A Rússia e o seu entorno

Por: César A. Ferreira

É difícil explicar para os leitores desacostumados com matérias afeitas aos assuntos sobre geopolítica e de defesa, sobre os interesses da Rússia , suas ações e o modo de agir do seu dignitário, dado o fato que estes mesmos leitores são bombardeados, cotidianamente, por matérias ditas “jornalísticas”, publicadas rotineiramente na chamada mídia-empresa, ou grande impressa como é mais comumente denominada no Brasil, que retratam a Rússia como nação agressiva, como se fosse uma espécie de nova “Alemanha Nazista”, liderada por um novo ser diabólico: Vladimir Putin.

Uma forma fácil de entender é esquecer o potencial russo no campo da dissuasão nuclear, incomparável, cujo espelho, único no globo, repousa no arsenal equivalente dos EUA. Focando-se na capacidade econômica e nas armas convencionais, percebe-se, que a Rússia apresenta-se como uma potencia regional, sendo a sua capacidade de intervenção e resposta é mais forte quanto mais próximo estiver o alvo das ações das suas fronteiras. Entende-se, pois, o motivo das pressões intensas dos EUA sobre a França, no tocante aos navios multipropósito da classe Mistral, cuja construção havia sido contratada pelo Ministério da Defesa da República da Rússia junto ao estaleiro STX, DCNS, em contrato então aquiescido e endossado pelo governo francês. Tais navios ampliariam consideravelmente a capacidade de projeção da Marinha da Rússia, e certamente estariam sendo por agora utilizados no chamado “Expresso de Damasco”.

O espaço pós-soviético é o campo óbvio das atenções russas, e ao contrário do que se possa pensar, não é na Europa, mas na Ásia Central, onde a Rússia devota as suas energias. Percebe-se, pois, que os russos perceberam já a algum tempo que o futuro tem morada no Oriente. Este espaço teve a influência ocidental revertida, com muita paciência e trabalho intenso no campo diplomático, de inteligência, bem como no econômico. A exceção notável permanece sendo o Azerbaijão, seduzido que é até a presente data, pelo prometido mercado europeu ao seu gás, que seria viabilizado pelo gasoduto Nabuco… No tocante ao Cáucaso, segue a dor de cabeça no Daguestão, vizinho da Chechênia, agora estabilizada. O Cáucaso e a Ásia Central explicam em grande parte o esforço russo na Síria, dado que lá se dá combate aos mesmos terroristas da jihad que praticam o terror nas republicas da Federação Russa, portanto, a luta na Síria evita que os terroristas “subam a estrada”…

No tocante ao espaço do Oriente Próximo, o apoio ao Governo Sírio, reforça a influência russa na mesma medida que faz declinar a influência turca e saudita. Não se faz necessária, sequer, a vitória completa sobre os terroristas, bastando apenas que a sobrevivência do Governo Sírio seja assegurada, como de fato é o que se observa. No Mar Negro, a espetacular incorporação da península da Criméia fala por si. Espetacular não apenas pelo deslocamento rápido dos efetivos, que subiram em questão de dias para o limite de 32.000, mas, pelas consequências: a Rússia toma posse das reservas de gás do Mar Negro, adjacentes à orla da Criméia, reservas estas que estão ainda por serem exploradas. A ocupação da península presenteou a Rússia com a posse definitiva da Base Naval de Sebastopol, e por extensão, do domínio efetivo do Mar Negro, algo que reflete sobre as demais nações que são banhadas pelo referido mar. Com a posse da península a Rússia garante a segurança das suas linhas de gasodutos que provém do Cáucaso em direção à fronteira ucraniana.

