff, caças e bombardeiros de sobrevivência furtivos, e melhorou as capacidades de guerra submarina e antissubmarina, e um programa espacial e antiespacial robusto. Os militares dos EUA também devem fazer cortes rápidos para as forças de combate legados e diminuir a ênfase em porta-aviões de grande porte.

Os militares dos EUA devem considerar uma estratégia de negação ativa que utilize a profundidade estratégica da Ásia e “permita que as forças dos EUA possam absorver os golpes iniciais e lutar contra seu caminho de volta”.  A defesa de posições estáticas próximas a China “podem ​​simplesmente se tornar inacessíveis”.

As relações político-militares com as nações regionais devem ser ampliada, com ênfase no acesso ao tempo de guerra para instalações e bases, particularmente nas Filipinas, Vietnã, Indonésia e Malásia.

Apesar destes esforços, os EUA enfrentam sérios desafios na região. A China tem um foco mais estreito sobre uma série de missões regionais, especialmente em Taiwan, o que lhe permite optimizar as suas forças para aqueles trabalhos. “Geograficamente – ‘o esqueleto da estratégia’- complica enormemente os desafios enfrentados pelos Estados Unidos”. A proximidade da China até as áreas de conflito em potencial lhe permite capitalizar sobre as áreas de paragem relativamente seguras. “Isso permite que o PLA se concentre em grande parte, nos ‘dentes’ (forças de combate) ao invés da ‘cauda’ (ativos de apoio)”.  Em contraste, os EUA devem manter um extenso mar e uma capacidade logística aérea, juntamente com uma grande parte baseada sistema de comunicação espacial, que é vulnerável ​​a perturbações por parte da China.

Mapa: dias decisivos da batalha por Latakia

Por: Peto Lucem (exclusivo para o site South Front).

Tradução: Enlil

Adaptação: César A. Ferreira

Imagem ampliada do mapa, aqui.

Nos últimos dias, o Exército Árabe Sírio (EAS) obteve ganhos territoriais significativos no antigo reduto insurgente, localizado na “montanha dos curdos” região (Jabal al-Akrād), perto da fronteira com a Turquia em Latakia, província. Nos últimos três anos, a insurreição síria beneficiou-se das rotas de abastecimento em execução a partir da fronteira com a Turquia e também do terreno montanhoso e arborizado. Esta região tem uma importância vital para ambas as partes em guerra por causa de sua proximidade com a cidade de Latakia e outros centros urbanos próximos da costa do Mediterrâneo. A área de fronteira sírio-turca foi uma zona de interdição de área para as forças do governo sírio por um longo tempo. Este quadro foi alterado.

Como esperado, a queda do reduto insurgente mais importante de Salma teve um impacto negativo, severo, sobre as capacidades de defesa insurgência. Em 20 de janeiro, a EAS havia libertado a aldeia de Ateera e as zonas circundantes, que os insurgentes tentaram recapturar um dia antes, sem sucesso. As forças do governo empurraram os insurgentes da aldeia al-Kabeir e mudando-se desta maneira a pressão para longe das forças leais, concentradas na vila de Bayt Ablaq. O avanço mais importante aconteceu na área operacional do sul, perto da estratégica rodovia M4, que leva às cidades de Jisr al Shughour e Idlib.

Nesta área, a EAS foi capaz de assumir o controle das aldeias de Ayn al Hawr, Ghunaymiyah, e Khab al Jawz. Especialmente a captura de Khab al Jawz foi de enorme importância estratégica, semelhante à captura de Salma alguns dias antes. Ao capturar Khab al Jawz e os entroncamentos vitais das proximidades, a EAS começou um avanço para o bastião insurgente do norte de Rabi’ah. Os defensores deste ponto vital já tiveram um tempo difícil tentando adiar as forças governamentais destacadas para a zona norte. Agora, eles também tiveram que cobrir as duas estradas principais que funcionam do sul para Khab al Jawz. No entanto, os insurgentes veem-se oprimidos pelo rápido avanço do exército perto da autoestrada M4. Não foram capazes de desviar as forças para esta área. Assim, para eles não foi possível definir uma nova linha de defesa dentro de um prazo razoável, para evitar antecipadamente as forças do governo com eixo direcionado para com a Rabi’ah.

Apenas um dia depois de o EAS ter capturado o entroncamento de Khab al Jawz, o exército ocupou a vila de Baradun e a barragem próxima de Baradun. No Norte, o exército empurrou as forças insurgentes da área de Jaqruran, o que criou uma pressão adicional sobre os defensores de Rabi’ah. Em 22 de janeiro, as forças insurgentes, exaustas, mostraram sinais crescentes de desorganização e fadiga. Revelaram-se incapazes de deter as forças sírias que receberam apoio aéreo preciso das forças aéreas russas e sírias.

Durante este dia decisivo, o EAS lançou um ataque em grande escala. Ao longo de a linha defensiva insurgente posicionada na protuberância entre as aldeias de Baradun e ad-Durrah. O exército fez ganhos significativos e libertou uma série de aldeias, incluindo o importante vila de al-Rayhaniyyah, ao sul de Rabi’ah. Em 23 de janeiro, as defesas insurgentes desabaram completamente. As forças do governo também ganharam o controle sobre novas áreas e aldeias, tais como al-Malik, Tanahiyah e Al Huwlah.

Até agora, a insurreição foi incapaz de contrariar os recentes sucessos do governo de forma adequada. Ao que parece, eles contavam com a resistência de pontos fortes próximos das áreas da linha de frente, quando da ofensiva em larga escala lançadas pelas forças pró-governo em outubro passado. Tão logo houve a queda destes pontos fortes, como Salma, não detiveram possibilidades outras, para deter os avanços das forças legalistas.

Um fato óbvio é que eles, os insurgentes, não aplicaram a estratégia de defesa em profundidade (defesa compartimentada, elástica), o que provou ser fatal. Esta situação, provavelmente, deverá levar a uma diminuição acelerada dos recursos dos militantes e de mão de obra. Se Rabi’ah cai, ele provavelmente dar-se-á uma retirada em grande escala no sentido de Jisrt al Shughour. Os insurgentes provavelmente tentarão realizar uma resistência  final no ponto mais estreito, entre a área de Ayn al Hawr e a fronteira turca. Caso esta tentativa venha a falhar, o corredor para Jisr al Shughour estará aberto para as forças do governo. O posicionamento estratégico das formações insurgentes provavelmente será agravada ainda mais, devido ao fato de que o EAS liberou recentemente milhares de efetivos, ao ter encurtando a linha de frente na província de Latakia. Em outubro, a linha de frente exibia um comprimento total de aproximadamente 35 milhas. Até o momento, enquanto se aguarda começar o impulso em direção a Jisr al Shughour, o EAS terá de cobrir cerca de 10 milhas (no caso de a EAS manter as suas posições atuais em al Ghab). Embora o exército provavelmente  retire uma pequena parte de sua força ofensiva, para um posicionamento defensivo junto a  fronteira turca, deverá manter uma reserva suficientemente forte, com poder necessário para realizar uma ofensiva com intuito de capturar Jisr al Shughour e até mesmo Idlib.

