Palmyra já vê combates em sua zona urbana

Por: César A. Ferreira

Neste exato momento forças do Exército Árabe da Síria adentraram nos subúrbios da cidade de Palmyra, isto após terem capturado as ruínas da cidade antiga em meio a feroz combate, onde, para infelicidade da humanidade, estragos extensos foram causados naquele fantástico patrimônio histórico da humanidade. O ataque a cidade realizado através de um movimento de mão, ao norte, o que desequilibrou as unidades do Estado Islâmico posicionadas para defesa, visto que estas esperavam o assalto provindo do oeste. Em seguida, outro movimento de gancho, desta vez direcionado ao sul, acabou por submeter às forças legalistas a base aérea local.

O combate na referida cidade está sendo renhido, motivo pelo qual avolumam baixas de ambos os lados. Neste contexto histórias de coragem se sobressaem, caso dos advisors russos, responsáveis por marcarem no solo os alvos para as aeronaves russas, que foram descobertos por combatentes do Estado Islâmico e cercados, motivo pelo qual direcionaram os ataques da VKS diretamente sobre eles (consequentemente dos inimigos que os cercavam). O número de soldados das Forças Especiais russas mortos e reivindicados como tais pelo Estado Islâmico, até a este presente momento, somam cinco (5) combatentes.

A situação para os combatentes do Estado Islâmico tende para insustentabilidade, visto que a operação visa cercar a cidade, conta com vasto apoio aéreo, que inclui a presença de helicópteros de ataque Mi28N, visto nos combates, e artilharia de campanha, onde os temidos TOS-1 “Buratino” se fazem presentes.

Nas últimas 24 horas as Forças Aeroespaciais da Federação Russa efetuaram apenas na área de Palmyra 40 saídas para missões de ataque, com 158 objetivos terroristas engajados, com ao menos quatro (4) Carros de Combate destruídos, cinco (5) caminhões de suprimentos igualmente destruídos, quatro (4) depósitos de munição incinerados e três (3) peças de artilharia eliminadas. Cerca de 100 combatentes foram mortos nestes ataques, que não contabilizam as missões de ataque realizadas pela Força Aérea Árabe da República da Síria.

Fontes do Ministério da Defesa da Rússia anunciou que o destino de Palmyra, que já conta com combates em sua zona urbana neste presente momento, deva se desfechar nas próximas 72 horas, isto no seu mais tardar. Para o Exército árabe da Síria esta batalha tem um sentido especial, simbólico, pois em 2014, o soldado capturado da desbastada 93ª Brigada de Infantaria, Adnan Yahia al Shoghri, instado a poupar sua vida pelos captores bastando para isso bradar vida eterna ao Estado Islâmico, berrou ao invés “nós vamos acabar com vocês”! Adnan e outros prisioneiros foram executados logo após o seu brado.

Anúncios

Grampolândia on-line

Por: César A. Ferreira

Enquanto os brasileiros, de parca inteligência, ficam indignados com as conversações íntimas, de conteúdo anódino, interceptadas e divulgadas de maneira ilegal, o mundo continua a girar, e em matéria de revelações a se preocupar com assuntos de maior relevância, como os e-mails da Senhora Hillary Clinton,  que para o mundo muito mais interessantes e elucidativos o são.

O e-mail transcrito abaixo, presente no site de divulgação bruta Wikileaks, é de uma importância fulcral, pois revela o modo de agir, de fazer política, dos EUA, além iluminar aos leitores a matriz do pensamento reinante naqueles que operam os departamentos e secções, relativos à política externa e de inteligência daquela nação. Não há muito que ser dito, o e-mail é autoexplicativo, basta entender que onde moram os interesses, dá-se a intervenção. Para o bom entendedor não é preciso uma palavra sequer…

Hillary-3
Hillary Clinton, descontraída, fotografada para capa da Revista Harper’s Bazaar.

CONFIDENCIAL: 17 de fevereiro de 2010

Por: Hillary

De: Sid

Re: Irã, Arábia Saudita

Jantei ontem (terça-feira, 16 de fevereiro) com Joschka Fischer. Tivemos uma conversa interessante sobre o Irã e a Arábia Saudita, entre outras coisas. (Como você sabe Fischer é agora diretor do projeto do gasoduto Nabucco.) O Irã, hostil, alvo de sanções que são absolutamente necessárias, mas são mais eficazes diplomaticamente quando apresentadas  juntamente com uma oferta para negociar. O punho de ferro na abordagem de uma luva de veludo atinge vários objetivos: de acordo com a inteligência de Fischer, Ahmanijehad desejou antes negociar o acordo, mas foi bloqueado. O regime tem divisões no seu estrato superior. Talvez seja verdade, talvez não. Mas constantemente empurrar as negociações ao lado de uma pressão adicional de sanções coloca em xeque as divisões internas, sejam elas quais forem. Estendendo a mão aberta enquanto se brandi uma vara, fecha-se o espaço diplomático e político de manobra para o Irã. Sua recusa em aceitar a mão aberta justificará a aplicação da vara. Mesmo quando as sanções são aplicadas sempre continua a ser útil dizer de que outra maneira é uma opção aberta. O dano feito ao Irã, portanto, é o resultado de sua própria escolha. Esta abordagem também ajuda a oposição. Uma estratégia de sanções puramente digna pode contribuir à vontade do regime em punir e reprimir. Claro, falando de mudança de regime, prejudica a causa da mudança de regime. É um presente para o regime. A oposição é um novo fator na equação do Irã que deve ser tido em conta a nível político e moral. Empurrado para a parede, o regime pode se sentir obrigado a reprimir, que pode resultar em milhares ou dezenas de milhares de assassinatos políticos. Na Arábia Saudita, Fischer salienta que se o Irã desenvolve armamento nuclear os sauditas já tem sua própria bomba. Os sauditas investiram no armamento nuclear do Paquistão, em parte para esta eventualidade; Esta é sua bomba reservada.

Abaixo a versão original do afamado e-mail:

CONFIDENTIAL February 17, 2010

For: Hillary

From: Sid

Re: Iran, Saudi

Had dinner last night (Tuesday, February 16) with Joschka Fischer. We had an interesting conversation on Iran and Saudi Arabia, among other things. (As you know Fischer is now director of the Nabucco pipeline project.) On Iran, harsh, targeted sanctions are absolutely necessary, but are most effective diplomatically when always coupled with an offer to negotiate. The iron fist in the velvet glove approach achieves several objectives: According to Fischer’s intelligence, Ahmanijehad wished some negotiated settlement but was blocked. The regime has splits at the top. Perhaps true, perhaps not. But constantly pushing negotiations alongside sanctions puts additional pressure on internal divisions, whatever they are. Extending an open hand while brandishing a stick closes diplomatic and political room to maneuver for Iran. Its refusal to accept the open hand justifies application of the stick. Even when sanctions are enforced it always remains useful to say another way is open. The damage done to Iran is therefore the result of its own choice. This approach also aids the opposition. A purely condign sanctions strategy can contribute to the regime’s will to punish and tighten repression. Talking of regime change, of course, undermines the cause of regime change. It is a gift to the regime. The opposition is a new factor in the Iran equation that must be taken into account on the political and moral level. Pushed to the wall, the regime may feel compelled to repress, which might involve thousands or tens of thousands of politica,killings. On Saudi Arabia, Fischer points out that if Iran develops nuclear weaponry the Saudis already have their own bomb. The Saudis invested in Pakistan’s nuclear weaponry partly for this eventuality; that’s their bomb in reserve.

