Por que eventos recentes na Síria mostram que o governo Obama está em confusa agonia terminal

Autor: Saker.

Fonte: The Vineyard Of The Saker

Tradução: Coletivo de Tradutores da Vila Vudu. – Fonte em português: Blog do Alok

Os mais recentes desenvolvimentos na Síria não são, creio eu, resultado de algum plano deliberado pelos EUA para ajudar seus “terroristas moderados” aliados em campo, mas sintoma de algo talvez pior: os EUA parecem ter perdido completamente o controle sobre a situação na Síria e, possivelmente, também em outros pontos. Permitam recapitular o que acaba de acontecer:

Primeiro, depois de dias e dias de intensas negociações, o secretário Kerry dos EUA e o ministro Lavrov de Relações Exteriores da Rússia finalmente chegaram a um acordo sobre um cessar-fogo na Síria que teria potencial para pelo menos “congelar” a situação em campo, até as eleições presidenciais nos EUA e a troca de governo (esse é agora o evento mais importante no futuro próximo; assim sendo, nenhum plano de nenhum tipo estende-se além daquela data.

Foi quando a Força Aérea dos EUA, com mais alguns ‘parceiros’, bombardeou uma unidade do Exército Árabe Sírio, que não estava nem em movimento nem engajada em operações intensas, que simplesmente cobria um setor chave do front. O ataque norte-americano foi seguido por ofensiva massiva dos “terroristas moderados” que acabou por ser contida, com dificuldade, por militares sírios e as Forças Aeroespaciais Russas. Desnecessário dizer que, depois de tal provocação, o cessar-fogo morreu.

Os russos manifestaram total desagrado e indignação contra o ataque e começaram a dizer abertamente que os norte-americanos são “недоговороспособны“. A palavra significa literalmente “[gente, pessoa] incapaz para acordos” ou sem as competências mínimas para firmar um acordo e, na sequência, honrar o que assinou. É expressão polida, mas mesmo assim extremamente forte, porque implica, mais do que fingimento deliberado, a ausência da capacidade, dos meios morais necessários para respeitar a própria assinatura. Por exemplo, os russos têm dito com frequência que o governo de Kiev é “incapaz para acordos”, o que faz sentido, considerando-se que a Ucrânia ocupada pelos nazistas é, na essência, estado fracassado.

Mas dizer que uma superpotência nuclear mundial é “incapaz para acordos” é diagnóstico extremo e terrível. Significa basicamente que os norte-americanos enlouqueceram e perderam os meios morais mínimos necessários para firmar acordos, qualquer tipo de acordo. Afinal, governo que descumpra o que prometa ou tente burlar, mas o qual, pelo menos em teoria, conserve a capacidade para respeitar a própria assinatura em acordos não seria descrito como “incapaz para acordos”. É expressão que só é usada para descrever entidade que sequer tem condições mínimas indispensáveis para merecer a confiança necessária para que alguém possa iniciar negociações, porque não cumprirá o que for acordado. É diagnóstico absolutamente devastador.

Na sequência, vem a cena antiprofissional, patética, da embaixadora Samantha Powers embaixadora dos EUA na ONU que simplesmente levantou-se e saiu de uma reunião do Conselho de Segurança da ONU quando o representante russo estava falando. Mais uma vez, os russos enfureceram-se, não pela tentativa infantiloide de ofender, mas pela absoluta falta de profissionalismo que Powers manifestou, como diplomata. Do ponto de vista dos russos, se uma superpotência levanta-se e sai da sala quando outra superpotência está falando sobre assunto crucialmente importante é, para começar, atitude irresponsável; mais uma vez, sinal de falta das competências mínimas indispensáveis para ser parte de qualquer negociação ou acordo.

