A Rússia sente-se confortável

Por: César A. Ferreira

Neste exato momento caças-bombardeiros Su-34, recentemente desdobrados para o território sírio, reiniciam a campanha de bombardeio em Aleppo contra as posições da Frente Al-Nusra, vaporizando desta forma as unidades deste grupo terrorista, que se viu reforçado pela trégua proposta por Washington.

A Rússia retorna com força plena à Síria a despeito do que se diga no Pentágono, ou no Departamento de Estado. Independe das vontades alheias, e isto devido a um fato muito simples: fracassaram as tentativas de isolamento diplomático e econômico da gigantesca nação. Sobraram, apenas, a constantes e conhecidas provocações da OTAN, que quando respondidas, sejam por sobrevoos, ou escoltas, revelam o ridículo das argumentas desabridas dos prepostos da Aliança Atlântica… Mas, isto, convenhamos, pouco importa (para eles).

A Rússia possui seis fusos horários, é a nação com as mais extensas fronteiras políticas do globo, possui um território riquíssimo em termos de minérios ainda por ser explorado, reservas petrolíferas e de gás que estão por ser avaliadas, enfim… Não necessita e não ambiciona o controle de reservas de terceiros, diferentemente dos EUA e dos seus associados da OTAN, que dormem, sonham, com outra coisa que não seja o domínio completo das nações produtoras, bem como das rotas da commoditie energética de uso global.

O xadrez africano, onde se destaca como jogador de peso a chancelaria chinesa, e do qual o nosso novo, augusto e magnânimo chanceler fez questão de nos retirar, não possui a Rússia como potência interessada, visto que dos recursos futuros do continente africano pouco ou nada necessita, deixando assim este continente, com vastíssimas áreas ainda por serem exploradas, entregues a sanha dos EUA e das antigas potências coloniais, que rivalizam com o dragão chinês a primazia pela conquista dos corações e mentes africanas.

Por isso, tendo uma nação focada, uníssona na perspectiva de que é um povo capaz de escolher, manter o equilíbrio e desafiar quem lhe tente pressionar, a Rússia sente-se confortável para intervir no seu entorno próximo, congelar, ou acelerar conflitos na qual por ventura esteja envolvida, pois a sua proteção, ou seja, a proteção das suas fronteiras, estão bem resolvidas pelas armas entregues pelo complexo industrial militar, que herdado da URSS foi modernizado em todos os quadrantes possíveis, bem como pela elevação do padrão de prontidão das forças nacionais, objetivo perseguido e alcançado enquanto a OTAN se desgastava no Afeganistão…  Em outras palavras, a Rússia fez o que se deve: aproveitou-se de todas as oportunidades para crescer e fortalecer as suas forças armadas, tidas como esteio da soberania nacional, além de braço de crescimento tecnológico e industrial…

A Rússia, agora, sente-se confortável, apesar da inquietude vez por outra imposta pelas provocações infantis da OTAN… Uma lição que não será aproveitada por um sonolento gigante do sul, agora também grande produtor de petróleo, pois se encontra enredado pela miragem da grama mais verde do vizinho do norte.

Pena. A Rússia é uma lição breve de como construir uma verdadeira soberania.

Rússia realiza 311 surtidas em 11 dias

Por: César A. Ferreira

A mídia brasileira, notadamente aquela não especializada, tende a refletir e emular a mídia empresa do ocidente, motivo este que explica a ausência do esforço russo na síria, passado o impacto inicial das primeiras e espetaculares ações. Entretanto, repete, vez por outra, as ações da USAF, ou dos Rafales da Armée de l’ Air, ou da Marine Nationale. É de assombrar que tão parcas ações tenham tamanha repercussão, mas compreensível, quando lembramos que a preguiçosa mídia brasileira se compraz em reproduzir as notas da Reuters, AP, UPI, DW, FP…

Motivo outro não há, portanto, para a ausência da notícia última sobre a guerra na Síria, no tocante ao que envolve o efetivo aéreo da Federação Russa desdobrado na Síria, notadamente na base aérea de Hmeymin. O informe destaca, simplesmente, que nestes primeiros 11 dias de 2016, a VKS, Força Aeroespacial da Federação Russa, realizou nada mais, nada menos do que 311 surtidas que resultaram na destruição de 1097 alvos e instalações de insurgentes extremistas islâmicos em território sírio. Isto resulta em uma média de 29 missões diárias, o que para um efetivo reduzido como é o russo corresponde a um feito notável.