Fonte do e-mail acima transcrito: Wikileaks.

Para ter acesso aos arquivos de e-mails da Senhora Hillary Clinton, divulgados pelo site Wikileaks, basta clicar aqui.

Ucrânia: tudo, ou nada

Ucrânia deve partir para o tudo, ou nada no Donbass.

Por: César A. Ferreira

Certa vez um conhecido, venerador de Rock’n’Roll, detinha um passe para os camarins, bastidores, de um show da afamada banda de Hard Rock, Deep Purple. Por serem raras as tournées por estas bandas, mesmo adoentado, pois consta que estava com pneumonia, foi ao referido show… Sua situação se agravou de tal forma que a morte não o levou devido à juventude. Após o suplício, questionado por todos que o cercavam, justificou-se: “mas… Eu me sentia forte, o bastante”.

Sentir-se forte o bastante, este é o pior sentimento que pode acometer às nações. A Alemanha de Hitler sentia-se insuperável, portanto, invadir a Rússia não seria uma temeridade… Quem ousaria duvidar das capacidades da imponente Marinha Imperial do Japão? Ninguém, certamente… Não estava o Vietminh praticamente derrotado? Vamos testar, então a sua vontade e derrotá-los de vez em Dien Bien Phu… Bom, a vontade foi testada e prevaleceu, mas, não foi a dos franceses, por certo…

As lições da história costumam ser caras para aqueles que possuem atenção, não parece, entretanto, ser este o caso de Poroshenko. Não se sabe se por vaidade, arrogância ou falta de perspectiva para governar uma nação que cai aos pedaços, procura o dignitário ucraniano escalar o conflito até então congelado do leste ucraniano, na região do Donbass. Convenhamos que uma guerra sempre seja uma forma de unir um povo ao seu líder, apesar da guerra no Donbass não servir exatamente para isso, pois a população tem deste conflito a ideia que o mesmo não passa de um sorvedouro de vidas e recursos.

Mas, Poroshenko sente-se forte, agora. Esperava-se que lançasse uma ofensiva no verão passado, não o fez. No inverno subsequente, para surpreender, também não o fez. Todavia, mesmo com a economia nacional em franca decadência, vem estocando munições, deslocando formações, produzindo blindados, isto quando não os ganha de presente das nações aliadas, EUA e Alemanha (que forneceu cerca de 30 obuseiros PzH 2000). Neste momento, observadores de campo das milícias do Donbass, informam que “as formações ucranianas tomam postos para ofensiva, os seus estoques de combustível, lubrificantes e munição, faz prever o inicio de uma ofensiva para breve, assim que as condições meteorológicas melhorarem”.

Dado o fato que as armas ucranianas em conjunto com os fanáticos neonazistas abrigados na Guarda Nacional conseguiram apenas derrotas uníssonas, tal como os cercos de Illovaisk, Gorlovka e a perda do Aeroporto de Donetsk apontam, é de se espantar a vontade de Poroshenko em ir à guerra. Talvez ele não tenha outra coisa a fazer, afinal, a Ucrânia afunda economicamente, e as situações desesperadas são típicas para atos desprovidos de proporção. A Rússia, o vizinho poderoso, entende o conflito no Donbass como mais uma peça do jogo geopolítico e não deixará os milicianos ao desabrigo. Acreditar em uma Rússia, que acaba de obter uma vitória geopolítica de peso no conflito sírio, como anêmica e distante quanto ao conflito no Donbass, que se desenrola justamente na sua fronteira, é viver em um mundo de ilusão, onde o coelhinho da páscoa existe, a fada do dente também, isto sem falar no Papai Noel…

Mas… Poroshenko sente-se forte, e nada mais tem a fazer…

MiG-29 KR realizam voos

Por: César A. Ferreira

Fato observado por periodistas russos do portal informativo Eysk.Info, dão conta de voos efetuados pelos novos caças navais russos MiG-29KR, que deverão substituir a dotação atual de caças Su-33 do porta-aviões Kuznetsov, normalmente alocado junto a Frota Norte, em Murmansk.

Três aeronaves foram vistas em voo, duas delas monoplances, com indicativos “32” azul, e “34” azul, e uma terceira, biplance, com indicativo “52” azul. Tendo sido observados junto ao aeroporto de Yeisk, acredita-se que estejam estes caças operando já em função de emprego de armamentos e treinamento de combate aéreo e que estes elementos avistados façam parte do recém-criado 100º Regimento de Aviação Naval de Combate.

MiG29KR
Mig-29 KR aproximando-se para pouso. Foto: internet.

Especula-se, se estas aeronaves já deverão compor, ou não, a dotação do porta-aviões Kuznetsov em sua viagem programada para o Mediterrâneo. Isto, por se considerar a nova aeronave superior àquela que visa substituir, o Su-33. Vale lembrar, que este modelo foi adotado pela Marinha Indiana, para compor o grupo naval responsável pela dotação do Porta-aviões Vikramaditya.

O discurso de Marco Antônio no funeral de César

Autor: William Shakespeare

Adaptação: César A. Ferreira

Nota de introdução: um espaço dedicado aos assuntos de geopolítica não pode se furtar aos eventos internos, pois a prática política e suas idiossincrasias marcam a atuação externa de uma nação. Todavia, melhor cobertura existe em blogs, jornais e revistas dedicados aos assuntos políticos, por força da especialização destes, ademais, a prática opinativa, tão em voga, não satisfaz os critérios deste editor. Pois, ao visitar o perfil de um amigo numa rede social, dei-me conta deste clássico de Willian Shakespeare, parte central do drama Julio César, que para olhos atentos, afeitos à reflexão, muito explica e sugere. Daí a decisão de publicar O Discurso de Marco Antônio no Funeral de César, pois, não raro é em torno da destruição deliberada de lideranças carismáticas em função de ambições políticas pautadas pelo imediatismo e oportunismo míope, que nascem os dissensos e conflitos civis responsáveis por dilacerar nações por gerações, e gerações.

O discurso de Marco Antônio no funeral de César:

Amigos, romanos, cidadãos escutai-me!

Vim para enterrar Cesar, não para louvá-lo. O mal que os homens fazem a eles sobrevive. O bem que se faz é sepultado com ossos, que seja assim com Cesar.

O nobre Brutus lhes disse que Cesar era ambicioso. Se verdade que o era, a falta era muito grave, e Cesar pagou com a vida, aqui, pelas mãos de Brutus e dos demais. Pois Brutus é um homem honrado, e assim são todos eles; todos homens de honra.

Venho para falar no funeral de Cesar. Ele era meu amigo, fiel e justo para comigo. Mas Brutus diz que ele era ambicioso. E Brutus é um homem honrado.

Trouxe muitos prisioneiros para Urbes que, para serem libertados, encheram os cofres de Roma. Isto lhes parece uma atitude ambiciosa de Cesar? Quando os pobres sofriam Cesar pranteava. Ora, a ambição torna as pessoas duras e sem compaixão. Entretanto, Brutus diz que Cesar era ambicioso. E Brutus é um homem honrado.

Todos vocês viram que nas Lupercais, eu, por três vezes, ofereci-lhe uma coroa real, a qual ele por três vezes a recusou. Isto era ambição? Mas, Brutus lhes diz que era ambicioso, e Brutus, todos o sabemos, é um homem honrado.

