Força Aérea Brasileira realiza treinamento inédito de guerra irregular

Por: Taciana Moury
Fonte: Diálogo Américas

O Exercício Operacional Tápio mobilizou 700 militares e 42 aeronaves durante 16 dias de treinamento.

A atividade inédita reuniu durante 16 dias, entre abril e maio de 2018, aproximadamente 700 militares pertencentes ao efetivo de 21 esquadrões aéreos diferentes. Foram empregadas no treinamento 42 aeronaves das diversas aviações da FAB: caça, asas rotativas, transporte, busca e salvamento (SAR, em inglês) e reconhecimento. Dentre elas, as aeronaves C-130 Hércules; C-105 Amazonas; SC-105 Amazonas SAR; C-95 Bandeirante; E-99; A-1 AMX; A-29 Super Tucano, além dos helicópteros H-36 Caracal; MI-35 AH-2 Sabre e H-60L Black Hawk. Juntos eles voaram cerca de 1.200 horas.

O exercício aconteceu na Ala 5, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, região centro-oeste do Brasil. Segundo o Coronel Aviador da FAB André Luiz Alves Ferreira, codiretor do exercício e chefe da Divisão de Controle do Preparo Operacional do Comando de Preparo (COMPREP), a escolha da unidade para sediar a primeira edição do Tápio não foi por acaso. “A Ala 5 é muito versátil e possui organizações capazes de realizar ações de busca e salvamento, defesa aérea, transporte aéreo logístico e atuações em operações especiais”, disse à Diálogo o Cel André Luiz. “Além disso, a região possui uma meteorologia muito favorável nessa época do ano e uma área geográfica com características adequadas à execução do exercício”.

O Cel André Luiz contou ainda que a atividade teve o objetivo de adestrar os esquadrões aéreos e as unidades de infantaria em ações combinadas. “O foco era realizar um amplo e racional treinamento, baseado num cenário de emprego realístico e atual. Caso a FAB, no futuro, venha a ser engajada em missões de paz da ONU, a capacitação será muito válida”, destacou.

Além dos militares da FAB, participaram do EXOP Tápio quatro membros do Exército Brasileiro e quatro da Marinha do Brasil. Os militares atuaram como guia aéreo avançado, ou seja, coordenadores de ataques aéreos a alvos de oportunidade em uma área definida. “Foi uma excelente oportunidade de execução de atividades conjuntas em aproveitamento a um exercício sob o controle da FAB”, revelou o Cel André Luiz.

14
O resgate simulado de um tripulante em terreno hostil.  Foto: Segundo-Sargento Bruno Batista.

Missões aéreas compostas

Os esquadrões aéreos e unidades de infantaria participaram das mais importantes ações da Força Aérea. Foram realizadas missões de apoio aéreo aproximado, controle aéreo avançado, escolta, reconhecimento aéreo, infiltração e exfiltração aérea, SAR em combate, evacuação aeromédica, assalto aeroterrestre e defesa antiaérea, entre outras.

“Iniciamos com algumas orientações de cunho doutrinário, com vistas a massificar importantes conceitos operacionais voltados para os voos propriamente ditos. As atividades aéreas ocorreram a partir do segundo dia e, conforme o planejamento, a complexidade evoluiu gradualmente, até chegarmos aos voos em pacote, termo usado para designar as missões aéreas compostas (COMAO, em inglês)”, revelou o Cel André Luiz.

O Brigadeiro do Ar da FAB Augusto Cesar Abreu dos Santos, diretor do exercício e comandante da Ala 5, declarou à Agência Força Aérea que o grande benefício da Tápio foi a realização das COMAO. “São várias aeronaves, em torno de 20, que decolam juntas para cumprir determinados objetivos, e a coordenação é muito complexa e importante. Tivemos êxito em mais de 90 por cento dos cenários simulados que treinamos”.

Qualidade do treinamento beneficia esquadrões

“Um exercício que envolve 26 esquadrões atuando de forma conjunta não acontece rotineiramente, logo, as trocas de experiências e as lições aprendidas durante a execução das missões nos faz crescer operacionalmente”, avaliou o Tenente-Coronel Aviador da FAB Luciano Antônio Marchiorato Dobignies, comandante do Segundo Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação. “O exercício Tápio agregou avanços doutrinários e operacionais às unidades participantes”, complementou.

O Esquadrão Pelicano tem sua sede na Ala 5 e participou do EXOP Tápio com cerca de 100 militares, quase a totalidade do seu efetivo, que é de 130. A equipe realizou 384 missões, a maioria de SAR em combate, e de apoio aéreo aproximado, especialidades da unidade aérea. Destas, 17 missões foram realizadas pelo SC-105, aeronave configurada para missões de SAR. “Atuamos também na coordenação geral do exercício, principalmente no planejamento das missões SAR em combate e na atividade de atendimento pré-hospitalar tático realizada pelos homens de resgate”, explicou à Diálogo o Ten Cel. Marchiorato.

A função do Esquadrão Pelicano durante o Tápio era a de auxiliar no resgate de um tripulante abatido em território hostil e envolvia, geralmente, dois helicópteros tripulados por uma equipe responsável por fazer a abordagem e o atendimento à vítima e de duas a quatro aeronaves de asas rotativas, AH-2 Sabre, ou asas fixas, A-29, que realizavam a escolta dos helicópteros. “A decolagem das aeronaves acontecia de forma coordenada para que os helicópteros fossem constantemente protegidos das ameaças advindas do solo. O SC-105 mantinha-se alto para ficar longe do alcance das ameaças e realizava a atualização da situação geral do terreno e das condições do evasor por meio de sistemas eletro-ópticos, do radar e do sistema de localização de pessoal. A missão lograva êxito quando o evasor era resgatado e todas as aeronaves retornavam em segurança”, explicou o Ten Cel Marchiorato.

Objetivos atingidos

O Cel André Luiz avaliou que a primeira edição do treinamento atendeu prontamente os objetivos estipulados. “Massificamos a doutrina já concebida, adestramos os tripulantes em todas as ações de força aérea previstas e coletamos diversas lições que serão importantes para a execução dos exercícios futuros”.

Além do Tápio, o COMPREP planejou mais dois grandes exercícios operacionais de guerra convencional: o Tínia, idealizado para acontecer em um ambiente de execução terrestre, e o Caríbidis, num ambiente tático marítimo. “A ideia é a realização, a cada ano, de dois dentre esses três EXOP, que serão definidos de acordo com as intenções de comando, fruto da análise prévia quanto à prioridade e necessidade do adestramento”, finalizou o Cel André Luiz.

Anúncios