A Ucrânia é um caso aparte. Ela se revela como um desafio proposto pela OTAN desde o golpe da Praça Maidan. Como nação, por si, a Ucrânia não se revela como ameaça, dado que se desmantela, perde capacidade industrial e econômica a olhos vistos desde o rompimento, forçado, dos laços com o complexo industrial russo, seu maior cliente. É por entender o conflito na região do Donbass como uma isca, que a Rússia congelou o mesmo com o Minsk-2, retirando assim o fantasma de ter-se de desdobrar em duas frentes, uma na Síria e outra na sua fronteira ocidental. Não é que seja o conflito ucraniano visto como se fosse de menor importância, mas a sua evolução não se mostra atrativa ao governo da Federação Russa, por representar ganhos relativamente pequenos. Desta maneira, congelado, a Rússia pode armar e treinar os elementos nativos do Donbass com vagar, com um custo menor, podendo sempre que necessário plantar efetivos do outro lado da fronteira para dissuadir o governo ucraniano de tentar algo mais efetivo do que as trocas de fogos de bateria.

Os olhos da Rússia repousam no Oriente, como bem demonstra o acordo amplo feito com a China, no campo energético e de Defesa. Espera-se que os volumes contratados por Pequim venham a gerar algo em torno de 400 bilhões de dólares em 10 anos, o que é uma quantia salutar. A China também é contratante de volumes de gás das ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central e acaba por dividir influência com Moscou nestas repúblicas, mas no tocante ao aspecto de segurança é a Federação Russa a garantidora da paz nestes espaços geográficos, seja pela manutenção de bases com efetivos militares, ou por acordos de cúpula.

Por isto é falsa a ideia plantada de que seja a Federação Russa uma potencia expansiva, dado que se observa apenas uma reocupação de um espaço geoestratégico. Expansão se verifica por parte da OTAN, que avança sobre a fronteira russa e não o contrário. A Rússia exercita o seu papel de potência regional sem se iludir com o domínio global, bastando para si neste momento em alcançar o objetivo clássico acalentado por todo e qualquer coração russo: a segurança das suas fronteiras.

Anúncios

Blitzkrieg, a queda da França

Por: Daniel Afonso da Silva

Fonte: Blog Luis Nassif

Wolfsschlucht, quartel-general alemão, 17 de junho de 1940. Hitler recebe a notícia da rendição francesa. O marechal Pétain vinha de proclamar o cessar-fogo. Perplexidade radiante envolve os presentes. Ainda na noite anterior, em entrevista a Goebbels, o füher havia anunciado guerra de ao menos seis semanas para vencer a França. Ninguém esperava uma batalha relâmpago (blitzkrieg) contra os franceses.

Desde a sua inauguração no poder em fevereiro de 1933 que Hitler vinha pondo em prática sua vingança à humilhação aos alemães materializada em Versalhes após a primeira grande guerra. Fora a amputação de territórios seguida de imposições financeiras, à Alemanha caberia reduzir seu exército ao máximo de 100 mil homens, não possuir artilharia pesada nem tanques blindados, aviões, cruzadores ou submarinos.

Em sua primeira mensagem ao seu Reichswehr (força de defesa do Reich), a 3 de fevereiro de 1933, ele firmaria o compromisso de remodelar o exército alemão para combater os inimigos internos e externos do Reich. Seu objetivo explícito era conquistar espaço vital. Seu mantra, germanizar toda a terra.

O primeiro álibi para o reequipamento da Reichswehr ocorreu no expurgo de 30 de junho de 1934, famosa noite dos longos punhais. Um ano depois seria anunciada a criação da Luftwaffe (força aérea), havia muito tramada em segredo com os soviéticos. A 7 de março de 1936, a Wehrmacht (forças armadas) recuperaria espaços na Renânia subvertendo o pacto de Locarno. Semanas depois, a Reichswehr vai convocada a se preparar para uma guerra longa e mundial a partir de 1940.

No verão-outono de 1938, com a conivência de França e Inglaterra nos acordos de Munique, o Reich agrediria a Tchecoslováquia subtraindo dela a região de Sudètes. Polônia e Hungria também reivindicariam, com sucesso, territórios tchecos. Os encaminhamentos saídos de Versalhes ficavam, assim, completamente caducos.