Por fim, a coroação: o ataque ao comboio de ajuda humanitária na Síria, que os EUA, claro, atribuíram à Rússia. Mais uma vez, os russos mal acreditaram nos próprios olhos. Primeiro, porque foi flagrante (e sinceramente, de nível de jardim de infância) tentativa para ‘mostrar’ que “os russos também erram” e que “os russos mataram o cessar-fogo”. Segundo, apareceu aquela declaração cômica, dos norte-americanos, de que só duas forças aéreas poderiam ser autoras do ataque – ou os russos ou os sírios (como os norte-americanos supuseram que enganariam alguém, naquele espaço aéreo super controlado pelos radares russos, é questão que ultrapassa a minha capacidade de análise!). Sabe-se lá como, os norte-americanos “esqueceram” de mencionar a que força aérea dos EUA também está ativa na região, além de forças aéreas de vários aliados dos EUA. Mais importante: esqueceram de mencionar que, naquela noite, drones Predator norte-americanos armados voavam diretamente sobre aquele comboio.

O que aconteceu na Síria é dolorosamente óbvio: o Pentágono sabotou o acordo firmado entre Kerry e Lavrov; e quando o Pentágono foi acusado de ser responsável pelo ataque, rapidamente montaram (mal montado) um ataque sob falsa bandeira, e tentaram culpar os russos.

Tudo isso mostra que o governo Obama está em estado terminal de confusa agonia. A Casa Branca aparentemente está em tal estado de pânico ante a provável vitória de Trump em novembro, que perdeu, basicamente, o controle de toda sua política exterior em geral, e especialmente, na Síria. Os russos estão literalmente cobertos de razão: o governo Obama é realmente “incapaz para acordos”.

Claro: o fato de os norte-americanos estarem agindo como crianças malcriadas frustradas não implica que a Rússia tenha de se rebaixar. Já vimos Lavrov voltar sempre e sempre tentar negociar com Kerry. Não porque os russos sejam ingênuos, mas precisamente porque, diferente dos colegas norte-americanos, os diplomatas russos são profissionais que sabem que negociação e linhas de comunicação mantidas abertas sempre são, e por definição, preferíveis a dar as costas e sair da sala, sobretudo quando se negociar com uma superpotência. Os observadores que criticam a Rússia por ser “fraca” ou “ingênua” só fazem projetar sobre a Rússia o seu próprio modo de ser e agir, quase todo modelado pelos norte-americanos. E nem percebem que russos não são norte-americanos: pensam de modo diferente e agem de modo diferente.

Para começar, os russos não se incomodam com ser vistos como “fracos” ou “ingênuos”. De fato, preferem ser vistos desse modo, se essa percepção faz avançar seus objetivos e confundem o oponente sobre suas reais intenções e capacidades. Os russos sabem que não construíram o maior país do planeta por serem “fracos” ou “ingênuos” e não têm interesse em ‘lições’ que lhe venham de países mais jovens que muitos dos prédios russos.

O paradigma ocidental quase sempre é o seguinte: crise sempre leva a rompimento de negociações; em seguida vem o conflito. O paradigma russo é completamente diferente: crise leva a mais negociações que são mantidas até o último segundo, tentando impedir que irrompa o conflito.

Há duas razões para isso: primeiro, insistir em negociar até o último segundo possibilita procurar o mais possível por uma via pela qual sair do confronto; e, segundo, negociações nas quais se insista até o último momento possibilitam que o negociador aproxime-se o mais possível de pôr a seu favor a surpresa estratégica, no caso de ter de atacar. Assim, exatamente, a Rússia agiu na Crimeia e na Síria – sem absolutamente nenhum sinal ou, ainda menos, sem exibições propagandeadas de poder como meio para intimidar alguém (intimidação também é estratégia política ocidental, que os russos nunca usam).

Assim sendo, Lavrov continuará a negociar, não importa o quão ridículas ou inúteis pareçam essas negociações. O próprio Lavrov provavelmente jamais pronunciará publicamente a palavra “недоговороспособны”, mas a mensagem ao povo russo e aos aliados sírios, iranianos e chineses da Rússia sempre será clara: os russos, hoje, já perderam qualquer esperança de obter negociações proveitosas ou confiáveis com o atual governo dos EUA.

Obama & Co. estão assoberbados de trabalho, tentando esconder as reais condições de saúde e os problemas de caráter de Hillary e, no momento, provavelmente só conseguem pensar numa coisa: como sobreviver ao debate Hillary-Trump [2ª-feira, 26/9, na Hofstra University em Hempstead, N.Y.]. O Pentágono e o Departamento de Estado estão ocupados, sobretudo, em combater um contra o outro por causa da Síria, Turquia, curdos e Rússia. A CIA parece estar em guerra contra ela mesma, mas não se pode afirmar com certeza.