Veteranos britânicos fantasiam suas experiências ao reivindicarem TEPT

Fonte: The Guardian (artigo não assinado)

Muitas das reivindicações de TEPT por militares veteranos são fabricadas, ou exageradas.

Ex-ofical sênior, psiquiatra, afirma que 42% dos casos não se relacionam com qualquer ligação firme para com o serviço militar, desviando recursos de necessidades genuínas.

Quase a metade do pessoal de serviço, avaliados por psiquiatras militares, têm problemas de saúde mental que não foram claramente associados à sua carreira nas forças armadas, ou eram personagens “Walter Mitty” que fabricaram as suas experiências, isto de acordo com um dos principais especialistas.

Ian Palmer, ex-psiquiatra militar sênior que dirigia o programa do governo de avaliação médica (MAP), um dos veteranos dos serviços de saúde mental, descobriu que em 42% dos casos não havia vínculo definitivo para o serviço militar e, pelo menos, 10% pareceu fazer-se, ou exagerar significativamente a sua história de serviço.

Palmer, o primeiro professor de psiquiatria militar para as forças armadas, disse que as previsões de um grande número de veteranos apresentando o sofrimento do transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), após os turnos de serviço no Iraque, bem como no Afeganistão, não se materializaram, enquanto vários sites tornaram mais fácil para as pessoas a aprender e a articular os sintomas.

Fabrications são intrigantes, porque elas variam da fraude absoluta, através do fantástico, até ao delirante. Creio que cerca de 10%, estimativa que pode estar subestimada, dentre àqueles que comparecem para uma  avaliação, podem ter tanto exagerado, como inventado “, afirmou.

Palmer explica que muitas pessoas, incluindo profissionais de saúde, foram rápidos em fazer um nexo de causalidade entre a saúde mental e o serviço militar. “Dentro da sociedade parece haver um desejo quase reflexo de vincular problemas de saúde em veteranos com o seu serviço militar. Só porque alguém tenha servido, não significa que o seu problema de saúde mental esteja relacionado com o seu serviço (militar)”.

Os comentários de Palmer coincidem com um novo estudo publicado no Defence and Security Analysis journal,  cujo estudo relata que alguns veteranos embelezam o seu serviço militar, porque o escrutínio da mídia de TEPT relacionado com as guerras do Iraque e Afeganistão levou o público britânico a esperar que a maioria dos veteranos tinham sido traumatizados por suas excursões de dever.

the-bonds-of-battle-ptsd-sebastian-junger-vf_Vanity_fair
Alguns veteranos das intervenções armadas do Reino Unido elaboram e fantasiam as suas experiências de combate para valorizá-las, como justificativa para pretensos sintomas de estresse pós-traumático. Imagem: Veteranos combatentes em período de descanso. Foto: Vanity Fair.

Hugh Milroy, executivo-chefe da entidade de caridade Veterans Aid e um dos autores do estudo, disse que o volume de carreiras militares fabricadas (fantasiadas) que foram descobertas era inquietante: “A fabricação de histórias de serviços que não coincidem com a realidade e a atribuição de problemas para eventos traumáticos fictícios é perturbador, um insulto para aqueles cujas experiências são genuínas e acaba por nos fazer perder tempo e dinheiro”, ressaltou.

O fenômeno alegado tornou-se tão difundido que um grupo de veteranos formou na internet o Walter Mitty Hunters Club, criado, justamente, para expor tais casos.

Composto por mais de 20 atuais e ex-membros das forças armadas, suportados por uma ampla rede de apoiadores, o clube rastreia impostores civis e “Walter Mittys”. O grupo alegou na semana passada que as medalhas militares que um vereador de Kent alegou terem sido concedidas, eram falsas.

Atualmente não há nenhuma sanção legal contra tal engano no Reino Unido. Nos EUA, no entanto, o desgaste não autorizado, fabricação ou venda de quaisquer condecoração, ou outras honrarias militares (medalhas militares) é proibida ao abrigo da Stolen Valor Act.

Edgar Jones, professor de história da medicina e psiquiatria do King College London, disse que o engano arriscou a tomar recursos finitos a partir de casos merecedores.

“A questão premente do ‘trauma encenado’,  é que a elaboração, ou falsificação de experiências traumáticas e dos sintomas do transtorno de estresse pós-traumático, é de grande importância, por ter o potencial de minar a validade dos casos genuínos e de diluir os recursos escassos”, continua: “Se o público começar a suspeitar da veracidade dos veteranos com distúrbios psicológicos, poderia vir a reduzir a sua vontade de realizar doações às  instituições de caridade militares, ao mesmo tempo em que  aumentam o estigma associado à doença menta.”.

O Ministério da Defesa (Reino Unido) diz ter melhorado os serviços de saúde mental, em especial para os militares. O Governo comprometeu £ 7.4 milhões para a questão no ano passado, ao lado de campanhas de sensibilização, tais como “Don’t Bottle It Up”.

Relatório publicado pelo Kings College, Londres, no ano passado, revelou que os membros das forças armadas do Reino Unido são duas vezes mais propensos a desenvolverem depressão. ou ansiedade, do que os membros da população trabalhadora em geral.

O segredo por trás do próximo crash global

Por: Pepe Escobar – 21.01.2016

Tradução: Coletivo de Tradutores da Vila Vudu

Fonte original: Sputnik News

Reproduzido: Blog do Alok

O Fórum Econômico Mundial em Davos está naufragado sob um tsunami de denials – negar o que vê/fingir que não vê/não ver sinceramente – e também de non-denial denials – não negar o que nem vê que nega – e tudo isso só para ‘garantir’ que não acontecerá um desdobramento do Crash de 2008.

O caso é que sim, acontecerá. E o cenário já está pronto.

Seletos corretores de petróleo no Golfo Persa, o que inclui ocidentais que trabalham no Golfo confirmam que a Arábia Saudita está descarregando pelo menos $1 trilhão em securities e derrubando os mercados globais por ordem dos Masters of the Universe – os que mandam acima da presidência manca de Barack Obama.