000SU-24M2Night
Su-24M2 com Afterburner ligado rola pela pista para dar início a mais uma surtida noturna. Foto: internet.

Dentre os alvos, o Estado Maior da VKS listou as instalações para refino e estocagem de óleo cru, infraestrutura em poder dos extremistas insurgentes, tais como depósitos e pátios, locais de concentração de combatentes e de caminhões cisternas, bem como de equipamentos militares. Segundo informações do Tenente General Sergei Rudskoy, as armas do Exército Árabe da Síria efetuam neste momento uma ofensiva vitoriosa em cinco províncias, a saber: Latakia, Aleppo, Homs, Hama e Raqqa. O número de localidades libertadas, cidades, vilas e vilarejos, somam mais de que 150.

O Exército Árabe da Síria, em conjunto com unidades aliadas do Hezzbolah, além de um número não especificado de voluntários iranianos, aos quais agregam as forças curdas do YPG/YPJ, estas últimas notadamente ao norte, realizam operações distintas em várias partes do país. Na província de Latakia, o objetivo principal foi a conquista e ocupação das elevações características do local, que dominam as vias de acesso em direção à fronteira com a Turquia, bem como o avanço em direção a fronteira propriamente dita, selando assim a passagem fronteiriça e desta forma asfixiando naquela área o fluxo de abastecimento dos insurgentes. O objetivo estratégico e comprimir e cercar as forças inimigas de encontro com as tropas curdas, mais além. Na província de Allepo, segue o grande movimento de pinça ao sul da cidade do mesmo nome, enquanto os combates prosseguem na zona urbana com vistas a aumentar a =área em poder governamental, já na província de Homs, o destaque ficou por conta da retomada da cidade de Mahrin.

Outro dado interessante é o aumento de efetivos do Exército Árabe da Síria. A partir do início da intervenção do efetivo aéreo da VKS houve de maneira crescente, mas contínua, um engrossar de fileiras nas forças governamentais. Além da Brigada de soldados cristãos, outra brigada, esta de mulheres combatentes, foi formada. Ao que parece, a injeção de ânimo provocada pela presença russa foi primordial, para que jovens sírios passassem a vislumbrar a possibilidade de vitória contra a barbárie, e desta maneira trocar a fuga pela luta.

Para quem não tem ideia de quão pequena é a presença russa, segue uma lista do efetivo aéreo:  8 aeronaves SU-24M, e 3 aeronaves SU-24M2, 10 SU-25 SM, 2 SU-25 UM, 4 SU-30 SM, 4 SU-34 (acrescidos de outros seis), 12 helicópteros de ataque modelo Mi-24P  (acrescidos de unidades Mi-35M)e 3 Mi-8 AMTsh.  Para se ter uma ideia mais ampla, pode-se visitar a matéria O Esforço Russo na Síria.

Isso e nada mais.

Para se ter uma ideia mais ampla, pode-se visitar a matéria O Esforço Russo na Síria.

O esforço russo na Síria

Por: César A. Ferreira

Muito se escreve, mundo afora, sobre o esforço depreendido pela Federação Russa em apoio a República Árabe da Síria em favor do governo local, reconhecido como representante legal, em meio a guerra civil. Poucos, no entanto, detalham este esforço. Vamos então aos detalhes deste movimento russo.