O mais provável é que algum tipo de acordo continuará a ser anunciado, por Kerry e Lavrov, se não hoje, então amanhã ou depois. Mas, francamente, concordo integralmente com os russos: norte-americanos são realmente “incapazes para acordos”, e nesse momento, os dois conflitos, na Síria e o da Ucrânia, estão congelados. Não digo “congelados”, isso sim, no sentido de “situação em que não há grandes desdobramentos possíveis”. Ainda haverá combates, especialmente agora que os aliados wahhabistas e nazistas dos EUA sentem que o chefe não está muito atento no comando, ocupado com eleições e conflagração racial quase generalizada nos EUA, mas dado que não há solução militar possível para nenhuma dessas guerras, os confrontos e ofensivas táticos não levarão a resultado estratégico.

Com exceção de algum ataque sob falsa bandeira dentro dos EUA, como o assassinato ou de Hillary ou de Trump por um “pistoleiro solitário”, as guerras na Ucrânia e Síria prosseguirão sem possibilidade de qualquer tipo de negociação significativa. E com Trump ou Hillary na Casa Branca, um grande “reset” acontecerá no início de 2017.  Trump provavelmente quererá encontrar Putin para uma grande sessão de negociações que envolva todos os temas chaves entre EUA e Rússia. Se Hillary e seus neoconservadores chegarem à Casa Branca, nesse caso será quase impossível impedir algum tipo de guerra entre Rússia e EUA.

[assina] The Saker.

PS: Alguns especialistas militares russos estão dizendo que o tipo de dano que se vê nas fotos e vídeos do ataque ao comboio humanitário não é consistente com ataque aéreo, sequer com ataque por artilharia; o que se vê parece ser resultado da explosão de vários IEDs [Dispositivos Explosivos Improvisados]. Se isso se confirmar, também não implica a Rússia, mas aponta para forças de “terroristas moderados” que controlam aquela locação. Ainda assim poderia ser ataque sob falsa bandeira ordenado pelos EUA ou, se não for isso, será prova de que os EUA perderam o controle sobre seus aliados wahhabitas em campo.*****

Anúncios

Os submarinos russos devem dominar o Pacífico em breve

09 de agosto de 2016

Por: Rakesh Krishnan Simha

Fonte: RBTH

Uma nova geração de  silenciosos submarinos, mais rápidos e  letais está prestes a entrar em serviço para reforçar as unidades da Marinha russa.

Os submarinos russos voltaram a operar no oceano Pacífico, de onde se ausentaram por mais de uma década. Pela primeira vez desde a Guerra Fria, a Frota russa do Pacífico está operando submarinos mais silenciosos, armados e poderosos.

De acordo com um estudo intitulado “O reequilíbrio asiático da Rússia” pelo Instituto Lowy de Política Internacional da Austrália, a transposição do foco da Rússia para a Ásia provocou uma renovação em grande escala da sua Frota do Pacífico, que durante a próxima década irá atingir o seu valor mais elevado em meios navais.

“Foram atribuídos a esta frota novos submarinos portadores de mísseis balísticos e caçadores/assassinos (submarinos nucleares de ataque), o que dará um grande impulso para as aspirações do potencial,  de projeção de poder de Moscou na região”, diz o estudo.

De acordo com o analista militar russo Dmitri Gorenburg, “a frota do Pacífico poderia tornar-se a maior frota de Rússia durante a próxima década devido à crescente importância geopolítica da região e à concentração de poderes navais nesta área”.

Mudança de foco

Durante a Guerra Fria, a Marinha soviética era conhecido por suas armas poderosas, como o submarino classe Typhoon (termo adotado pela OTAN, para os soviéticos e seus herdeiros, o nome da classe é Akula).

Com um deslocamento de 48.000 toneladas, foi quase tão grande quanto um porta-aviões e eclipsando o maior submarino da Marinha dos EUA por uma margem de 20.000 toneladas. Este leviatã soviético poderia jogar 200 ogivas nucleares contra cidades e instalações militares do inimigo em um único ataque.