No dia 23 de agosto de 1939, alemães e soviéticos assinam pacto de não-agressão. Ciente da inação franco-britânica, Hitler avança sobre a Polônia. Contrariado em seus cálculos, no dia 3 de setembro de 1939, os ingleses declaram guerra ao Reich. Os franceses fariam o mesmo sem tardar. Como reação, o Reich propõe avançar de Varsóvia a Paris.

Em junho de 1940 o moral francês está devastado. “A besta se aproxima”. Na primeira semana do mês, entre sete e oito milhões de pessoas de todas as idades e ocupações fugiram de Paris e de seus arredores. A 10 de junho, o próprio governo francês parte em fuga e se instala em Tours.

No dia seguinte, os primeiro-ministros Paul Reynaud e Winston Churchill promovem uma reunião conjunta. A pauta era discutir sobre continuar ou não o combate contra o Reich. Muitos presentes hesitam. O marechal Pétain, herói de Verdun e da primeira grande guerra, propõe armistício. Reynaud considera desonroso. Churchill também; e pede tempo para consultar do presidente Roosevelt.

A 14 de junho, os alemães adentram Paris e a tese do armistício avança.

O coronel De Gaulle vai enviado a Londres para clamar por mais apoio inglês. Desde o palácio de Buckingham vem a proposta de unificação franco-britânica da nação e da administração para se continuar a guerra.

No 15-16 de junho, o primeiro-ministro francês está deveras apequenado. A maioria no conselho tendia ao armistício. Mas ele continua intransigente frente ao capitular.

Contrariado em suas intenções, o marechal Pétain apresenta sua demissão. O primeiro-ministro e o próprio presidente da república recusam aceitar. Ambos aguardam pela resposta do presidente norte-americano sobre o apoio contra o Reich.

Churchill porta a resposta no fim de 16 de junho. Os Estados Unidos mandam dizer que seu apoio poderia ser financeiro; militar, não.

O peso da história e a pressão da responsabilidade invadem o destino dos homens de decisão franceses. Todos lembravam – alguns por ter vivido – de 1870-1 e 1914-18. A máxima “tout est perdu fors l’honeur” (tudo foi perdido, exceto a honra) do rei François 1º após a derrota na batalha de Pavie de 1525 rondava todos os imaginários. A meditação passou entre a vida e a honra.

Outra reunião fora convocada para as dez da noite desse dia 16 de junho de 1940. Antes desse horário, o primeiro-ministro Reynaud anuncia sua demissão. O marechal Pétain, líder da maioria pelo armistício, toma seu lugar. Horas depois, o novo governo já estava completamente constituído. No dia seguinte, 17 de junho de 1940, o mundo inteiro soube da escolha do marechal.

A Rússia sente-se confortável

Por: César A. Ferreira

Neste exato momento caças-bombardeiros Su-34, recentemente desdobrados para o território sírio, reiniciam a campanha de bombardeio em Aleppo contra as posições da Frente Al-Nusra, vaporizando desta forma as unidades deste grupo terrorista, que se viu reforçado pela trégua proposta por Washington.

A Rússia retorna com força plena à Síria a despeito do que se diga no Pentágono, ou no Departamento de Estado. Independe das vontades alheias, e isto devido a um fato muito simples: fracassaram as tentativas de isolamento diplomático e econômico da gigantesca nação. Sobraram, apenas, a constantes e conhecidas provocações da OTAN, que quando respondidas, sejam por sobrevoos, ou escoltas, revelam o ridículo das argumentas desabridas dos prepostos da Aliança Atlântica… Mas, isto, convenhamos, pouco importa (para eles).

A Rússia possui seis fusos horários, é a nação com as mais extensas fronteiras políticas do globo, possui um território riquíssimo em termos de minérios ainda por ser explorado, reservas petrolíferas e de gás que estão por ser avaliadas, enfim… Não necessita e não ambiciona o controle de reservas de terceiros, diferentemente dos EUA e dos seus associados da OTAN, que dormem, sonham, com outra coisa que não seja o domínio completo das nações produtoras, bem como das rotas da commoditie energética de uso global.