Não venho aqui para discordar da retórica de Brutus. Mas, tenho de lhes falar daquilo que sei. Vocês todos já o amaram e tinham razões para amá-lo. Qual a razão que os impede, agora, de render-lhe homenagem na morte?

O julgamento! Foste para o meio dos brutos animais, tendo os humanos perdido o uso da razão. Perdoai-me; mas tenho o coração, neste momento, no ataúde de César; é preciso calar até que ele ao peito me volte.

Ontem, a palavra de Cesar seria capaz de prevalecer neste mundo, agora, jaz aqui morta. Ah! Se eu estivesse disposto a levar os seus corações e mentes para o motim e a violência, mal falaria de Brutus e de Cassius, os quais, como sabem, são homens honrados. Deles não vou falar mal.

Prefiro falar mal do morto. Prefiro falar mal de mim e de vocês do que destes homens honrados. Mas, eis aqui, um pergaminho com o selo de Cesar. Eu o achei no seu armário. É o seu testamento. Quando os pobres lerem o seu testamento, porque, perdoem-me, não pretendo o ler, se arrojarão para beijar os ferimentos de Cesar, molhar os seus lenços em seu sagrado sangue.

Tenham paciência amigos, pois não devo lê-lo. Vocês não são de madeira ou ferro, e sim humanos. E, sendo humanos, ao ouvir o testamento de Cesar vão se inflamar, ficarão furiosos. É melhor que vocês não saibam que são os herdeiros de Cesar! Pois se souberem… O que vai acontecer? Vocês vão me obrigar a ler o testamento de Cesar? Então façam um círculo em volta do corpo e deixem-me mostrar-lhes César morto, aquele que escreveu este testamento.

Cidadãos! Se vocês lágrimas possuem, preparem-se para vertê-las. Todos vocês conhecem este manto. Vejam, foi neste lugar que a faca de Cassius penetrou. Através deste outro rasgão, Brutus, tão querido de Cesar, enfiou-lhe a faca, e, quando ele arrancou a sua maldita lâmina do ferimento, vejam como jorrou o sangue de Cesar.

Brutus, como vocês sabem, era o anjo de Cesar. Oh! Deuses, como Cesar o amava! O golpe de Brutus foi, de todos, o mais brutal e perverso. Pois, quando o nobre Cesar viu que Brutus o apunhalava, a ingratidão, mais do que a força da traidora punhalada, parou o seu coração.

Oh! Que queda brutal meus concidadãos. Então, eu e vocês, todos nós também tombamos, enquanto esta sanguinária traição florescia sobre nós.

Sim, agora vocês choram. Percebo que sentem um pouco de piedade por ele. Boas almas.Choram ao ver o manto do nosso Cesar despedaçado.

Bons amigos, queridos amigos; não quero estimular a revolta de vocês. Aqueles que praticaram este ato são honrados. Quais queixas e interesses particulares os levaram a fazer o que fizeram, não sei. Mas são sábios e honrados e tenho certeza que apresentarão a vocês as suas razões.

Eu não vim para roubar seus corações. Eu não sou um bom orador como Brutus. Sou um homem simples e direto, que ama os seus amigos.

Aqui está o testamento, com o selo de Cesar! A cada cidadão ele deixou 75 dracmas. Mais, para vocês lhes deixou os seus bens. Seus sítios deste lado do Tibre, com suas árvores, seu pomar, para vocês e para os herdeiros de vocês,  para todo o sempre.

Este era Cesar. Quando aparecerá outro como ele?

 

Ucrânia depois da Euromaidan

Por: César A. Ferreira

Não é uma opinião, tampouco uma perspectiva marcada por posição ideológica que seja, mas uma mera constatação: todas as nações detentoras de grandes reservas energéticas e de minerais estratégicos, ou que exibam posição geográfica essencial para o tráfego destas riquezas extraídas, sofreram em graus variados intervenções estrangeiras, que foram da desestabilização política à guerra civil, isto quando os eventos não envolveram pura e simplesmente a invasão direta por forças armadas das potências agressoras, estas, invariavelmente, oriundas da Organização do Tratado do Atlântico Norte – OTAN.

Em 21 de novembro de 2013, embalados pela sensação sufocante de que todos os problemas existentes na Ucrânia proviam da corrupção que grassava no país, iniciou-se o processo que se conhece como revolução da Praça Maidan, ou Euromaidan. O estopim fora a recusa do então presidente, Yanukovich, de pactuar com a União Europeia, preferindo a oferta superior, muito mais substancial, de realizar uma união aduaneira com a Rússia, cuja proposta, além das vantagens de aduana, perfazia a compra de títulos da dívida ucraniana no valor de quinze bilhões de dólares americanos, além do fornecimento em taxas preferências de gás russo ao mercado ucraniano. Dado o fato de que a proposta da União Europeia era muito mais tímida, pois se tratava de um empréstimo de apenas setecentos milhões de euros, aliado a um status de parceiro comercial preferencial, mas sem adesão formal à união aduaneira, é de se espantar a existência da rejeição popular à proposta russa, absurdamente superior a sua contraparte europeia, venha a ser apontada como o estopim para a revolta generalizada.

Fato é que a Ucrânia exibia uma posição geoestratégica clara, pois é através do seu território que se encontram a maioria absoluta dos gasodutos, pelos quais trafega o gás provindo da Rússia destinado à Europa. Ademais a Crimeia, então parte integrante da república ucraniana era o território sede da importantíssima base naval de Sebastopol, sede da Frota do Mar Negro da Federação Russa. Não surpreende, portanto, a descoberta do financiamento clandestino efetuado pela legação diplomática dos Estados Unidos da América aos grupos opositores que cavalgaram politicamente a insatisfação pública dos manifestantes ucranianos, caso dos partidos de extrema direita e neonazistas, ambos desprovidos de densidade política, visto que invariavelmente permaneciam no patamar de 6% do eleitorado, inferiores ao Partido Comunista, que alcançava o dobro, cerca de 12%…

Todavia a mídia ucraniana, toda ela em posse de oligarcas locais, postou-se como crítica, uníssona, ao governo, favorável a pantomima dos estudantes, estes inflados pela ONG Students Of Liberty –  ONG cuja ligação com a CIA é para lá de notória, aponto de ser, antes, folclórica. De fato, no campo ucraniano ver-se-ia o aporte por parte dos EUA, por meio da CIA e do Departamento de Estado, do valor reportado de cinco bilhões de dólares para os eventos que culminaram com a Euromaidan.

O resultado é bem conhecido, após a ocorrência de disparos feitos por atiradores escalados pelas agências de inteligência do ocidente, que vitimaram tanto os policiais da Força Berkut (baixas encobertas pela mídia, não noticiadas), como os manifestantes (mortos e feridos amplamente cobertos pela mídia), mas cuja autoria de chofre foi jogada às costas do governo ucraniano; Yanukovich empreendeu uma fuga quixotesca em direção à Federação Russa objetivando a busca de refúgio, sendo sucedido por uma junta, cuja legalidade sempre foi questionada, até mesmo quando da eleição do atual dignitário, Poroshenko. A Ucrânia perdeu a rica península da Criméia, que optou por se juntar à Federação Russa e viu-se enredada em um conflito custoso no Donbass, que lhe impôs reveses militares múltiplos, de caráter verdadeiramente desmoralizante, caso dos cercos de Illovaysk e Gorlovka, ou da batalha pela posse do aeroporto de Donetsk. Mas, isto não representa tudo, ou todos os males.