Agora a prioridade é expandir a frota, especialmente com os submarinos da classe Borei. Embora tenha metade do tamanho do Typhoon, o Borei é um grande avanço em relação à escola soviética de construção de submarinos. A classe Borei representa a nova geração de submarinos russos extremamente silenciosos. É mais barato e exige uma tripulação bem menor. Ao mesmo tempo, não nada em termos de potencial de ataque, pois é capaz de lançar entre 16 e 20 mísseis nucleares com até oito ogivas orientadas de forma independente.

A Rússia espera substituir seus submarinos (SSBN) da Guerra Fria, com um total de 12 submarinos de mísseis balísticos da classe Borei indica Gorenburg.

Potencial e projeção

O aumento de tamanho, poder de fogo e gama dos submarinos russos, estão em sintonia com o novo boom  (crescimento) da Rússia. Durante a Guerra Fria, a Marinha dos EUA ostentava submarinos muito mais silenciosos, algo que o governo soviético reservadamente nunca se preocupou em refutar.

No entanto, com a abertura da Rússia, eles estão descobrindo as verdadeiras capacidades dos seus submarinos. A tripulação de submarinos russos muitas vezes contam histórias sobre como eles chegaram quase a arranhar a barriga dos navios dos EUA sem que os americanos soubessem deles. Tais histórias podem estar mais perto da verdade do que os especialistas acreditam (ou gostariam).

Almirante Mark Ferguson, comandante das Forças Navais dos EUA na Europa, disse à CNN que “(…) a Rússia está implantando submarinos de combate (SSN) e mísseis (SSBN) a um ritmo difícil de seguir para os Estados Unidos. Moscou criou novos submarinos que são mais difíceis de controlar e detectar pela Marinha dos Estados Unidos”.

“(…) Eles são mais silenciosos, mais bem armados e têm um alcance maior”, disse Ferguson. “Vemos que os russos têm sistemas de armas mais avançados, sistemas de mísseis que podem atacar as áreas terrestres a longa distância e também ver que o seu funcionamento e capacidade está a melhorar à medida que se afastam das suas águas”.

O almirante reformado James Stavridis, ex-comandante da OTAN, acrescentou: “Nós não podemos ter 100% de certeza sobre a atividade subaquática da Rússia, hoje”.

Perspectivas para o futuro

Atualmente, existe um plano para desenvolver um submarino nuclear de uma classe multiuso , a fim de construir algo mais barato e de menor tamanho do que a classe Yasen. Este seria submarino nuclear de ataque cujo armamento seria ao menos comparável aos mísseis presentes na classe Virginia dos EUA. A Marinha russa espera começar a construção destes submarinos o mais rápido possível, já  em 2016, e tem como objetivo construir um total entre 16 e 18 unidades.

Enquanto isso, a Marinha dos EUA tem um estoque de 53 submarinos, mas devido a decisões de desativação e corte no orçamento, este número cairá para 41 unidades no final da década de 20 (2020-2029).

Gato e rato

Durante décadas, os submarinos soviéticos, depois russos e norte-americanos brincaram de gato e rato sob os oceanos do mundo. Agora, parece que quaisquer que sejam os submarinos silenciosos da Marinha dos Estados Unidos, os russos os pegam o tempo todo e em todos os lugares.

Em um relatório da Stratege Page de 18 de Fevereiro de 2015 afirma: “No início de 2014 especialistas em detecção de submarinos da Marinha dos Estados Unidos ficaram alarmados quando um navio de reconhecimento electrónico russo da classe Vishnya foi avistado por várias vezes a distância junto a costa leste da Flórida, perto de várias bases aeronavais e de submarinos”.

O Vishnya avistado na Flórida foi acompanhado por um rebocador. Ambos os navios seguiram para reabastecer portos cubanos. Os dois navios estavam a ser visto pela primeira vez em Cuba, em fevereiro do corrente ano.

“O que mais assustou os tripulantes de sonar, de detecção submarina, foi dar-se conta que os computadores se tornaram poderosos e baratos o suficiente para detectarem submarinos por sinais fracos, como as ligeiras alterações nas superfície das águas, causadas pelos seus navios. Sabiam da existência desses sinais por décadas, bem como a possibilidade de que com aparelhos poderosos e sensíveis o bastante, este método poderia ser utilizado para rastrear submarinos em tempo real”.