O xadrez africano, onde se destaca como jogador de peso a chancelaria chinesa, e do qual o nosso novo, augusto e magnânimo chanceler fez questão de nos retirar, não possui a Rússia como potência interessada, visto que dos recursos futuros do continente africano pouco ou nada necessita, deixando assim este continente, com vastíssimas áreas ainda por serem exploradas, entregues a sanha dos EUA e das antigas potências coloniais, que rivalizam com o dragão chinês a primazia pela conquista dos corações e mentes africanas.

Por isso, tendo uma nação focada, uníssona na perspectiva de que é um povo capaz de escolher, manter o equilíbrio e desafiar quem lhe tente pressionar, a Rússia sente-se confortável para intervir no seu entorno próximo, congelar, ou acelerar conflitos na qual por ventura esteja envolvida, pois a sua proteção, ou seja, a proteção das suas fronteiras, estão bem resolvidas pelas armas entregues pelo complexo industrial militar, que herdado da URSS foi modernizado em todos os quadrantes possíveis, bem como pela elevação do padrão de prontidão das forças nacionais, objetivo perseguido e alcançado enquanto a OTAN se desgastava no Afeganistão…  Em outras palavras, a Rússia fez o que se deve: aproveitou-se de todas as oportunidades para crescer e fortalecer as suas forças armadas, tidas como esteio da soberania nacional, além de braço de crescimento tecnológico e industrial…

A Rússia, agora, sente-se confortável, apesar da inquietude vez por outra imposta pelas provocações infantis da OTAN… Uma lição que não será aproveitada por um sonolento gigante do sul, agora também grande produtor de petróleo, pois se encontra enredado pela miragem da grama mais verde do vizinho do norte.

Pena. A Rússia é uma lição breve de como construir uma verdadeira soberania.

Iskander, o pesadelo do Escudo anti-mísseis balísticos dos EUA

Autor: Valentin Vasilescu

Tradução: Alva

Fonte em português: Oriente Mídia

Rede Voltaire, Bucareste, Romênia, 26 de maio de 2016.

As capacidades dos mísseis Iskander são tais que eles podem passar através do escudo norte-americano. Portanto, pode-se perguntar para que serve este investimento colossal na Europa Oriental. Em primeiro lugar, parece que Washington busca justificar a sua proteção aos Europeus, em seguida, aposta no longo prazo: —na sua capacidade de mais rápido modernizar o escudo que os russos em melhorar os seus mísseis.

A OTAN posiciona, cada vez mais, novas armas ofensivas nas fronteiras da Rússia, obrigando Moscou a responder implantando armas defensivas. O sistema de mísseis terra-terra Iskander (Código Otan SS-26 Stone), é produzido pela fábrica de mísseis de Votkinsk (1.000 km a leste de Moscou). Ele foi especialmente concebido para perfurar o Escudo anti-mísseis balísticos norte-americano. O míssil Iskander, com um alcance de 500 km, possui um único andar Soyuz NPO, e funciona com combustível sólido. A 152ª Brigada de mísseis tácticos de Chernyakhovsk, no enclave de Kaliningrado, está equipada com mísseis Iskander, colocados a 200 km a partir da base de Redzikowo, que terá o papel de neutralizar o Escudo anti-mísseis americano na Polônia.

Em resposta aos elementos do Escudo anti-mísseis colocado na Romênia, uma bateria Iskander será provavelmente instalada na Crimeia, com um regimento de bombardeiros de longo alcance Tu-22M3. O tempo de preparação de lançamento para uma bateria de mísseis Iskander é de 4 minutos, a táctica utilizada determina o número de lançamentos simultâneos de dois pares de mísseis, com um intervalo provável de 2 a 6 minutos. Os mísseis Iskander podem ter ogivas convencionais (termobáricas, bombas nas caixas ou anti-bunkers), ou ogivas nucleares. Da Criméia à costa romena do Mar Negro vão 378 km e o alcance do míssil Iskander é de 500 km.