Longe vão os dias quando bastaria a Casa de Saud flertar com essa ideia, para ter todos os seus bens congelados. Pois, hoje, já obedecem a ordens. E mais virá; na avaliação de corretores craques em Golfo Persa, os investimentos sauditas em securities ocidentais podem chegar a $8 trilhões; os de Abu Dhabi, a $4 trilhões.

Em Abu Dhabi tudo foi separado em compartimentos, e ninguém pode avaliar coisa alguma, exceto corretores e negociantes que conheçam cada supervisor de cada compartimento de investimentos. E para a Casa de Saud, como se poderia prever, a regra de ouro é negar sempre.

Essa massiva descarga de securities chegou algumas vezes à mídia-empresa, mas os números têm sido grosseiramente subestimados. A informação inteira não chegará até lá, porque os Masters of the Universe ordenaram que não chegasse.

Houve aumento gigante na descarga saudita-Abu Dhabi de securities desde o início de 2016. Fonte no Golfo Persa diz que a estratégia saudita “demolirá os mercados”. Outra fonte fala de “vermes comendo carcaça no escuro”; basta olhar a calamidade em Wall Street, por toda a Europa e em Hong Kong e Tóquio na 4ª-feira.

Quer dizer: já está acontecendo. E uma subtrama crucial pode ser, em prazo de curto a médio, nada menos que o colapso da eurozona.

00crash2008
Desânimo no mercado. Foto: Euronews.

O crash de 2016?

Por tudo isso, pode ser um caso de a Casa de Saud em pânico, instrumentalizada para derrubar grossa fatia da economia global. Quem ganha com isso? Cui bono?

Moscou e Teerã tem muito a ver com isso. A lógica por trás de demolir mercados, criando recessão e depressão – do ponto de vista dos Masters of the Universe que reinam acima do presidente pato manco dos EUA – é arquitetar retardo gigante, impossibilitar os padrões de compra, reduzir o consumo de petróleo e gás natural, e pôr a Rússia em rota direta rumo à ruína. Além do quê, preços ultrabaixos do petróleo também se traduzem como uma espécie de sanção-substituta contra o Irã.

Mesmo assim, o petróleo iraniano que se aproxima de chegar ao mercado estará em torno de 500 mil barris/dia em meados do ano, mais um excedente armazenado em petroleiros no Golfo Persa. Esse petróleo pode ser e será absorvido, porque a demanda está aumentando (nos EUA, por exemplo, aumentou 1,9 milhão de barris por dia em 2015), e a oferta está caindo.

Em julho, aproximadamente, demanda crescente e produção em declínio reverterão o crash do petróleo. Além do mais, as importações de petróleo da China tiveram aumento recente de 9,3%, em 7,85 milhões de barris/dia, o que desacredita completamente a narrativa dominante de que a economia chinesa estaria ‘em colapso’ – ou de que a China seria culpada pelos padecimentos atuais do mercado.

Assim sendo, como já expus aqui em linhas gerais, em breve o petróleo dará a volta por cima. Goldman Sachs concorda. Implica que os Masters of the Universe tem uma estreita janela de oportunidade para fazer os sauditas despejarem quantidades massivas de securities nos mercados.

A Casa de Saud pode precisar desesperadamente de dinheiro, se se considera o alerta vermelho no orçamento. Mas esse despejo das próprias securities também é visivelmente autodestrutivo. Eles simplesmente não podem vender $8 trilhões. A Casa de Saud está, na verdade, destruindo o equilíbrio da própria riqueza. Por mais que a hagiografia ocidental tente pintar Riad como player responsável, fato é que legiões de príncipes sauditas estão horrorizados ante a destruição da riqueza do reino nesse haraquiri em câmera lenta.

Principe
Mohammed bin Sultan. Foto: Albawaba News.

Haveria algum Plano B? Haveria. O príncipe guerreiro Mohammed bin Sultan – atual manda-chuva em Riad – teria de meter-se no primeiro avião para Moscou, para arquitetar uma estratégia comum. Mas não acontecerá.

E quanto à China – maior importador de petróleo da Arábia Saudita –Xi Jinping acaba de visitar Riad; Aramco e Sinopec assinaram uma parceria estratégica; mas a parceria estratégica que realmente conta, considerando o futuro de “Um Cinturão, Uma Rota”, é, essa sim, a parceria Pequim-Teerã.

O despejo massivo das securities sauditas tem a ver com a guerra saudita do preço do petróleo. No momento atual de volatilidade extrema, o petróleo está em baixa, as ações estão em baixa e os estoques de petróleo estão baixos. Pois nem assim a Casa de Saud dá sinais de compreender que os Masters of the Universe os estão empurrando para que se autodestruam, os próprios sauditas, várias e várias vezes, incluindo inundar o mercado de petróleo depois de limitar a capacidade dos sauditas [orig. including flooding the oil market with their shut-in capacity]. E tudo isso, para ferir mortalmente Rússia, Irã e… a própria Arábia Saudita!

Apenas um peão no jogo de outros.

Entrementes, Riad ferve de boatos de que haverá um golpe contra o rei Salman – virtualmente incapacitado, demente e confinado a um quarto de seu palácio em Riad. Estão em jogo dois possíveis cenários:

1) Rei Salman, 80, abdica em favor do filho, conhecido ignorantão, arrogante criador de confusão e príncipe guerreiro Mohammed bin Salman, 30, atualmente vice-príncipe coroado e ministro da Defesa e o segundo na linha de sucessão, mas quem de fato comanda o show em Riad. Pode acontecer a qualquer momento. Como bônus, o atual ministro do Petróleo Ali al-Naimi, que não é da família real, poderia ser substituído por Abdulaziz bin Salman, outro filho do rei.

2) Um golpe palaciano. Salman – e seu filho criador de casos – cai fora do quadro, substituído por Ahmed bin Abdulaziz (que foi já ministro do Interior), ou pelo príncipe Mohammed bin Nayef (atual ministro do Interior e príncipe coroado).

Seja qual for o cenário que se concretize, o MI6 britânico está muito intimamente a par da pantomima. E talvez também o BND (Bundesnachrichtendienst, Serviço Nacional de Inteligência) alemão. Todos recordam o memorando do BND no final de 2015, que descrevia o então vice-príncipe coroado Mohammed bin Salman como “jogador político” que está desestabilizando o mundo árabe com as guerras por procuração no Iêmen e na Síria.

Fontes sauditas – que pedem, por óbvias razões, que não se publiquem seus nomes –, garantem que nada menos de 80% da Casa de Saud é favorável ao golpe.