Durante a Guerra Fria, a maior parte do potencial dissuasivo dos submarinos soviéticos no Pacífico constituiu-se de submarinos de ataque (SSN e SSK). Projetado para encontrar e destruir submarinos inimigos, suas principais tarefas eram para evitar que submarinos de mísseis balísticos inimigos viessem a lançar um ataque nuclear, além de destruir submarinos inimigos ataque antes que estes encontrassem um dos submarinos lançadores de mísseis soviéticos (SSBN). No teatro de operações submarinas do século, a frota do Pacífico será mais poderosa e terá uma proporção maior de submarinos de mísseis balísticos, o suficiente para manter em alerta a poderosa USNAVY.

SSBN (do inglês: Ship Submersible Ballistic missile Nuclear powered ).

SSN: (do inglês: Ship Submersible Nuclear powered).

As mulheres na infantaria – a perspectiva de um soldado norte-americano

Por: Scott M.

Tradução: Clermont.                                 

Fonte: FDB

“Eu sei que isso já foi discutido, de novo e de novo.

Mas aqui está uma opinião de um soldado no Iraque. Eu queria ler o que ele tinha a dizer, portanto presumi que vocês também.

Eu mencionei, por acaso, para minha filha de 16 anos (que foi criada assistindo ‘Buff, a Caça-Vampiros’, ‘Stargate SG-1’, várias reencarnações de ‘Jornada nas Estrelas’, ‘Lara Croft’ e outras séries de ação que mostram garotas metendo a porrada) que não se permitem mulheres em unidades de combate das Forças Armadas dos EUA. Ela ficou ultrajada. Indignada. Ela quase gritou ‘POR QUÊ NÃO’! Eu fiz o melhor que pude para explicar as razões ‘oficiais’, as não-oficiais como eu as entendia, minhas objeções pessoais e como a linha entre ‘combatente’ e ‘não-combatente’ está cada vez mais obscurecida, mas ela não se convenceu.

Isso não é uma ordem por escrito, mas eu estaria muito interessado em sua opinião nesse assunto e suas experiências com fêmeas da espécie militar”.

A resposta do Soldado no Iraque:

Sim, é verdade, mulheres não podem estar na infantaria.

O tópico de mulheres na infantaria é muito cheio de armadilhas e é a única coisa em minha filosofia de vida pessoal sobre a qual sou um sexista. Eu vejo que existem duas razões por que mulheres não são permitidas na infantaria (ou na maioria das outras armas de combate). O “grunt” médio está bem de acordo com sua personalidade primordial e, sendo assim, geralmente só quer saber de duas coisas: trepar e brigar, nessa ordem. E a principal razão porque eles brigam é para serem durões para poder atrair mais mulheres, com as quais eles podem conseguir satisfazer o seu desejo por trepar. Tão logo existam mulheres à distância de uma cuspida, a diretriz número um primordial, chuta tudo o mais, especialmente a disciplina do serviço, direto para o inferno. Qualquer um que ache isso uma estupidez está certo, mas também é um retardado se acha que isso irá, algum dia, mudar. “Grunts” são “grunts”. O homem pensante encontra significados através de alguma espécie de objetivo mais elevado. O “grunt” acha significados só em trepar. E se ele puder lutar no intervalo das trepadas, ótimo.

A segunda razão porque mulheres não estão (e não devem estar) na infantaria é, igualmente, baseada no lado primário da existência humana como a primeira. Mulheres não podem fazer um trabalho digno de um “grunt”, de jeito nenhum. Eu gostaria de estar errado sobre isso porque vai contra todas as minhas noções de igualdade entre os sexos, mas é a verdade. Eu já treinei com mulheres em muitas ocasiões e eu posso dizer que elas alteram, completamente, o ambiente de treinamento. Não apenas os sujeitos ficam distraídos pela Razão Número Um, mas também o nível de intensidade do treinamento vai pras cucuias. A mulher mediana não se empenhará em treinamento do jeito que um homem faz. Eu já vi sujeitos se empenharem no treinamento até morrer, literalmente. Eu vi um sujeito acabar um teste físico, uma corrida de quatro quilômetros, então desmaiar e morrer de uma ruptura da aorta. Eu vi um sujeito marchar no sol até desmaiar pela insolação e ficar com danos cerebrais. Eu vi sujeitos marchando apesar de ossos quebrados, juntas deslocadas e ruptura de ligamentos. Morrer treinando é uma burrice, mas é um testemunho do grau em que um soldado está disposto a se empenhar. Em todas as minhas experiências com mulheres, o gene do bom-senso (que os sujeitos parecem carecer, para a felicidade das forças armadas) se rebela e diz a elas: “foda-se isso, não vá se matar fazendo essas coisas.”