A trajetória de um míssil Iskander não é balística, pois com um peso de 3,8 a 4,2 toneladas teria um alcance de 1.500 km. O voo de cruzeiro do míssil Iskander é realizado a uma velocidade de 7.600 a 9.300 km/h, abaixo da altitude de 60.000 metros, sendo uma grande parte do trajeto efetuado por cima das camadas densas da atmosfera, quer dizer, a mais de 40. 000 m. Este perfil é baseado no facto dos mísseis AA de longo alcance como os MIM-104 Patriot PAC-3, que têm igualmente capacidades anti-balísticas, disporem de um alcance com limite máximo de 30. 000 a 35. 000 m. Este limite foi estabelecido assim porque a maioria dos aviões de combate jamais ultrapassam os 20.000 metros. Ora, a Romênia não tem mísseis Patriot e os mísseis anti-balísticos SM-3 block 1B, que equipam o Escudo de Deveselu, nada conseguem interceptar abaixo de uma altitude de 80.000 metros, altitude a partir da qual começam a funcionar os sensores a bordo.

Na fase final do voo, quando ele entra no quadro de possibilidades de intercepção do sistema Patriot, o míssil Iskander efetua manobras de evasão e lança 10 falsos alvos, sob a forma de refletores metálicos poliédricos. A defesa AA dispõe de um tempo muito curto, e não consegue distinguir uma ogiva Iskander dos falsos alvos. Para tentar abater um míssil Iskander seria preciso lançar 11 mísseis Patriot, mas para conseguir abater um Iskander isso exigiria 22 Patriot. O seu perfil de vôo, e o seu equipamento de interferência (empastelamento-ndT), conferem ao Iskander uma grande capacidade de sobrevivência, e, por isso, é pois quase impossível de interceptar.

Valentin Vasilescu – Perito militar. Antigo comandante-adjunto da base aérea militar de Otopeni.

MD Indiano: Negócio de torpedo Black Shark para a Marinha cancelado

Autor: Vivek Raghuvanshi

Tradução e Adaptação: Luiz Medeiros

Fonte em português: Plano Brasil 

Fonte original: Defense News

NOVA DÉLHI – Os planos para adquirir torpedos Black Shark para a Marinha Indiana pela WASS, uma subsidiária da Leonardo-Finmeccanica, foram cancelados na semana passada, um porta-voz do Ministério da Defesa confirmou com a Defense News.

A decisão surge na sequência de acusações de corrupção envolvendo outra subsidiária da Italiana Leonardo-Finmeccanica, a AgustaWestland, e o partido político Congresso Nacional Indiano.

“A decisão foi tomada na semana passada e o processo de cancelamento está em andamento, e as alternativas estão sendo trabalhadas”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa Nitin Wakankar.

A Marinha buscou torpedos Black Shark para montá-los para os seis submarinos Scorpene que começam a ser introduzidos este ano.

Depois de cancelar um contrato de helicópteros com AgustaWestland em janeiro de 2014, o novo governo, após sua chegada ao poder em Maio de 2014, emitiu uma proibição parcial contra Leonardo-Finmeccanica e suas controladas. Contratos em curso continuaram, enquanto novos acordos foram proibidos.

Embora a licitação de mais de US$ 200 milhões para a compra de 98 torpedos Black Shark esteja agora cancelada, não houve nenhuma decisão sobre uma alternativa.

Nenhum funcionário Ministério da Defesa diria como a Marinha indiana vai adquirir os muito necessário torpedos. De acordo com o analista de defesa Nitin Mehta, a Marinha provavelmente vai lutar para se recuperar rapidamente do cancelamento.

O ministro da Defesa Indiano Manohar Parrikar disse que a empresa italiana será penalizada na Índia, na sequência de denúncias de que foram oferecidos subornos para ganhar um contrato € 560 milhões para helicópteros da Força Aérea da Índia em 2010.