Seja como for, permanece a questão de saber se alguma Casa de Saud reformatada interromperá o haraquiri em câmera lenta que lá acontece. O imperativo categórico não muda: os Masters of the Universe estão prontos para derrubar o mundo inteiro, empurrando-o para terrível recessão, para, basicamente, estrangular a Rússia. A Casa de Saud é apenas um peão nesse jogo de pervertidos.

Pepe Escobar (1954) é jornalista, brasileiro, vive em São Paulo, Hong Kong e Paris, mas publica exclusivamente em inglês. Mantém coluna no Asia Times Online; é também analista de política de blogs e sites como:  Sputinik, Tom Dispatch, Information Clearing House, Red Voltaire e outros; é correspondente/ articulista das redes Russia Today e Al-Jazeera.

Radar de Vigilância BRADAR SABER M60

Esta matéria foi redigida originalmente para o site Portal Defesa e publicada na data de 08.09.2014.

Por: César Antônio Ferreira

A Embraer Defesa & Segurança, por meio da sua subsidiária, BRADAR, demonstrou na última mostra BID BRASIL o seu carro – chefe: o radar de vigilância de campo contra incursões de baixa altura BRADAR M60. O radar em questão é desmontável, capaz de ser transportado por veículos off-road leves, caso do Agrale Marruá AM-21 (3/4 ton), pois o peso total do conjunto é pouco maior do que 364 kg, ocupando 15 minutos de trabalho de uma equipe de três especialistas para ser montado. O radar é capaz de ser montado em qualquer tipo de terreno e opera sobre severas condições climáticas, exibindo flexibilidade e robustez.

A importância de dotar o Exército Brasileiro de um radar de vigilância e varredura de alvos aéreos, notadamente incursores de baixa altura, está refletida na recente cadeia de eventos do leste ucraniano, onde a Força Aérea da Ucrânia sofreu baixas exorbitantes entre as suas aeronaves de ataque disponíveis em rampa, devido a insistência em ataques à baixa altura, contra uma força dotada de um respeitável estoque de MANPADS e de canhões de tiro rápido. O radar de vigilância avisa aos artilheiros a direção da ameaça, preparando-os para o combate. Esta é a função do radar SABER M60.

tecnologia310501MCN
Antena rotativa do Radar Saber M60, desdobrada no Campo. Foto: internet.

O SABER M60 é um radar 3D, ou seja, é tridimensional, de estado sólido, modular e Pulso Doppler, possui a capacidade de rastreio de até 40 alvos, simultâneos, que por ventura estejam dentro do seu alcance de detecção. O cilindro que representa o seu alcance de detecção compreende um raio de 60 km de distância, com altura de até 5 km. Opera na Banda L (Frequência de 950 MHz a 1450 MHz, com Comprimento de Onda de 23 cm), sendo capaz de distinguir se a ameaça é um vetor de asas fixas (caça – bombardeiro), ou rotativas (helicóptero).

O processamento dos sinais é digital, e a interface do sistema é amigável, baseada que é em arquitetura aberta (Linux), portanto, adaptável às necessidades e requerimentos dos clientes, passível de ser instalado em computadores portáteis, exibindo a notável robustez do software. A transmissão se dá por cabo, ou conexão segura de rádio. Estes dados são enviados, recebidos e trabalhados por um COAAe – Centro de Operações de Artilharia Antiaérea, que é um módulo transportável, equipado com equipamentos de radiocomunicação, comando e controle, interceptação e monitoramento, que permite ao operador uma centralização de dados em vista de facilitar a consciência operacional. O COAAe dispõe de facilidades como telas de LCD, computadores, roteadores e ar-condicionado, entre outros.

Especificações Técnicas

Características físicas

Peso Total: 364,25 kg.

Comprimento Total em Operação: 3,20 m.

Largura Total em Operação: 3,20 m.

Altura Total em Operação: 2,85 m.

Alimentação do Sistema

Bateria: 28V, CC.

Comercial: 90-230V, CA, 50-60 Hz.

Gerador: Customizado (orgânico).

Radar

Alcance: 60 km.

Teto Máximo Aproximado: 5000 m.

Rotação da Antena: 7,5 ou 15 RPM.

Transmissor

Tipo: Estado Sólido; Pulso Doppler.

Frequência:Banda L.

Potência Média: 50 W.

Potência de Pico: 500 W.

Processamento de Sinais

MTI: Digital.

Exército Árabe da Síria demonstra novas habilidades

Por: César A. Ferreira

É sabido que um exército que se mantém muito tempo em paz tende a enrijecer-se, devido não só ao apego das formas conhecidas de combater, como ao desprezo,  discreto,  mas sentido, por tudo que seja inovador, ou diferente. Um exemplo clássico é a Armée de Terre, que partiu para lutar a Segunda Grande Guerra como se esta fosse a repetição do Front Ocidental da Primeira Grande Guerra. O resultado é bem conhecido por todos.

Não poderia ser diferente com o Exército Árabe da Síria, que neste confronto com foras irregulares, mas extensas, além de muito bem armadas no padrão OTAN, com aquilo que há de melhor no arsenal ocidental, tal como os ATGW TOW, foi obrigado por estes mesmos motivos a rever de maneira ampla os seus conceitos, formas de combater e dogmas, antes arraigados, para fazer valer a sua vontade no campo de batalha. Não que seja uma novidade para os sírios. Em 1982 a infantaria síria concebeu grupos de infantaria, armados com RPG-7, com o intuito de caçar blindados israelenses no Vale do Bekaa. Estes grupos “matadores” causaram baixas desproporcionais na força blindada israelense, dado que eram grupos pequenos, que se aproveitavam das reentrâncias do terreno e do ambiente urbano. Para as Forças de Defesa de Israel o drama iria se repetir, desta vez na forma de pesadelo em 1986, tendo como inimigo o Hezzbolah. Mas, esta é outra história…

Não é novidade que este conflito, na Síria, tenha um forte componente urbano, portanto de uma guerra de atrito, mas se enganam aqueles que pensam em formações pesadas, ataques maciços, com uso de extenso de Carros de Combate como aríetes modernos. Isto só os exporia às armas anti-carro. Na verdade dá-se uma procura grande pela mobilidade e poder de fogo. Não por outro motivo, vê-se de forma onipresentes os canhões de tiro rápido de 23mm montados nas caçambas de “Pick Ups”… O Exército Árabe da Síria adotou esta forma de combater, e possui a sua frota de canhões de tiro rápido de deslocamento imediato.