Eu sei que há mulheres lá fora, que provavelmente, se esforçariam do mesmo modo, mas numa sociedade onde homens foram criados para se desempenharem devido à incrível força da pressão de seus pares machos, eles são mais fáceis de serem encontrados do que mulheres desejosas de fazer o mesmo. E eu ainda não entrei no fato de que o homem mediano é muito mais forte fisicamente do que a mulher mediana. E, ainda que fêmeas humanas fossem tão fortes fisicamente quanto os homens e desejosas de se empenharem no mesmo grau, haveria a Razão Um. Existem, na minha pequena base, quatro soldados mulheres. Na outra noite que a força de reação rápida teve de se mover, não conseguimos encontrar três dos nossos sujeitos. Acabamos por deixá-los para trás, inclusive um atirador de metralhadora calibre .50 pol. Ao voltar, descobrimos que estavam dormindo no quarto com uma das soldados que servem próximo a área de estacionamento da QRF (Quick Reaction Force). [nota: a área de estacionamento da QRF teve de ser realocada.

De qualquer modo, eu sei que essa é, provavelmente, a última coisa que sua filha queria ouvir. Talvez haja um tempo em que tais fatores não importem tanto e mulheres possam estar na infantaria. Enquanto isso, elas sempre podem servir na PM, que eles chamam de “a infantaria das cachorras”. Em combate, elas terminam fazendo a maior parte das coisas que a infantaria de verdade faz; ao menos, elas estão fazendo isso no Iraque.

Outros problemas com mulheres na infantaria:

– menstruação e saúde vaginal: as condições de vida podem ser muito duras e ter de lidar com uma, digamos, infecção por fungos na vagina enquanto se está sem chuveiros por vários meses, pode ser difícil de se imaginar.

– estupro (especialmente, se for capturada).

– gravidez: sem tempo para atendimento pré-natal em campanha.

– peitinhos: se eles foram grandes o bastante para ficarem no caminho dos equipamentos, blindagem corporal etc; ou de ações como rastejamento furtivo e outras atividades físicas da soldadesca, você se torna totalmente ineficaz como um “grunt”.

Eu gostaria de ter mais coisas positivas para dizer sobre mulheres na infantaria, mas há tantas coisas que fazem isso não ser uma boa idéia. Mulheres merecem oportunidades iguais, mas igualdade em certas funções de combate pode não fazer sentido tático.

Espero não ter esmagado as esperanças de sua filha, ou ter dado a impressão excessiva de ser um babaca sexista.

A resposta de Scott e um adendo:

Soldado escreveu: Agora o tópico de mulheres na infantaria é muito cheio de armadilhas…

Tem toda a razão.

Soldado escreveu: e essa é a única coisa em minha filosofia de vida pessoal na qual sou sexista.

Tenho de concordar. Bem, talvez uma ou duas coisas…

Soldado escreveu: Ao voltar, descobrimos que estavam dormindo no quarto com uma das soldados que servem próximo a área de estacionamento da QRF.

Todos eles? Porra! Meus amigos da Marinha contam-me histórias sobre as putas da Califórnia que se alistavam na Reserva Naval para conseguirem faturar à bordo dos navios durantes as instruções. As garotas tinham audiência cativa, especialmente, no mar, e uma fila se formava na porta do alojamento.

O que aconteceu com seus extraviados fodedores, depois disso? Disciplinarmente, quero dizer. Isso é contra o regulamento, não é? [nota: para registro, não havia nenhum Calígula obrigando ninguém, senão eles teriam clamado isso.]

Soldado escreveu: eu sei que essa é, provavelmente, a última coisa que sua filha queria ouvir.