Homens de verde
A Federação Russa agiu rápido e impôs a ordem na estratégica e rica península da Crimeia, com o uso do efetivo militar da Base de Sebastopol. Imagem: internet.

A Ucrânia, ao empreender o afastamento da Rússia, com a qual mantinha laços de cunho acadêmico, industrial e comercial de monta, em virtude de uma retórica vitimizante, de cunho nacionalista e hostil ao vizinho, de evidente carga ideológica, acabou por colher perdas econômicas desastrosas, como o encolhimento de 80% da produção da sua base industrial de Defesa, cujo símbolo é a empresa aeronáutica Antonov, imersa em dificuldades, incapaz de encontrar clientes para o belo mais dispendioso projeto An-70, cujo cliente de lançamento seria justamente a Força Aeroespacial da Federação Russa. A área de Petróleo e Gás também apresentou retração, agravado pelo aumento do dispêndio relacionado à compra desta commodity energética, agora adquirida da EU com preços majorados em 30%, quando comparados àqueles praticados pela Federação Russa, estes custos, por sua vez se agravam quando se percebe que a moeda ucraniana desvalorizou-se demasiado, cerca de 350% em comparação ao dólar norte-americano. Ademais, o rompimento com os laços financeiros havidos com a Federação Russa privou a Ucrânia de recursos da ordem de nove bilhões de dólares, anuais, na forma de remessas dos ucranianos viventes na Rússia, então o maior investimento direto obtido pela república.

A ladeira abaixo experimentada pela Ucrânia não se restringe ao setor industrial, afeta de maneira equivalente o setor agropastoril, cuja atividade também sofreu retração. Das empresas deste setor, acredita-se que quatro a cada cinco estejam falidas, ou em estágio falimentar. Apenas 72 empresas agropastoris estão credenciadas a exportar para a Europa Unida, sendo que destas 36 já excederam a sua cota anual. O FMI estima que o país, para honrar os termos acertados com o Fundo, ver-se-á obrigado a comprometer 50% da sua arrecadação até o longínquo ano de 2041, contanto que consiga exibir uma taxa de crescimento anual de… 4% ao ano!  Mágica, diga-se, um tanto inacreditável, principalmente quando se considera o fato de que a população ucraniana sofreu um rebaixamento, nesta aventura de orgia ideológica, de 50% no seu padrão de vida, queda imposta pela retração do produto interno bruto, que caiu 6,8% em 2014 e 7,5% em 2015.

Entende-se o motivo de Poroshenko ter hoje uma popularidade muito abaixo daquela que Yanukovich detinha, exibindo notáveis 77 % de rejeição, todavia, observa-se, não há contra Poroshenko nenhuma Maidan… “Revolução” que quando estava no seu auge, exibiu o apoio declarado de apenas 45% da população, notadamente daqueles do oeste, enquanto o Donbass, Criméia e a região de Odessa, opunham-se ao movimento desestabilizador.

Portanto, que se tenha em mente: qualquer semelhança, com eventos análogos que estejam a ocorrer, ou que venham a ocorrer, em qualquer parte do mundo onde hajam reservas a serem exploradas de Petróleo e Gás, não será, jamais, uma mera coincidência…

Notícias da guerra síria

Por: César A. Ferreira

De acordo com o divulgado por vários correspondentes que se dedicam à cobrir a guerra síria, podemos nesta data, 15.03.2016, traçar o seguinte panorama:

Contra ataque da Jabah al-Nusra contido em Hama.

O Exército Árabe da Síria conquistou uma vitória retumbante ao deter em campo um ataque do grupo filiado a Al-Qaeda, Jabah Al-Nusra, que tinha como eixo de progressão as aldeias libertadas de Al – Rumliyah e Al – Madajin. O grupo extremista realizou várias ondas de ataque, que foram detidas a toda volta. As forças responsáveis por mais este revés imposto aos extremistas foram a 47º Brigada Mecanizada, parte da 11ª Divisão Blindada (Carros de Combate), do Exército Árabe da Síria, em conjunto com elementos da Força de Defesa Nacional. Informações provindas do setor de comunicação das Forças Armadas Sírias não informam com precisão a contagem de corpos, mas se sabe que os números de extremistas mortos sobem às dezenas. O apoio aéreo fornecido, que foi vital para vitória, esteve a cargo da Força Aérea Árabe da Síria.

Combates intensos no caminho para Palmyra.

As forças governamentais sírias avançam céleres em direção à Palmyra, cidade de inegável importância estratégica nesta guerra. O avanço configura-se como uma pinça, com dois braços, estando o braço norte sob-responsabilidade da 67ª Brigada Mecanizada, componente da 18ª Divisão blindada do Exército Árabe da Síria. Esta força avança em direção da 550ª Brigada de infantaria, enfrentando diuturnamente encarniçados combates contra os extremistas do Estado Islâmico, o que impôs diversas baixas entre o pessoal combatente.

Na vertente sudoeste, a afamada Força Tigre, coadjuvada por elementos da Força de Defesa Nacional, unidade Falcões do Deserto e pela unidade para-militar iraquiana Brigada Iman Al-Ali, irrompem em direção à cidade em combates contínuos contra as forças do Estado Islãmico, impondo a estes a necessidade de retroagirem. Os elementos combativos do EI recuaram em direção à localidade de Al-Dawah, todavia, neste vilarejo os extremistas lograram obter uma posição defensiva com grande sucesso, frustrando os ataques das forças sírias combinadas. Todavia este insucesso não foi suficiente para abater as forças atacantes, que assumiram a colina 853, na área de Jabal Hayyal, cujo controle se encontra quase todo em poder das forças governamentais, estas, por sinal, aproximam-se da Villa Real, onde se encontra um amplo campo de treinamento do EI, distando desta localidade, no momento, três quilômetros.

Zahreddine-2
General Sírio MajorIssam Zahreddine, herói da resistência em Deir Ez Zoir. Imagem: internet.

Avanço no eixo Deir Ezzor

O front de Deir Ezzor exibiu movimentações intensas, confrontos continuados e selvagens. As forças sírias que combatem neste front são: 104ª Brigada Aerotransportada, 137ª Brigada de Infantaria, parte integrante da 17ª Divisão de Reserva da Força de Defesa Nacional, além de combatentes da tribo Shaytat (confissão sunita).

Violentos combates resultaram na captura das elevações de Thardeh, que se situa a meio caminho entre a localidade de Mayadin e Deir Ezzor, ademais, a elevação domina o trajeto logístico em direção à Deir Ezzor, via arterial necessária ao Estado Islâmico para o abastecimento de munição, armas e víveres. O eixo de ataque das forças sírias, agora, visa o campo petrolífero de Thayyem, cuja perda imporá uma queda drástica de receita ao EI.

Os avanços relatados, principalmente a captura das elevações de Thardeh, cuja posição inviabiliza o corredor logístico do Estado Islâmico, deverão reduzir a pressão sobre os resistentes na Base Aérea de Deir Ezzor, onde forças sírias cercadas na referida base aérea e bairros adjacentes da cidade, resistem a anos ao assédio do Estado Islâmico. A base é essencial, visto que por ela chegam víveres e munições lançados de paraquedas. Esta resistência, heroica, diga-se, em muito se deve a liderança do General Sírio MajorIssam Zahreddine, que manteve o moral de civis e combatentes em um padrão absurdamente elevado nestes longo tempo de cerco (dois anos).