0222VI
Elemento de ligação e exploração do exército sírio percorre de motocicleta a cidade disputada de Salma. Foto: Youssef Karwashan/AFP

A arma secreta, no entanto, é outra… A motocicleta! Isto mesmo, uma simples moto é a grande estrela da vitória do Exército Árabe da Síria na retomada de Salma. É verdade que a ala aérea russa se fez presente, e que a barragem de artilharia foi intensa e muito bem coordenada, mas no campo da infantaria, foram as motocicletas aquelas que permitiram os avanços rápidos dos infantes, evadindo-se dos snipers, que não tinha tempo de mirar e disparar em alvos tão fugidios. Em declaração para a Agência AFP, um jovem combatente, identificado como Hany, afirmou: ”A forma como combatemos tem  mudado desde o princípio da guerra, e temos desenvolvido os nossos próprios métodos ofensivos”, em seguida completou, “Hoje, nós utilizamos as motos pela sua velocidade e mobilidade”.

O motivo deste apreço, além da velocidade, que serve como um subterfúgio contra os franco-atiradores, deve-se ao fato delas superarem obstáculos com facilidade, além de serem os veículos ideais para transitar nas ruelas estreitas dos bairros típicos de muitas cidades sírias. As ruas estreitas, tal como aquelas que existem em Salma, dificultam, isto quando não inviabilizam por completo a progressão dos blindados e dos Carros de Combate. Para as motos, isto não é um problema, daí o uso de cerca de 80 motocicletas na batalha pela cidade de Salma.

Não foi uma inspiração celestial, tampouco de algum iluminado oficial, ou praça. Foi, isto sim, a observação objetiva e sem menosprezo da forma como o inimigo combatia. O uso de motos foi copiado, sem cerimônia ou vergonha, como demonstra o nosso informante: “Não nos negamos a dizer que aprendemos a tática de utilizar motos com os rebeldes. Temos desenvolvidos novos métodos no combate urbano e contra a guerra de guerrilha, e a luta em motocicletas pode chegar a ser uma tática em que os exércitos regulares podem vir a se basear”.

Para os sírios a moto significa a sobrevivência, pois pode transladar feridos, levar munições para grupos semi-cercados, recompletar pelotões e grupos de combate, bem como serem equipadas com metralhadoras, RPG-7, ou superior, onde até mesmo o uso de Nightvison Goggles, se faz presente.

Quem diria que a guerra está aos poucos se parecendo com a sua representação hollywoodiana…

É assim.

Semana 15 da intervenção russa na Síria: Quando nenhuma notícia é boa notícia

Data de publicação: 17/1/2015.

Autor: The Saker

Fonte original:  Vineyard of the Saker

Fonte em Português: Oriente Mìdia

Tradução: Coletivo de Tradutores da Vila Vudu.

Pode-se dizer que a intervenção russa na Síria entrou numa espécie de rotina: os russos bombardeiam, muito, e os sírios avançam em quase todos os fronts, mas lentamente. Por mais que os que esperavam colapso rápido do Daesh seguido de várias grandes vitórias do estado sírio estejam talvez desapontados, pessoalmente estou ainda mais encorajado por esses eventos. Explico por quê:

Se os sírios não venceram em alguma rápida Blitzkrieg [guerra-relâmpago], é porque, em primeiro lugar e sobretudo, nenhuma Blitzkrieg jamais foi possibilidade real. Os sírios nunca tiveram números que lhes permitisse concentrar forças suficientes num eixo de ataque e, subsequentemente, explorar alguma abertura. Os sírios tampouco têm o poder de fogo necessário para preparar as defesas do Daesh antes de tentar ofensiva daquele tipo.

De fato, um papel secundário das Forças Aeroespaciais Russas foi prover, do ar, o poder de fogo que os sírios não tinham nas próprias forças terrestres. Mas, por mais que uma Blitzkrieg seja muito impressionante, embora arriscada, há outro tipo de guerra também já testada no tempo, a guerra de atrito [ing. attrition warfare], que também gera resultados. Não estou falando de um tipo de guerra de atrito da 1ª Guerra Mundial, é claro, mas de um tipo específico do conflito sírio.

Os russos não param de degradar o Daesh em vários níveis: atingem postos de comando, depósitos de munição, rotas logísticas e de suprimento, bases de treinamento, etc. Dado que vários desses alvos já estão destruídos, os russos também estão provendo mais e mais apoio aéreo direto próximo, quer dizer, agora estão voando missões em apoio direto às operações do exército sírio. Há também cada vez mais evidências de que há oficiais russos trabalhando bem próximos das unidades sírias de linha de frente. Essa cooperação próxima e a coordenação fina entre russos e sírios já gerou várias pequenas vitórias e pelo menos uma grande vitória: a cidade estratégica de Salma, na província de Latakia no nordeste do país, está agora completamente libertada.

– Assistam a esse vídeo (em russo, com legendas em inglês, mas o idioma nem é necessário), da libertação da cidade.

– Para acompanhar progressos recentes, há esse relatório do Quartel-general Russo (legendas em inglês).

Do lado negativo, sírios e russos ainda não encontraram meio para negar ao Daesh sua maior vantagem: a capacidade para arrastar mais e mais combatentes para dentro da Síria, pela Turquia e outros países.

Nesse momento ainda não se vê com clareza quem está levando vantagem nessa competição: se os sírios matam takfiris mais depressa do que o Daesh os importa, ou não. Seja como for, o que é certo é que os sírios estão avançando, o que me diz que, por mais que o influxo de novos combatentes com certeza seja problema para os sírios, não é fator que tenha tornado possível, para o Daesh, impedir os sírios de avançarem.

Já mencionei no passado que os russos estão fornecendo aos sírios sistemas avançados de artilharia que, gradualmente, restaurarão, para os sírios, a capacidade de poder de fogo nas unidades de solo do exército.

Outro item interessante do noticiário recém surgido: há relatos de que a Rússia, agora,está fornecendo armamento diretamente ao Hezbollah.

Se aquelas notícias se confirmarem (mais ou menos; ninguém jamais reconhecerá oficialmente, claro), teremos aí resposta muito elegante às bombas de Israel contra depósitos de armamento do Hezbollah.

síria-homs-exército-livre-TL-20120214R7
Soldados do Exército Árabe da Síria exultantes por libertarem um bairro dos terroristas. Foto: Portal R7.

Quanto ao Irã, podemos ter certeza de que podem obter no mercado russo, em todos os casos, quase qualquer coisa de que venham a precisar. Em outras palavras, Rússia estará lentamente, mas consistentemente, reconstruindo as capacidades sírias.