Primeiro devemos perceber que  as ações se dividem em  contingente expedicionário, logístico e meios estratégicos. A Força expedicionária russa consiste de meios da VKS, fuzileiros navais, regimentos de artilharia de campanha e de defesa aérea. Os meios logísticos empregados são tanto uma frota que perfaz a rota Sebastopol – Latakia/Tartus, como aeronaves de transporte, que descarregam na base aérea de Bassel Al-Assad.  É interessante notar que as rotas utilizadas para o suprimento aéreo, contornam totalmente a Ucrânia e a Turquia, mas atravessam o espaço aéreo da Bulgária e da Grécia. Outra rota utilizada corta o mar Cáspio e passa pelo norte do Irã, nesta rota os transportes geralmente contam com a cobertura de escoltas de caças F-14, ou F-4, por parte da IRIAF.

Os meios aéreos desdobrados para a Base Aérea Bassel Al-Assad compreendem 8 aeronaves SU-24M, e 3 aeronaves SU-24M2, 10 SU-25 SM, 2 SU-25 UM, 4 SU-30 SM, 4 SU-34, 12 helicópteros de ataque modelo Mi-24P e 3 Mi-8 AMTsh. Esta força destacada contém com a proteção dos Fuzileiros Navais da Frota do Mar Negro, que contam com o apoio de 6 Carros de Combate T-90S, 26 BTR-82A, 2 Gaz-2975 “Tigr”, 2 M-65 Lynx, 2 UAZ-469, 1 Kamaz 6350, 10 Kamaz 4350, 10 Gaz-66, 6 peças de artilharia (152mm) 2ª65 MSTA-B, rebocadas por outros 6 caminhões Kamaz 6350. Contam ainda com a proteção de meios de interferência eletrônica e de baterias antiaéreas para defesa de ponto e longo alcance, sendo os meios antiaéreos compostos por uma bateria S-400, protegida por 03 veículos do sistema Pantsyr S-1.

O dispositivo de artilharia antiaérea da Força Expedicionária da Federação Russa, sem sombra de dúvida é a estrela maior, alvo de todas as polêmicas posteriores ao evento com a emboscada aérea ao Su-24M2 (designativo 83). Trata-se do decantado S-400, sistema que cobre com facilidade o raio de 250 km (míssil 48N6). Os seus componentes são 01 viatura mãe para o radar 92N6E, cuja função é o controle de fogo e orientação dos mísseis do sistema, 01 veículo portador do radar de varredura de campo, banda UHF, Kasta 2E1 (radar de varredura, componente do sistema Pantsyr S-1, cada veículo com 12 mísseis 57E6), uma bateria com 04 veículos Pantsyr S-1 (unidades de proteção do sistema S-400), 01 veículo base para o radar 3D de aquisição de alvos 96L6E, 01 posto de comando 55K6E, 01 veículo supridor 22T6E2, 04 veículos lançadores múltiplos 5P85 (quatro lançadores cada, para mísseis 48N6). Além destes componentes temos 01 radar VHF 2D 1RL131, destinado ao controle de tráfego aéreo, mas que como o Kasta é capaz de varrer e captar caças com desenho stealth, 01 radar altímetro 1RL132 (complementa o 1RL131), cobertos pelo sistema de contra-medidas eletrônicas Krasukha-4 (01).