Estado Islâmico ameaçado: tropas governamentais se acercam de Palmyra

Por: Renato Velez

Fonte: Al Masdar News

Adaptação: César A. Ferreira

Há pouco o Exército Árabe da Síria (EAS) capturou três pontos chaves, a colina 800, a colina al – Amdan e a colina al – Thar na antiga pedreira , periferia ocidental de Palmira. Desde a semana passada, as tropas do governo moveram-se centenas de metros por dia para a antiga cidade de Palmyra, que está ainda sob a ocupação do Estado Islâmico. Agora, menos de uma milha separa os soldados sírios dos primeiros blocos de edifícios dos distritos a oeste da cidade. No entanto, o Estado Islâmico está disposto a tudo, menos a ceder Palmyra, uma vez que a cidade está situada no coração da Síria. Enquanto alguns consideram que a cidade de Palmira, como um simples troféu, você pode dizer que representa a ligação mais importante entre ricos poços de petróleo do leste e a densamente povoada Costa oeste da Síria.

É por isso que continua a ser vital para o Estado Islâmico manter o controle desta cidade. Em caso de perda, poderia causar um efeito dominó e a eventual derrota do califado em si. Todavia, o governo sírio está mais determinado do que nunca para capturar Palmyra. Como resultado, Damasco mobilizou as Forças Tigre, a 18ª Divisão Blindada, a Brigada “Falcões do Deserto”, juntamente com a milícia iraquiano EDI Imam Al – Ali. Por outro lado, combatentes do Hezzbollah estão em processo de implantação em toda a área adjacente a Palmyra, enquanto a Força Aérea da Rússia realiza dezenas de ataques aéreos contra a cidade todos os dias. Hoje, as forças do governo também capturaram vários pontos estratégicos ao redor da cidade, aproximando-se da área arqueológica ao oeste de Palmyra.

Neste momento, uma grande batalha acontece no “Castelo de Palmyra”, que está localizado sobre a montanha de Jabal Qassoun que domina a cidade do oeste. A histórica cidade de Palmyra, que foi capturada pelo EI em maio de 2015, durante uma ofensiva relâmpago, tem testemunhado a 4000 anos de civilização e sobreviveu a inúmeras batalhas ao longo dos séculos. Mas, infelizmente, o Estado Islâmico demoliu vários dos importantes sítios do Patrimônio Mundial da UNESCO dentro da cidade.

Ao longo prazo, captura de Palmira permitirá o empurrão do Exército Árabe da Síria para Deir Ezzor e romper o cerco imposto pelo Estado Islâmico nos distritos restantes detidos pelo governo dentro da cidade. No entanto, há muitos quilômetros do território ainda por ser arrebatando aos  combatentes do EI para que se possa atingir este objetivo.

Sobrinho de JFK sobre a Síria: O ISIS é um produto da intervenção dos EUA por petróleo

Por: Claire Bernish

Fonte: The Free Thought Project

Tradução: J. Junker

Robert F. Kennedy Jr. escreveu um astuto artigo a respeito da verdade por trás da presença dos EUA no Oriente Médio – a sua subserviência ao bem mais precioso da indústria de combustíveis fósseis: o petróleo.

“À medida que nos concentramos no crescimento do ISIS e da busca pela origem da selvageria que levou tantas vidas em Paris e San Bernardino, podemos querer olhar para além das explicações convenientes de religião e ideologia e focar nas lógicas mais complexas da história e petróleo, que em sua maioria apontam o dedo da culpa do terrorismo de volta para os campeões do militarismo, o imperialismo e o petróleo aqui em nossas próprias costas”, Kennedy escreveu em um editorial para o EcoWatch.

O olhar crítico de Kennedy sobre a história dos Estados Unidos de intromissão, intervencionismo, e da hegemonia – quase exclusivamente para manter o fluxo de petróleo – torna evidente o seu papel na desestabilização de todo o Oriente Médio, especialmente na Síria. Na verdade, mais de cinquenta anos de intercessão violenta – em última análise, no interesse da indústria de combustíveis fósseis – tem alimentado enormes ressentimentos. Essencialmente, o corporativismo geoestratégico americano – sob o disfarce da manutenção da paz armada – criou o violento jihadismo islâmico contra quem os EUA agora lutam suas batalhas.

A partir da administração Eisenhower, a soberania árabe e a neutralidade das nações do Oriente Médio na Guerra Fria foram percebidas como ameaças para o acesso americano ao petróleo.

Em primeiro lugar na ordem do dia para a Presidência de Eisenhower estava o primeiro líder eleito do Irã em 4000 anos de história, o presidente Mohammed Mosaddegh. O desejo de Mosaddegh de renegociar contratos de petróleo desfavoráveis ​​ao Irã com a British Petroleum levou a um golpe fracassado da inteligência britânica – a quem ele prontamente expulsou do país. Apesar de parecer favorável aos EUA, a quem Mosaddegh via como um modelo de democracia que ele procurou empregar no Irã – Eisenhower, com a ajuda do notório diretor de inteligência Allan Dulles, derrubou o líder. A “Operação Ajax” depôs Mosaddegh e o substituiu pelo Shah Reza Pahlavi – um líder cujo reinado sangrento culminou na revolução islâmica de 1979, “que tem atormentado a nossa política externa por 35 anos”, escreveu Kennedy.

Talvez uma das maiores ameaças maiores sobre a Síria fosse a relutância dela para aprovar a Trans Arabian Pipeline – destinada a atravessar a Síria a fim de conectar o petróleo saudita com os portos do Líbano. Quando o democraticamente eleito e secular presidente sírio negou o plano, a CIA armou um golpe em uma tentativa de substituí-lo.

“O plano da CIA foi de desestabilizar o governo sírio, e criar um pretexto para uma invasão pelo Iraque e pela Jordânia, cujos governos já estavam sob controle da CIA”, explicou Kennedy. Não funcionou. Uma falha surpreendente, motins e violência anti-americana irromperam por toda a região. A Síria barrou vários adidos americanos, e, em seguida, expôs e executou todos os funcionários que abrigavam algum sentimento pró-americano. Na verdade, os EUA quase provocaram uma guerra com a Síria pelo incidente.

As repercussões da tentativa de golpe – bem como parcelas de maior êxito dos regimes fantoches em outros lugares – continuam a desempenhar um papel na política externa e relações geopolíticas no presente. A mais “bem sucedida” remoção de um líder e sua subsequente substituição envolveu um nome que todos nos EUA estão familiarizados: Saddam Hussein.

Depois de várias tentativas para depor o líder do Iraque falharam, a CIA, em última instância instalou Hussein e o Partido Baath no poder. Como Kennedy observou, o ministro do Interior Said Aburish disse sobre a trama: “Nós chegamos ao poder em um trem chamado CIA”. James Critchfield, o chefe do posto da CIA responsável tanto pelo golpe bem sucedido quanto pelo fracassado, mais tarde disse que a CIA tinha “essencialmente criado Saddam Hussein” – também lhe fornecendo armas, inteligência, além de armas químicas e biológicas.

“Ao mesmo tempo, a CIA estava a fornecer ilegalmente ao inimigo de Saddam – o Irã – milhares de mísseis anti-tanque e anti-aéreos para combater o Iraque, um crime que ficou famoso durante o escândalo Irã-Contras … A maioria dos americanos não estão cientes das muitas maneiras que essa reação de erros anteriores da CIA ajudou a criar a crise atual”.