Mesmo com tudo isso, o grande evento das duas últimas semanas é, na realidade, um não evento. É o fato de que a “coalizão alternativa” liderada pelos EUA está conseguindo precisamente nada. Não apenas a grande conferência na Arábia Saudita foi fracasso totaldepois que o grupo Ahrar al-Sham deixou a reunião, mas, além disso, a recente tentativa dos sauditas para criar uma crise com o Irã também deu em nada, acabou sem qualquer resultado tangível.

O mesmo vale para a intervenção francesa em resposta aos massacres em Paris: o [porta-aviões] Charles de Gaulle navegou para a Síria e daí… nada! Literalmente nada, coisa nenhuma, aconteceu. Quando ao Hegemon Mundial, parece que Tio Sam simplesmente não sabe o que fazer: todos vimos uma série de declarações insípidas e depois delas, nada. Os turcos, por sua vez, enfrentam agora situação interna que só piora dia após dia e também já parecem não saber o que fazer quanto à Síria.

Por tudo isso é que entendo que “nenhuma notícia é boa notícia”: porque nenhuma notícia significa que a Rússia é o único jogo na cidade: seja qual for o passo do avanço russo-sírio contra o Daech, são os únicos que estão realmente fazendo acontecer alguma coisa, enquanto todos os demais atores estão em total desarranjo e confusão.

Por algum tempo o Pentágono fez circular a ideia de uma ofensiva curda apoiada pelos EUA contra a cidade de  apresentada como “capital do Daesh“, e algumas forças especiais dos EUA foram mandadas para ajudar os curdos, mas rapidamente se viu que os turcos opunham-se firmemente àquela ação. Pior ainda, os curdos recusaram-se a servir como bucha de canhão para operação comandada dos EUA contra o Daech. E foi-se pelo ralo o grande plano.

Em outras palavras, e nesse ponto do tempo, parece é que EUA, OTAN, UE, turcos, sauditas etc. estão absolutamente sem plano viável e sem ação. Os únicos atores que não só têm plano, mas também estão agora trabalhando a favor de seu objetivo de longo prazo são Rússia e Irã. Vale a pena também observar que o plano russo-iraniano inclui flexibilidade prevista na estrutura: sendo possível, russos e iranianos querem alcançar a melhor situação em campo, antes de iniciar quaisquer negociações sobre o futuro da Síria. Se não for possível e se o Império insistir e mudar as regras do jogo e aumentar a aposta, nesse caso o plano de volta ao pé de apoio é simples: derrotar militarmente o Daech.

A melhor prova de que o lado russo está disposto a sustentar campanha longa é o recente acordo SOFA (ing. status of forces agreement) assinado entre Russos e Síria e que, basicamente, regula a presença russa na Síria e que foi assinado sem limite de tempo. De fato, qualquer dos lados que queira retirar-se do acordo comprometeu-se a dar um ‘aviso prévio’ com um ano de antecedência. É possível que iranianos e sírios também tenham acordo similar, mas não foi divulgado.

Há muita especulação sobre uma possível operação russa de solo, na Síria. É ideia que absolutamente não me convence. Não apenas funcionários e especialistas militares russos descartaram essa possiblidade, mas, simplesmente, os militares russos não estão configurados para esse tipo de projeção de poder de longo alcance. Sim, a Rússia pode, em teoria, mandar forças aeroembarcadas para lá e depois apoiá-las com uma força-tarefa naval, mas seria ação contrária à doutrina militar russa e gera riscos potenciais muito sérios. Exceto se ocorrer algo de realmente extraordinário, não vejo o Kremlin entrando nesse tipo de gambito extremamente perigoso.

Por tudo isso, o plano parece ser o seguinte:

  1. Estabilizar o governo sírio [feito]
  2. Guerra de atrito contra o Daesh (em andamento)
  3. Reconstruir as forças armadas sírias (em andamento)
  4. Estabelecer uma presença militar russa permanente [feito]
  5. Impedir que EUA-OTAN imponham uma zona aérea de exclusão [feito]
  6. Forçar o Império a negociar com Assad (em andamento)
  7. Bloquear o apoio que turcos, sauditas e qataris dão aoDaech (em andamento)
  8. Cooptar a maior parte possível da oposição armada contra Assad para uma frente unida anti-Daech(em andamento)
  9. Prover ajuda militar ao Irã e ao Hezbollah (em andamento)
  10. Manter combatentes do Daesh longe da Rússia e dos aliados da Rússia no Cáucaso e na Ásia Central (em andamento)
  11. Tentar convencer os europeus de que a posição deles no Oriente Médio (e em e nos demais pontos) é de autoderrota, e que devem trabalhar com a Rússia para restaurar a estabilidade (sem resultados até agora)
  12. Tentar meter uma cunha entre EUA e Europa (sem resultados até agora).

Acho que esse plano combina com sucesso objetivos de curto e de longo prazo, e tem boa chance de ser bem-sucedido em, pelo menos, os 10 primeiros objetivos. Infelizmente, não vejo sinal algum de que o tacão dos EUA sobre a Europa (aplicado mediante as elites europeias comprador que estão no poder) esteja perdendo força. Se por mais não for, o fracasso que foi a viagem de Hollande a Washington já provou que também à França já não resta qualquer soberania real.

 

E se a China tiver a chave do quebra-cabeça afegão?

Por: Pepe Escobar

Tradução: Coletivo de Tradutores da Vila Vudu

Fonte original: RT

Fonte em Português: Oriente Mídia

Como Lázaro, há razões para crer que o processo de paz afegão pode ter tido uma chance de ressuscitar na 2ª-feira passada em Islamabad, quando quatro grandes players – Afeganistão, Paquistão, EUA e China – sentaram-se ao mesmo tempo à mesma mesa.Mas o comunicado final ficou longe de ser retumbante: “Os participantes enfatizaram a necessidade imediata de conversações diretas entre representantes do governo do Afeganistão e representantes de grupos Talibã num processo de paz que visa a preservar a unidade, a soberania e a integridade territorial do Afeganistão.”Uma semana antes da reunião em Islamabad, ainda no Golfo Persa, tive conversa extremamente esclarecedora com um grupo de pashtuns afegãos. Depois de quebrado o gelo, quando todos se convenceram de que não sou algum tipo de agente à moda Sean Penn, com agenda oculta, meus interlocutores pashtuns entregaram o que tinham de melhor. Senti-me de volta a Peshawar em 2001, uns poucos dias antes do 11 de setembro.A primeira grande novidade foi que dois oficiais Talibã baseados no Qatar, estão próximos de reunir-se cara a cara com altos enviados chineses e paquistaneses, sem interferência dos EUA. Encaixa-se perfeitamente na estratégia demarcada pela Organização de Cooperação de Xangai (OCX), liderada por China e Rússia, segundo a qual o enigma afegão tem de ser resolvido como assunto asiático. E Pequim com certeza quer solução, e rápida; pensem no capítulo afegão das Novas Rotas da Seda.