Obrigado por sua honestidade. Eu concordo com a maioria de suas premissas. Realmente, minha filha precisa ouvir essas coisas ou ser surpreendida de forma rude e desagradável. Também, suas palavras carregam mais peso do que as minhas sobre o assunto.

Minhas objeções são menos fundamentais, e também difíceis de manter o passo com a visão mundial de estrito igualitarismo.

  1. Os jovens, fortes e saudáveis fazem os melhores soldados. Mulheres são os únicos seres humanos que podem gerar filhos. Uma mulher é muito mais do que um útero, mas nós, realmente, queremos pôr nossas mais jovens, fortes e saudáveis geradoras de bebês na linha de fogo? (vejam a curta história “Down Among The Dead Men” por John Campbell.) É verdade que não é exclusiva responsabilidade de uma mulher criar as crianças, mas eu penso que o bem-estar dos dependentes deveria ser uma prioridade mais elevada do que, digamos, promoção na carreira.

Há um garoto que vai a nossa igreja cujo único responsável, sua mãe, acabou de passar por um ano de treinamento e está, agora, na Alemanha. Ele está morando com outra família da igreja. Ele é um garoto feliz e brilhanto, mas também é, pateticamente, desesperado por atencão e aprovação. Nós damos a ele todo o amor e apoio que podemos, mas eu penso – sem pai e com a mãe desperdiçando a pré-adolescência dele, desdobrada no além-mar; será um milagre se isso não foder com a personalidade dele.

  1. A história nos diz que mulheres podem lutar, bem e ferozmente, mas no instante que uma unidade mista sofre baixas de mulheres, os homens (ao menos, os ocidentais) recuam. É a coisa fundamental novamente; o dever impregnado de proteger as mulheres (quando você não as está fodendo, quero dizer). Se “GI Jane” receber um mínimo ferimento, “GI Joe” sente-se como se fosse um fracassado (e age, e luta de acordo). Nada bom.

O único modo de superar isso seria criando uma sociedade, e por conseqüencia um exército, onde os homens fosse tolerantes ao sofrimento e morte de mulheres como são às mortes de outros homens. Não apenas eu não iria querer viver numa sociedade assim, como iria resistir, ativamente, à sua criação.

  1. E, é claro, o elefante na sala quando se trata de mulheres-em-combate tem de ser escrito em letras maiúsculas: ESTUPRO.

O abuso sexual de mulheres em tempo de guerra é uma história triste e antiga. No Ocidente, nós saímos do “luxúria, saque e bebida são o pagamento do soldado” para tornar o estupro em tempo de guerra um crime capital sob o UCMJ (código unificado de justiça militar das forças armadas americanas). Ainda acontece, mas torná-lo um crime maior, é um progresso.

Naturalmente, antiga é a palavra-chave na sentença acima: a maioria das culturas com as quais estaremos “interagindo” no futuro previsível são culturas tribais onde o abuso sexual de mulheres do inimigo são uma rotineira, se não compulsória, maneira de demonstrar o poder de alguém ao humilhar este inimigo. (quero dizer, que espécie de animal iria sodomizar uma mulher inconsciente com uma pélvis fraturada?) (*) E mais, eu aposto que as únicas garotas loiras que “GI Achmed” já viu estavam em algum tipo de revista pornô… (“Mas Coronel, a vadia infiel provavelmente estava gostando!”)

Enquanto escrevo, me ocorre que a chance – neste momento – de uma mulher soldado ser estuprada por um colega militar americano é, de fato, mais alta do que a chance dela ser capturada e estuprada por pessoal inimigo. Por outro lado, se ela for capturada, sua chance de ser estuprada é de cerca de 100 %. Suponho que seja problema dela se ela quis se voluntariar para isso, mas…

Eu me lembro de uma piloto de helicóptero de evacuação médica da primeira Guerra do Golfo, que foi abatida, capturada e molestada, repetidas vezes, apesar de estar com os dois braços quebrados. (O praça chefe dos tripulantes continuou tentando protegê-la e continuo sendo espancado por isso. Já que estava sendo violentada de qualquer jeito, ela teve de lhe dar ordem para parar de tentar protegê-la porque temia que eles acabassem matando-o.) Ela foi libertada e continuou servindo. Ela não foi à TV ou escreveu um livro; suponho que tenha contado para seu marido, seu capelão e fechou-se em si mesma, mas a história não se tornou pública até que ela foi forçada a testemunhar numa comissão do Congresso.