Ponte aérea e bombardeiros estratégicos

O esforço russo, no entanto, não se restringe à sua Força Expedicionária, havendo missões com a força bombardeiros estratégicos, provindos de Engels (Base Aérea), bem como com a montagem de uma ponte aérea, contando com transportadores An-124, Il-76 e até mesmo o improvável Il-62. O Na-124 foi o responsável pela entrega do S-400 em questão de horas após o affair SU-24M2.  As rotas desta ponte aérea contornam a Ucrânia em sua totalidade, como evitam também o espaço aéreo turco, todavia sobrevoam a Polônia, Bulgária e a Grécia, nações da OTAN, mas que nem por isso se mostram hostis à rota de suprimento. Outra rota dá-se pelo mar Cáspio e sobrevoa o Irã. Em geral, nestes voos há escoltas da IRIAF com caças F-14A e F-4E, idem para as missões de bombardeio, onde os transportadores russos receberam escoltas dos iranianos, notadamente com os caças F-14A. As missões de bombardeiro, sobejamente divulgadas na mídia marcaram o batismo de fogo do Tu-160, precisamente no dia 17 de novembro ultimo. 02 duas aeronaves tomaram a missão, o mesmo se deu nos dias subsequentes, sempre com um elemento  (duas aeronaves), os demais bombardeiros envolvidos foram  12 Tu-22M3, tanto no dia 17, como nos dias 18 e 19, e o venerável Tu-95MS, 3 no dia 17 e dois no dia 19.  No ataque efetuado no dia 20, foram escalados 12 Tu-22M3, 8 SU-34, 01 Tu-95MS, 02 Tu-160, sendo supridos por dois reabastecedores Tu-78M. Esta formação recebeu escolta de caças da IRIAF composta por 04 F-14A e 04 F-4E e F-4D. As escoltas da VKS foram proporcionadas por caças 04 Su-27 SM3 e 04 SU-30SM.

Ropucha Land Class Ship
Transportador militar russo dirige-se para a Síria. O navio em questão, primeiro plano, é um Project 775 “Ropucha”. Foto: internet.

Atividade Naval

A Força Expedicionária da Federação Russa na Síria, ainda que bastante limitada, exige um apoio logístico de monta, que não pode apenas depender da ponte aérea. Por isso, uma intensa atividade naval, um verdadeiro “Expresso Damasco” se dá em direção à costa síria. Notadamente fazem parte os navios de desembarque de Carros de Combate. Dentre destacam-se aqueles do Project 775, mais conhecidos como “Ropucha Class”, construídos na Polônia. Estes navios podem abrigar até 24 veículos blindados ou transportar pouco mais de uma centena de infantes. Outro transportador que faz a linha para Tartus e Latakia é o Project 1171 Tapir, mas conhecido pelo nome código da OTAN, “Alligator”. É capaz de transportar uma vintena de Carros de Combate, ou 350 infantes completamente equipados. Da classe Project 775 foram avistados os seguintes vasos: 031-Aleksander Otrakovaskiy; 130-Korolev; 142-Novocherkassk; 151-Azov; 127-Minsk; 158-Cesar Kunikov; este último protagonista de uma nota de protesto da chancelaria turca, devido a presença de um infante com um MANPAD, enquanto da travessia no Mar de Mármara. Da classe Tapir: 150-Saratov e 152-Nikolay Filchenkov. Somam-se aos transportadores militares uma série de navios auxiliares e cargueiros civis.

O efetivo militar marinho, afora os transportadores, constam presentes na Esquadra do Mediterrâneo os seguintes vasos: 121-Moskva (Classe Slava, Cruzador Lança-Mísseis), 810-Smetlivy (Classe Kashin, Destroyer), 808-Pytlivy (Classe Krivak, Fragata); 801-Ladny (Classe Krivak, Fragata), além do submarino convencional, project 636 Rostov-On-Don, que recentemente disparou uma salva de mísseis 3M-54 Kalibr. Da flotilha do Mar Cáspio, afamadas por terem lançado salvas de mísseis de cruzeiro Kalibr, participaram e participam das ações as covertas: 021- Grad Sviyazhsk, 106-Veliki Ustyug e 022-Uglich (Classe Buyan-M), além da fragata leve da classe Gepard, 693-Dagestan.