A Guerra Afegã pós 11/9 arrasta-se por intermináveis 14 anos; adotando o jargão pentagonês, pode-se pensar em Liberdade Duradoura para sempre. Ninguém está vencendo – e os Talibã estão mais divididos que nunca, depois que processo de paz passado colapsou quando os Talibã anunciaram que Mullah Omar morrera dois anos antes.

Taliban_RPG_7
Guerreiro Taliban e o seu RPG-7. Foto: Foto: internet.

Aquela boa velha “profundidade estratégica”

Mesmo assim, tudo depende do complexo jogo entre Cabul  e Islamabad.

Considere os movimentos de vai-e-vem do Chefe Executivo Organizacional (CEO, é o título dele) afegão, Dr. Abdullah Abdullah. Vive entre Teerã – onde enfatiza que o terrorismo é ameaça contra ambos, Irã e Afeganistão – e Islamabad, onde discute os arcanos do processo de paz com oficiais paquistaneses.

O primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif, por sua vez, não perde uma chance de renovar seu compromisso com a paz e o desenvolvimento econômico no Afeganistão.

Quando uma tentativa de processo de paz realmente começou – informalmente – em Doha, em 2012, incluindo oito funcionários Talibã, os Talibã ficaram furiosos por Cabul  ter realmente privilegiado as conversações com Islamabad. A posição oficial dos Talibã é que são politicamente – e militarmente – independentes de Islamabad.

Como meus interlocutores pashtuns destacaram, muita gente no Afeganistão não sabe o que fazer de toda aquela conversa Cabul -Islamabad, incluindo o que consideram concessões perigosas, como enviar jovens soldados afegãos para receberem treinamento no Paquistão.

Islamabad joga jogo muito alavancado. O grupo Haqqani – que Washington rotula de terroristas – encontra base segura dentro das áreas tribais do Paquistão. Pois o Talibã está sentado à mesa de negociações de qualquer processo de paz a ser negociado pelo Paquistão – que ainda conta com muita alavancagem sobre aqueles Talibã posicionados à volta do novo líder, Mullah Akhtar Mansoor.

Meus interlocutores pashtuns não têm dúvida alguma: os Talibã e os serviços secretos do Paquistão, ISI (Inter-Services Intelligence), são uma e a mesma coisa, como sempre foram. A aliança estratégica que sempre os uniu continua ativa. Todos os Talibã em Doha são monitorados pelo ISI.

Por outro lado, parece haver mudança sutil envolvendo militares paquistaneses e o ISI(que sabe tudo o que haja para saber, e é cúmplice de muito do que acontece concernente aos Talibã). Mês passado, o comandante do exército do Paquistão general Raheel Sharif foi sozinho ao Afeganistão; pode significar que os militares privilegiarão uma paz real em campo, em vez de manipular o Afeganistão como alguma “profundidade estratégica” do peão paquistanês.

Atenção: tubulação à frente

Assim sendo, em princípio, prosseguirá a conversa afegã. O grupo Hezb-i-Islami Afghanistan (HIA), liderado por Gulbuddin Hekmatyar – outro ator chave na Lista dos Terroristas Top Ten de Washington – está também interessado no processo de paz. Mas oHIA diz que tem de processo que pertença aos afegãos, liderado pelos afegãos – o que significa: sem interferência do Paquistão. Hekmatyar está claramente se posicionando para futuro papel de protagonista.

O enredo engrossa se se passa, dos Talibã para os avanços de ISIS/ISIL/Daesh no Afeganistão. Para círculos próximos do ex-presidente Hamid Karzai, codinome “ex-prefeito de Cabul” (porque só controlava a cidade, nada mais), Daesh é invenção da política externa de Islamabad, para garantir ao Paquistão acesso total à Ásia Central, à China e à Rússia ricas em energia.

Parece um pouco forçado, se se compara ao que realmente se passa hoje no Oleogasodutostão.

Cabul entregou a uma força de segurança gigante, de 7 mil membros, a tarefa de proteger o gasoduto de $10 bi, 1.800 km de comprimento Turcomenistão-Afeganistão-Paquistão-Índia (TAPI), dentro do Afeganistão, assumindo que estará realmente construído até dezembro de 2018. Com otimismo, o trabalho de abrir caminho para o TAPI – o que inclui retirada de minas – começará em abril.

O presidente do Turcomenistão Gurbanguly Berdymukhamedov já ordenou que empresas estatais, a Turkmengaz e a Turkmengazneftstroi, comecem a construir a parte turcomena, de 214 km, do gasoduto TAPI. O gasoduto também atravessará 773 km pelo Afeganistão e 827 km pelo Paquistão, antes de chegar à Índia. Se esse frenesi todo realmente se materializará até 2018 é tema para infindáveis discussões.

E onde está minha heroína?

Enquanto tudo isso acontece, o que anda fazendo a CIA?

O ex-diretor interino da CIA Michael Morell está espalhando “a reemergência do Afeganistão como questão”, de modo que “a discussão de quantos soldados nós [os EUA] mantemos no Afeganistão vai ser reaberta”.

O Pentágono por sua vez anda espalhando que seriam necessários 10 mil coturnos em solo. O comandante da OTAN no Afeganistão, general John Campbell, fala de 10 mil, para acabar com a conversa: “Meu objetivo seria manter o maior número possível de soldados, pelo tempo mais longo possível”. Liberdade Duradoura para sempre, sem dúvida –, agora que o Pentágono foi forçado a admitir, on the record, que as forças de segurança afegãs são incapazes de “operar integralmente por conta própria”, apesar do investimento monstro que Washington fez, de mais de $60 bilhões desde 2002, até agora.

O mais recente relatório do Pentágono fala da segurança no Afeganistão cada vez maisdown, down, down. O que nos leva até Helmand.

Apenas poucos dias antes da reunião de Islamabad, forças especiais dos EUA encobertas por soldados afegãos enfrentaram em tremenda troca de tiros com o Talibã em Helmand. O secretário de imprensa do Pentágono Peter Cook, naquele duplifalar que é sua marca registrada, não falou de “combate” – falou de missão para “treinamento, aconselhamento e assistência”.