Enquanto os americanos amplamente acreditam na grande imprensa e na narrativa governamental que o papel atual dos EUA na Síria eleva-se a objetivos humanitários, começando com a Primavera Árabe em 2011, “Em vez disso, começou em 2000, quando o Qatar propôs construir um gasoduto de 1,5 mil quilômetros e US$10bi através de Arábia Saudita, Jordânia, Síria e Turquia”, Kennedy explicou.

“O gasoduto proposto teria ligado o Qatar diretamente para mercados europeus de energia através de terminais de distribuição na Turquia que embolsariam grandes taxas de trânsito. O gasoduto Qatar-Turquia teria dado os reinos sunitas uma dominação decisiva do Golfo Pérsico em mercados de gás natural pelo mundo e fortalecido o Qatar, aliado mais próximo dos Estados Unidos no mundo árabe”.

A UE recebe atualmente 30 por cento de seu gás da Rússia, Kennedy observou, e “A Turquia, segundo maior cliente de gás da Rússia, estava particularmente ansiosa para acabar com sua dependência de sua antiga rival, além de posicionarem-se como um centro de transporte lucrativo dos combustíveis asiáticos para os mercados da UE. O gasoduto do Qatar teria beneficiado a monarquia conservadora sunita da Arábia Saudita, dando-lhes uma posição de dominação sobre os xiitas”.

Os cabos diplomáticos revelados pelo Wikileaks mostram que desde 2006 o Departamento de Estado dos EUA, a pedido do governo israelense, vinha propondo uma parceria entre Turquia, Qatar e Egito para fomentar uma guerra civil sunita na Síria, para enfraquecer o Irã. O propósito declarado, de acordo com o telegrama secreto, foi para incitar (o presidente sírio, Bashar al- Assad) uma brutal repressão da população sunita da Síria.

“Como previsto, a reação exagerada de Assad à crise fabricada no estrangeiro – lançando bombas de barril em redutos sunitas e matando civis – polarizou uma divisão xiita-sunita da Síria e permitiu aos responsáveis ​​políticos vender aos americanos a ideia de que  a luta pelo gasoduto era uma guerra humanitária”.

O contexto histórico e longo de Kennedy para o imbróglio atual merece uma leitura minuciosa. Sua mensagem inequívoca deve servir como um lembrete importante que o governo dos Estados Unidos e seu porta-voz da grande imprensa  –  tão convincente quanto eles podem parecer  –  nunca estão contando toda a história.

Barack Obama diz que David Cameron permitiu que a Líbia se tornasse um “show de merda”

Em ataque sem precedentes, Presidente dos EUA afirma que Reino Unido foi “distraído”.

Por: Tim Walker, Nigel Morris.

Fonte: The Independent

Tradução: J.Junker

Barack Obama criticou duramente David Cameron e o papel do Reino Unido fazendo com que a Líbia se tornasse um “show de merda”, após a queda do ditador Muammar Gaddafi, em um ataque sem precedentes a um líder britânico por um presidente em exercício dos Estados Unidos.

Obama disse que, após uma intervenção militar bem sucedida para ajudar os rebeldes durante a revolta da Primavera Árabe de 2011, a Líbia foi deixada em uma espiral fora de controle – em grande parte devido à falta de ação dos aliados europeus da América.

Em uma franca entrevista à uma revista dos EUA, Obama disse: “Quando eu penso lá atrás, eu me pergunto o que deu errado… Há espaço para crítica, porque eu tinha mais fé nos europeus, dada a proximidade da Líbia, que estariam envolvidos na sequência”.

Recordando o primeiro-ministro britânico, ele sugeriu que Mr. Cameron tinha deixado de se preocupar com a Líbia depois de ter-se “distraído por uma série de outras coisas”.

Cameron e Nicolas Sarkozy,  presidente francês, fizeram força pelos bombardeios contra as forças do coronel Gaddafi, que levaram à sua queda, mas desde 2011 a Líbia afundou ainda mais na violência e na guerra civil, e posteriormente tornou-se um ponto base do ISIS no Norte da África.

Obama continuou: “Nós realmente executamos este plano melhor do que eu poderia ter esperado: Nós tínhamos um mandato da ONU, nós construímos uma coligação, custou US$1 bilhão – que, quando se trata de operações militares, é muito barato. Nós evitamos mortes de civis em larga escala, o que impediu que quase certamente virasse um prolongado e sangrento conflito civil. E apesar de tudo isso, a Líbia está uma bagunça”.

Referindo-se a essa confusão em privado, Obama supostamente usou um termo mais colorido, “shit show”.

000libya-fire22
Bombeiro líbio defronte à tancagem de uma planta de refino líbia em Ras Lanouf, norte da Líbia, fevereiro, após incêndios ocasionados por ataques lançados por extremistas do Estado Islâmico. Imagem: AP.

Um bombeiro da Líbia está na frente de um tanque de armazenamento de petróleo em uma instalação de petróleo na região Ras Lanouf norte da Líbia, em fevereiro, depois que foi incendiado seguindo ataques lançados por jihadistas do ISIS (AP)

Os comentários são um grave constrangimento ao Mr. Cameron, que tem sido muitas vezes forçado a defender o envolvimento britânico na Líbia com o fundamento de que a intervenção ocidental ajudou a evitar um banho de sangue. Eles também colocam pressão sobre a aliança transatlântica como as posições das forças de coalizão em alvos do ISIS na Síria e no Iraque.

A porta-voz de Cameron disse que frequentemente deixou claro que ele ainda acreditava que a ação militar na Líbia era “absolutamente a coisa certa a fazer” e sublinhou que o Governo tinha posto o suporte ao país na ordem do dia quando o Reino Unido organizou uma reunião de líderes do G8 em 2013.

Ela disse: “Eu acho que compartilhamos a avaliação do Presidente dos Estados Unidos de que existem desafios reais na Líbia, e é por isso que nós estamos continuando a trabalhar forte com nossos parceiros internacionais para apoiar um processo na Líbia que coloque no lugar um governo que possa trazer estabilidade a esse país e porque estamos a falar de como podemos apoiar tal governo no futuro”.

Falando amplamente para a The Atlantic, Obama revelou que o primeiro-ministro arriscava danificar a “relação especial” dos países, atrasando um aumento nos gastos de defesa para atender o alvo da OTAN de dois por cento do PIB. Aludindo à lentidão do Mr. Cameron, Obama disse: “aproveitadores me enfurecem” (“Free riders aggravate me”).

Quando os dois ficaram cara a cara na cimeira do G7 em Junho de 2015, Obama disse a Cameron: “Você tem que pagar o a sua parte”. No mês seguinte, o chanceler George Osborne incluiu no Orçamento um aumento de gastos com defesa.

Obama também disse que as falhas do Mr. Cameron tinham afetado sua decisão de não impor uma “linha vermelha” sobre o uso de armas químicas do presidente Bashar al-Assad, durante a guerra civil síria. O Presidente tinha planejado um ataque contra as forças de Assad em agosto de 2013, na sequência de um ataque com gás sarin pelo regime contra civis em um subúrbio de Damasco. O ataque foi cancelado no último instante. Um “fator importante” na decisão, o presidente disse, “foi o fracasso de Cameron em obter o consentimento de seu Parlamento” para a ação militar.