Em meio aos esforços russos, percebem-se no outro lado da fronteira algumas forças turcas desdobradas, com o intuito de proteger o trânsito de insurgentes turcomanos e da Al-nusra, presentes na região, são eles 10 Carros de Combate M-60 (Sabra), e uma unidade de guerra eletrônica HX 77 Koral. A Turquia enviou estes meios após o evento por ela mesmo desencadeado, quando realizou uma invasão do espaço aéreo sírio com o intuito de emboscar um elemento de Su-24M2, que resultou no abate e morte do Tenente=Coronel Peshkov.

Abaixo o infográfico com as informações desta matéria:

Infográfico

A escalada continua

Por: César A. Ferreira

Por vezes uma simples declaração pode significar muito, depende, antes, de que a proferiu e de quando o fez. Nesta semana, Jamal Khashoggi afirmou sem meias palavras: “(…) o incidente com o avião russo será repetido, estamos quase em guerra com os russos, apesar de ambas as visitas, reuniões e sorrisos”. Acontece que Jamal Khashoggi não é qualquer um, e simplesmente o chefe da editoria do Al Arab News Channel, uma espécie de “porta – voz informal” da Casa de Saud.  Os delírios de grandeza da Casa de Saud são bem conhecidos, e o objetivo perseguido de tentar fazer a Arábia Saudita ser reconhecida como “potência regional” é facilmente perceptível, por quem estiver disposto para tanto. Todavia, uma sinergia, entre o sultanato acalentado pela vaidade Edogan e sonhos diletos dos sauditas pode se tornar em um catalisador para uma grande confrontação no Oriente Médio, algo impensável até então, quer pelas ações empreendidas, como pelos interesses das potências, que não abraçam um conflito direto.

Neste contexto, a alocação de mais de 1.000 veículos blindados, entre canhões autopropulsados, veículos blindados para transporte de infantes e carros de combate M-60, por parte do governo turco, é algo para se pensar. Afinal, tal concentração de blindados, bem como do necessário contingente de infantaria que os acompanha, remete a uma possibilidade de rompimento ao norte de Latakia, onde as forças governamentais sírias estão em progressão, e mesmo quanto ao posto do contingente militar russo disposto na Síria, localizados a meros 48 km da fronteira, no antigo Aeroporto Internacional Bassel Al-Assad, sede dos destacamentos aéreos russos e onde se encontra a bateria AAA do sistema S-400 “Triumph”. Um contato direto, um ataque com tamanha profundidade e com um choque entre tropas governamentais equivaleria a uma declaração de guerra; guerra que se daria entre estados nacionais, entre eles um estado nacional nuclearizado e outro associado ao Tratado do Atlântico Norte. Além disso, talvez como resposta a ação russa de protelar as vistorias em caminhões provenientes da Turquia em suas fronteiras, a Turquia passou a bloquear a passagens dos navios russos nos estreitos, alegando motivos de toda ordem, de vistorias fitossanitárias às necessidades de tráfego prioritário de embarcações militares turcas. Desnecessário dizer que tais “problemas” não afetam embarcações de outras bandeiras. Além disto, tem-se o anúncio feito por Ancara de que os seus submarinos (IKL-209 Class) estariam a acossar o Cruzador Lança-Mísseis “Moskva” (enviados o “Dolunay”, IKL 209-1200 e o “Burakreys” IKL-209-1400). Não é preciso ter uma mente paranoica para entender que qualquer incidente com este vaso, capitaneia da Frota do Mar Negro, seria tomado como um ato de hostilidade declarada, guerra.