O Talibã controla mais território no Afeganistão – nada menos de quatro distritos em Helmand –, mais do que jamais antes, desde 2001. Civis são colhidos no fogo cruzado. E forças especiais e ataques aéreos por forças especiais do Pentágono em Helmand são descritos como ‘supervisão’.

No final, tudo volta sempre a Helmand. Por que Helmand? Meus interlocutores pashtuns relaxam e dizem, de boca cheia: sempre tem a ver com o envolvimento da CIA no tráfico de heroína no Afeganistão: “os norte-americanos simplesmente não podem perder aquilo tudo”.

Assim sendo, parece que estamos entrando num novo capítulo do épico ‘gás e papoulas’ no coração da Eurásia. Os Talibã, divididos ou não, já impuseram a linha vermelha deles: nada de conversas com Cabul, antes de terem conversa direta com Washington. Do ponto de vista Talibã, faz perfeito sentido. Oleogasodutostão? OK, mas queremos nossa fatia (é outra vez a mesma história, desde o primeiro governo Clinton). A CIA não abre mão da heroína? OK, levem quanto quiserem, mas queremos nossa parte.

Meus interlocutores pashtuns, que tem de tomar um avião para Peshawar, abrem um mapa do caminho. Os Talibã querem que o escritório deles no Qatar – palácio realmente muito bonito – seja oficialmente reconhecido como representação do Emirado Islâmico do Afeganistão (nome oficial do país de 1996 a 2001). Querem que a ONU – para nem falar dos EUA! – retirem os Talibã da lista de “mais procurados”. Querem que todos os Talibã sejam libertados das prisões afegãs.

Acontecerá? Claro que não. Significa que chegou a hora de Pequim entrar na conversa com um daqueles cenários de ganha-ganha.

Pepe Escobar (1954) é jornalista, brasileiro, vive em São Paulo, Hong Kong e Paris, mas publica exclusivamente em inglês. Mantém coluna no Asia Times Online; é também analista de política de blogs e sites como:  Sputinik, Tom Dispatch, Information Clearing House, Red Voltaire e outros; é correspondente/ articulista das redes Russia Today e Al-Jazeera.

A libertação de Salma é a derrota de Erdogan na Síria

Fonte: Al-Manar

Tradução e adaptação: César A. Ferreira

A vitória do IV Corpo do Exército Árabe da Síria ema Salma é a vitória mais importante da aliança russo-síria, bem como do envolvimento russo na guerra. Ela é um triunfo contra grupos terroristas, mas acima de tudo é uma vitória contra a Turquia, que havia apoiado esses grupos em sua ofensiva no ano passado, tanto em Latakia, quanto em Idlib.

Após a vitória em Salma, a pretensão turca de impor uma zona tampão se esvaiu.  Os aliados de Erdogan, tal como a Frente al-Nusra, terroristas chechenos e os uigures do “Partido Islâmico do Turquestão” sofreram uma pesada derrota, o mesmo com os Turkmen (turcomanos), grupos armados sírios de origem turca, que tem sido agentes de apoio para Ancara nesta área.

Auxílio turco não poderia acontecer desta vez por causa da barragem da aviação da Rússia, que fez mais de 200 ataques aéreos em dois dias consecutivos contra rotas de abastecimento, o que impediu os terroristas presentes em Salma não só de se mover, mas também de obter reforços. A Tomada de Salma findou uma campanha de três meses que levou à conquista de todas as colinas e platôs da região.

Irritação do governo Erdogan à ofensiva síria e russa em Latakia foi o que levou a Turquia a abater o avião russo Su-24M2 sobre o espaço aéreo sírio em 23 de Novembro. Este foi sem dúvida um importante indicador da importância que a província síria tinha para os turcos. Isso, no entanto, longe de dissuadir os russos, encorajou estes últimos e os sírios a prosseguirem em sua ofensiva, de maneira ainda mais rápida, o que levou à liberação de Salma. Esta parece ter sido, em última análise, a resposta escolhida por Moscou para a derrubada do seu dispositivo (bombardeiro Su-24M2).

A organização terrorista chechena, Ansar al Sham, apoiado pela Turquia, foi praticamente eliminada e a sua liderança afirmou que os militantes estão agora sem armas, ou dinheiro. Este colapso dos militantes augura um avanço rápido para os postos de fronteira entre a província de Latakia e a Turquia. O único reduto dos terroristas mantido em Latakia é a cidade de Rabia, que se espera, venha a cair nas mãos do Exército Árabe da Síria em breve, o que irá fechar a fronteira turca, totalmente, naquilo que é relativo à província.

Na província de Aleppo está a ser dada uma situação semelhante e o exército sírio e os seus aliados estão progredindo em direção à fronteira turca por vários eixos. O Exército Árabe Sírio assumiu recentemente a cidade de Ain Beida, situada 7-8 kms da linha de fronteira, quase que de maneira sincronizada com a ofensiva das forças militares sírias em Latakia.

A implantação do sistema antiaéreo S-400 em Latakia tem impedido as aeronaves turcas de adentrarem livremente no espaço aéreo da Síria, tal como reconhecido recentemente pelo primeiro-ministro, Ahmet Davutoglu. A Turquia suspendeu o voo das suas aeronaves, quando a Rússia introduziu o sistema acima descrito na Síria em 26 de novembro (2015).

Tudo isto evidencia a fraqueza da Turquia contra a presença russa. Ankara hesita em enviar tropas e agentes de inteligência à Síria por medo de serem capturados, ou mortos por lá. A este respeito, as advertências da Rússia para com o status da Síria têm se mostrado eficazes e a derrota dos grupos armados no norte de Latakia e Aleppo revelou a sua dependência destes com a Turquia, para dar continuidade à luta.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa, Maria Zajarova, acusou, por sua vez, a Turquia de “manter uma guerra oculta na região e trabalhar em prol dos seus próprios interesses na Síria, apoiando grupos terroristas e extremistas” e de violação da “Resolução do Conselho de Segurança da ONU (sobre o financiamento do terrorismo) por (permitir) transportar o tráfego de petróleo da Síria em seu território, especificamente o petróleo roubado pelo EI”.

Continua Zajarova: “Nós não vamos fechar os olhos às demonstrações contínuas por sênior responsável sênior turco, destinadas a desacreditar a Rússia aos olhos da comunidade internacional, tal como as acusações contra a força aérea russa de matar civis na Síria. O que é surpreendente é o fato do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Turquia degenerar-se ao ponto de usar métodos sujos,  como acusar sem provas o nosso país de assassinato em massa de civis”.