Durante seu mandato na Casa Branca, Obama explicou, ele tentou encorajar outras nações a agir em questões internacionais sem esperar que os EUA para assumissem sempre a liderança.

“Foi precisamente para evitar que os europeus e os Estados árabes ‘segurem em nossos casacos’ enquanto nós lutamos por eles, que por princípio, insistimos” que liderar a intervenção na Líbia, disse ele, descrevendo a estratégia como “parte da campanha anti-aproveitadores”.

Obama também disse Sarkozy, que deixou o cargo no ano seguinte à intervenção na Líbia, tinha se esforçado para “fazer alarde” do envolvimento da França. A Casa Branca permitiu-lhe levar crédito desproporcional nos ataques aéreos, assim, “[comprando o] envolvimento da França de uma forma que tornasse menos caro e menos arriscado para nós”, disse Obama.

O “Quarto Poder” e o controle da opinião pública (2° Parte)

Desde que pensadores como John Locke apontaram para a importância dos jornais na educação da população, muitos intelectuais e cientistas se dedicaram à compreensão do funcionamento da mídia de massa para estabelecer técnicas precisas de controle por meio de uma elite. O “Quarto Poder” é uma expressão utilizada com conotação positiva de que a Mídia (meios de comunicação de massa) exerce tanto poder e influência em relação à sociedade quanto os Três Poderes nomeados em nosso Estado Democrático (Legislativo, Executivo e Judiciário).

Por: Cristian Derosa
Fonte: Mídia Sem Máscara

Engenharia do consentimento

Edward Bernays trabalhou para o presidente norte-americano Woodrow Wilson e foi o responsável pela legitimação pública que o governo teve para entrar na guerra contra a Áustria, em 1917.

Então com apenas 27 anos, o exitoso assessor ficou a imaginar que resultados teriam estas técnicas de controle da opinião pública se aplicados em tempos de paz. Foi então que Bernays, retornando aos EUA, passou a trabalhar para grandes empresas na profissão que ele mesmo inventara. Assim, o jovem assessor criou grande parte da cultura que conhecemos, ao desvincular o consumo da necessidade, ligando-o aos desejos humanos expressados na esfera simbólica, a partir da aplicação massiva das teorias do seu tio Freud. Um ano após o lançamento do livro de Lippmann, coube a Bernays a tarefa de criar a profissão de relações públicas, o profissional encarregado de fomentar agendas públicas consonantes com objetivos políticos de seus assessorados. A profissão surgiu a partir do livro “Cristallizing Public Opinion”, de 1923, a partir das técnicas já utilizadas por Bernays.

A liberdade de expressão, dizia Bernays em seu artigo célebre “A engenharia do consentimento”, “expandiu a carta de direitos americanos para incluir o direito à persuasão”. Este foi o resultado da inevitável expansão da mídia e da livre expressão, como ele afirmou. “Qualquer um de nós pode, por meio dessas mídias, influenciar as atitudes e ações de nossos companheiros cidadãos”, diz Bernays. E recomenda: “o conhecimento de como usar esse enorme sistema de amplificação torna-se uma preocupação primária para aqueles interessados em uma ação socialmente construtiva”.

Baseado então nos pressupostos de Lippmann, Bernays pensa ser possível desenvolver técnicas de persuasão apoiadas no conhecimento da psicologia humana. Embora os resultados dos estudos de Bernays tivessem sido usados por Joseph Goebbels, o famoso publicitário do nazismo, segundo ele próprio admitira, os objetivos de Bernays estavam em consonância com os princípios democráticos, como se vê:

“A engenharia do consentimento é justamente a essência do processo democrático, a liberdade de persuadir e sugestionar. As liberdades de expressão, imprensa, petição e reunião, as liberdades que fazem a engenharia do consentimento possível, estão entre as mais celebradas garantias da Constituição dos Estados Unidos”.

Através do processo educacional, assegura Bernays, os governos devem conceder ao seu público um entendimento sobre os problemas para tomarem suas decisões. Mas a engenharia do consentimento, alerta ele, não deve confundir-se com o sistema educacional, pois deve completá-lo e ir além dele, já que se direciona à ação e não simplesmente à compreensão de determinadas situações. A engenharia do consentimento deve, portanto, suprir as lacunas do sistema educacional na determinação de ações.

Bernays alerta para os perigos de que suas técnicas sejam subvertidas e usadas para fins antidemocráticos. Por isso, “o líder responsável, de modo a realizar objetivos sociais, deve estar constantemente alerta às possibilidades de subversão”. Ironicamente, um exemplar bastante conhecido deste “líder responsável”, assessorado por um de seus discípulos involuntários, levou o povo alemão a bater continência para as atrocidades de Hitler.

Apesar do relativo sucesso da campanha nazista nos meios de comunicação da época (campanha até hoje considerada erroneamente pioneira na propaganda), Bernays salienta que a persuasão encontra o seu terreno fértil nas democracias liberais, “onde a livre comunicação e a competição de ideias no mercado são permitidas”. As democracias, portanto, funcionam bem à persuasão já que são as suas garantidoras por natureza. Estes sistemas, portanto, que constituem a base da política ocidental, se tomados como valores em si, servem a uma variada gama de objetivos, incluindo aqueles contra os quais o sistema mesmo busca ser uma defesa. Basta que a palavra democracia seja esvaziada do seu significado, que é substituído por outro, tática bastante simples e usual, para que mudem os propósitos a que essas técnicas servirão.

Seguindo o próprio curso liberal capitalista, se as ideias socialistas estão vencendo a concorrência das ideias, é para lá que se dirige o fluxo de dinheiro e esforços para campanhas políticas e publicitárias, o que explica a hegemonia de discursos ecológicos e socialistas na totalidade dos partidos e de campanhas publicitárias de empresas capitalistas ocidentais.

As teorias da comunicação, especificamente as ligadas ao jornalismo, têm estudado exaustivamente o comportamento da imprensa e dos jornalistas, em busca de uma lógica na circulação de notícias, como mostram os estudos de agendamento da mídia. Mas são insuficientes se não levarem em conta a evolução dos estudos no campo da publicidade e das técnicas de consentimento e controle da opinião pública usada há mais de um século por agências de inteligência, órgãos governamentais e institutos de pesquisas como o Instituto Tavistock, mantido por fundações internacionais. Hoje o consentimento político de caráter nacional ou empresarial deu lugar ao global e a criação de um discurso único que, por trás de todas as causas, trabalha para a acumulação de poder dos grupos ligados às Nações Unidas e sua agenda. Não deixa de ser estranho afirmar que aqueles estudos financiados por instituições como Rockefeller, Ford, entre outras, tinham somente uma curiosidade científica e nenhum interesse em descobrir técnicas de controle. Ainda mais ingênua nos parece essa afirmação se constatarmos que estas instituições hoje comandam os altos executivos das maiores empresas de mídia do mundo.

Os intelectuais globalistas, que como dissemos no início, são herdeiros daquela pequena burguesia revolucionária, órfã e saudosa do poder estatal, hoje controlam a opinião pública conduzindo-a como bem entendem e para os fins que deseja, sem que ninguém se oponha de forma eficiente nos mesmos termos, isto é, por influência simétrica na opinião pública. Neste sentido, a compreensão das suas técnicas e o seu reconhecimento na realidade deveria ser a primeira etapa para qualquer reação às campanhas de consentimento, já que elas atuam muitas vezes em terrenos simbólicos e até subliminares de significação.