Como Lawrence da Arábia descobriu (para seu pesar, estou certo) os otomanos e seus assemelhados não se sentem constrangidos em abusar de cativos masculinos, mas isso não é de modo algum certo e, em qualquer caso, é assunto para outro debate.

À propósito, “infantaria das cachorras”, hein? Eu também me lembro que a senhora capitão que foi condecorada por bravura, no Panamá, era uma PM.

Obrigado pelos tiros no alvo.

Arábia Saudita vê-se humilhada

Por: César A. Ferreira

As armas do Reino da Arábia Saudita, equipadas com aquilo que o dinheiro pode comprar de melhor, encontram-se frente a uma encruzilhada. Tendo o reino iniciado um conflito com um vizinho, pobre, lacerado por um conflito interno e com meios militares muito inferiores, naquilo que compete ao equipamento, veem o agressores, por agora, o inimigo a avançar fronteira adentro, tomando franjas da fronteira comum.

Sem dúvida alguma uma humilhação sem par, que afeta sobremaneira o Reino, consumidor que é das melhores armas que o mundo ocidental pode prover (48 bilhões de dólares em importações bélicas no ano de 2015).

A ofensiva lançada pela milícia Houthi, aliançada come forças do Exército Nacional do Iêmen, possui como objetivo declarado a cidade de Narhan, e se dá em quatro eixos: Najran Damn, Nahuka, Saqam e Shufa. Para prevenir o pior, as forças do reino formaram uma linha defensiva em torno da cidade fronteiriça de Najran. Seguindo a ofensiva é possível constatar o número imenso de veículos e munições abandonados pelas forças do Reino em retirada.

De fato, a velha máxima militar que versa sobre a incapacidade árabe de manter uma guerra de movimento vem à baila, o problema no tocante a isto é a constatação que as forças iemenitas, que são árabes, vencem justamente por praticarem a guerra de movimento, atacando o inimigo através de reides em seus pontos fracos, cercando e minando os seus pontos fortes.

Não adianta comprar as melhores armas que o mercado pode oferecer, se o material humano não corresponder. Não se percebe nas forças do Reino competência, tanto no comando como no efetivo combatente. Tanto, que a coalizão, visto que nesta guerra também faz parte o Qatar, não se fez de rogado e contratou forças mercenárias. Os mercenários, apesar de profissionais da guerra, não obtiveram o sucesso esperado.

Como contraponto se observa o comportamento da aliança iemenita: soldados motivados, aguerridos e altamente móveis, que exploram a característica do terreno, árido, montanhoso, fraturado. Isto, aliado a um comando sensato, que procura não expor, ou desperdiçar as suas forças frente a um inimigo com nítida superioridade aérea. A Força Aérea do Reino da Arábia Saudita, é bom lembrar, se esforça em apoiar as tropas no solo, mas pouco consegue fazer, notabilizando pelos ataques na capital iemenita, onde destrói com impunidade os hospitais e escolas, vez por outra localizando depósitos de munições das forças do Iêmen.

É interessante ver como se comporta o Reino perante ao quadro catastrófico por ele criado. A guerra iniciada apenas provoca danos aos sauditas, visto que ela lhes rouba projeção e importância, afinal, uma potência regional não pode ser derrotada por uma nação paupérrima, dilacerada por um conflito interno. Ampliar o conflito mediante a uma “Guerra Nacional”, por meio de conscrição não parece ser a solução, pois o serviço militar nunca foi popular na Arábia Saudita, que tradicionalmente incorporava nas suas fileiras voluntários do… Iêmen. Daí a pergunta que não quer calar: se o serviço militar em tempo de paz não cala fundo na alma da população, como seria a convocação para uma guerra feroz?

O Reino se encontra em um atoleiro, no Iêmen, bem como nas guerras movidas por procuração no Iraque e na Síria, todavia a resposta para o dilema é tipicamente saudita: prevê-se um gasto da ordem de 52 bilhões de dólares em 2019, Superior aquilo que reservam os orçamentos militares de potências de fato como a França e a Rússia.