Moscou, por sua vez, também elabora ações que deixam Ancara com nervos à “flor da pele”. Apesar de ter sido anunciado como um gesto advindo do incidente com o SU-24M, a aproximação mais séria entre os curdos sírios com o governo russo é algo que vem sendo ensaiado desde outubro deste corrente ano.  Ancara teme, com razão, o aumento de patamar dos combatentes curdos com envio de armas da Rússia e os eventos recentes, com certeza, alarmam os turcos. Basta ver a declaração recente do porta-voz da presidência da Federação Russa, Dmitry Peskov, na qual afirma que a combatividade das milícias curdas era em muito superior àquelas do “Exército Livre Sírio”, no tocante ao combate ao Estado Islâmico. Disse Peskov: “(…) a milícia curda, na verdade, é muito mais eficaz em termos de combate no norte do Iraque. São bem mais eficazes na luta contra o EI. Muito mais fortes e realistas na luta contra o EI do que o efêmero Exército Livre Sírio”. Pouco importa para os dignitários sírios que as declarações posteriores de Peskov advogassem a favor da integridade territorial de todas as nações da região, pois sabem mais do que ninguém que os curdos, minoria importante da população turca (25 ~ 35%, aproximadamente), alimentam um desejo confesso de se abrigarem em um Estado Nacional. Temem os turcos, que os russos comecem a fornecer em profusão os combatentes curdos, armas portáteis sofisticadas, tais como MANPADS 9K38 (Igla), ou 9K338 (Igla-S), bem como de  mísseis anti-carro 9M133 Kornet-E.

De fato a coordenação entre o YPG, comitê das Unidades de Proteção Popular Curda, e os destacamentos russos na Síria vão de “vento em popa”. Após a ofensiva aérea russa contra pontos fortes islamitas em Deir Jamal, os milicianos curdos lançaram uma ofensiva maciça contra os “moderados” pró-turcos do Exército Livre Sírio nos assentamentos de Maryamayn, Maliki e Zivara, todas as localidades situadas ao norte da cidade de Aleppo. Não existe dúvida na coordenação entre os elementos combativos curdos e as forças russas, dado que estas apoiaram as primeiras com helicópteros de ataque Mi-24P, o que exige um grau de coordenação afinado. Esta ação foi decisiva para a tomada de Tel Abyad, cidade habitada por turcomanos leais à Ancara, e o alvo da ofensiva do YPG é a localidade de Azaz, importante ponto da fronteira, por onde os comboios de abastecimento de armas trafegam entre a Turquia e a Síria ocupada, bem como o retorno dos caminhões cisternas, estes com petróleo contrabandeado pelo Estado Islâmico.

Shaairat
Base aérea de Shaairat, ou Shayrat. Foto: internet.

Aliado aos desenvolvimentos discutidos está a movimentação russa para ampliar a sua presença em solo sírio, visando ocupar a vasta base aérea de Shaairat, ou Shayrat como é mais conhecida, localizada a 25 km do sudoeste da cidade de Homs. A base aérea é ampla, possui abrigos de concreto reforçado para aeronaves (45), pistas com mais de 3 km de extensão  e dista pouco das linhas do Estado Islâmico, favorecendo em especial as surtidas para a região de Palmyra (principalmente para os helicópteros). Sabe-se que a Rússia reforma a pista auxiliar e especula-se que a dotação do efetivo aéreo russo na Síria vá subir para algo entre 100 e 150 aeronaves. Foi acusada a presença, desde o último dia 6,  das baterias do 5º grupo de artilharia do 120ª Brigada de Artilharia de Campo do Exército da Federação Russa. É certo que devido a localização da base, que um efetivo de proteção reforçado deverá ser formado para prover a segurança da base, caso venha a abrigar um destacamento de tamanha importância, como o que se projeta. Acredita, que algo entre 1.500 e 7.000 militares sejam alocados nesta base, isto, sem incluir os efetivos sírios.

Por fim, há de se destacar as imagens divulgadas dos bombardeiros russos SU-34, armados de mísseis ar-ar, no caso um par de mísseis IR, R-73-E, e de outro par de Mísseis R-27, com cabeça eletromagnética (guiamento semi-ativo). Antes, dado o congestionamento havido sobre o espaço aéreo sírio, os russos com o fito de não mostrarem-se hostis, abriram mão de armas de autodefesa dado que o Estado Islâmico e demais grupos não possuíam elementos aéreos. Observa-se a mudança como mais um sinal do escalar do conflito civil sírio devido ao seu potencial de causar incidentes.