Afinal, como afirmou Bernays, “a manipulação consciente e inteligente dos hábitos organizados e opiniões das massas é um elemento importante na sociedade democrática. Aqueles que manipulam este mecanismo oculto da sociedade constituem um governo invisível que é o verdadeiro poder do nosso país”.

Cristian Derosa é jornalista.

Quarto Poder, 1ª Parte.

Ninguém quer fazer parte do “establishment” norte-americano

O maior dos argumentos usados nas primárias dos EUA é o ataque a uma coligação de poderosos da qual ninguém sente dela fazer parte.

Por: Marc Bassets
Fonte: El Pais

Todos atacam o establishment dos Estados Unidos na campanha para as eleições de novembro nos EUA. Poucos sabem exatamente o que ele é e quais são os seus membros.

O pré-candidato republicano Ted Cruz fala do cartel de Washington, uma espécie de organização quase criminosa que se dedica a tornar a vida dos cidadãos impossível e acabar com as suas liberdades. Outros, como o postulante democrata Bernie Sanders, apontam Wall Street, o conglomerado financeiro que, com sua influência ilimitada na política e na economia, coloca em risco a coesão social. O maior detrator do establishment é o favorito do Partido Republicano, o magnata do setor imobiliário Donald Trump, filho de um milionário, nova-iorquino, membro ilustre da elite da Costa Leste dos Estados Unidos que, historicamente, sempre esteve associado ao establishment.

Desde que o termo se popularizou, nos anos sessenta, o establishment (literalmente, o estabelecimento), é sempre o outro. “Uma característica da maioria dos pensadores e escritores que estudaram esse tema é que eles o definem de uma forma que os deixa de fora dele e inclusive os faz vítimas dele”, escreveu o jornalista Richard Rovere em The American Establishment, um ensaio publicado em 1961. Rovere tripudiava sobre as teorias da conspiração segundo as quais uma elite constituída por financistas, empresários, políticos e professores do Leste dos EUA manipulava à sombra os fios do poder. Ele o comparava com a hierarquia soviética. O The New York Times era o seu principal veículo de comunicação e a revista Foreign Affairs “desfrutava, no seu setor, da mesma autoridade que o Pravda ou o Izvestia”. 

 A invenção do termo é atribuída a outro jornalista, Henry Fairlie, que o utilizou pela primeira vez em 1955, referindo-se à política britânica. “Ao falar em establishment, não me refiro apenas aos centros do poder oficial — embora estes, sem dúvida, façam parte dele —, mas a todos o emaranhado de relações oficiais e sociais em que este poder é exercido”. Dez anos depois, Fairlie admitiu que, devido à sua “imprecisão e caráter disforme”, a palavra pode ser usada “em quase todos os países e ser aplicada a quase todas as coisas”. Outros preferem usar o termo “casta”.

Dias atrás, quando lhe perguntamos, em Washington, o que é o establishment, um veterano da Casa Branca da época de George W. Bush disse: “As pessoas usam esse termo, mas ele não significa nada. Dizem que são os lobistas, mas eles não têm poder, são empregados. Mais atrapalham do que ajudam”.

O repúdio ao establishment está inscrito no DNA dos EUA, um país surgido de uma revolução contra o establishment por excelência da época: a monarquia britânica. Hoje, ele poderia ser K Street, a rua dos lobbies de Washington. Ou do Congresso. Mas também da Casa Branca e dos aparelhos dos partidos republicano e democrata. A lista é longa: Wall Street; as universidades da Ivy League, a fechadíssima liga da hera; os governadores dos 50 estados; os meios de comunicação liberais (progressistas, nos EUA), como dizem os conservadores referindo-se aos jornais e às redes de TV generalistas; dinastias como os Bush ou os Clinton.

A derrota de Jeb Bush, filho e irmão de ex-presidentes, e a ascensão de Trump na corrida pela indicação republicana constituem uma derrota do establishment republicano: se alguém manipula os fios, está manipulando mal. Mas, de acordo com essa teoria, o establishment não está morto: a favorita no campo dos democratas é Hillary Clinton, membro inconteste do clube.O problema é que se trata de um clube “impreciso e disforme”, para citar Fairlie. Quem até ontem era antiestablishment hoje o representa (os próprios Pais da Pátria, que se rebelaram contra a monarquia britânica, eram o establishment local).

Em 1993, o Times de Londres escrevia que “o establishment está assustado com a demonstração aberta de poder político” da então primeira-dama, Hillary Clinton. O senador Marco Rubio, postulante à indicação republicana, foi eleito em 2010 como candidato de oposição ao establishment, e, agora, é a última esperança do establishment para conter Trump. E Trump, que provem do establishment nova-iorquino e é hoje o terror do establishment, acabará por se tornar o seu líder máximo se ganhar a eleição presidencial em novembro. Nenhum candidato quer ser o representante do establishment, mas todos eles estão destinados a liderá-lo caso alcancem o seu objetivo: a presidência.

 

O retorno do Exército Árabe Síria

Por: Valentin Vasilescu

Tradução e adaptação: César A. Ferreira

Rede Voltaire | Bucareste (Roménia) | 05 de março de 2016

Tendo que enfrentar durante os primeiros quatro anos da guerra, mal treinados, mas muito bem armados mercenários estrangeiros, em um fluxo substancial, o Exército Árabe Sírio, que desde 2005 não conseguia manter o estado técnico das suas armas, se faz retornar. Graças à formação por parte do Irã, da presença de membros da milícia popular e depois de receber material bélico moderno da Rússia, o Exército Árabe da Síria é agora capaz de recuperar o terreno perdido. A partir de dois meses de combate, com constante avanço das tropas.

Após cinco meses de ataques aéreos garantidos pelo grupo aéreo russo, com cerca de 70 aeronaves implantadas na Síria, muitos analistas militares, por ter o Exército Árabe da Síria se mostrado capaz apenas de recuperar uma pequena parte dos territórios ocupados pelos maravilhosos jihadistas, criticaram-no. Tais especialistas estabelecem uma comparação, totalmente inadequada, com o Exército dos EUA, que conseguiu ocupar o Iraque em quarenta e dois dias… Mas, com 1.800 aeronaves e 380.000 soldados.

O que motivou a baixa capacidade de combate do Exército Árabe Síria?

Durante os cinco anos desta guerra na Síria, entre 100.000 e 250.000 mercenários islâmicos recrutados e armados pela Arábia Saudita, Qatar, Estados Unidos e Turquia vem a penetrar o território sírio através das fronteiras desse país com a Turquia, Jordânia e Israel. Estes mercenários abriram várias frentes, forçando as unidades do Exército Árabe da Síria a se dispersar em pequenos grupos por todo o país.

Nesta primeira fase, as ações dos radicais islâmicos envolveram a realização de ataques surpresa contra instalações do Exército Árabe da Síria e da polícia. A reação do Exército Árabe da Síria foi lenta e inadequada, usando apenas as tropas da 104ª Brigada  da Guarda Republicana e da 4ª divisão mecanizada. O sucesso desta primeira fase de ataques dos chamados “rebeldes”, resultou em uma  propagação em cascata, principalmente devido a um perfeito conhecimento das fraquezas do Exército Árabe da Síria.  O Planejamento desses ataques tiveram como responsáveis os instrutores militares turcos das forças especiais (conhecidos como Bordo Bereliler, referência a boina vermelha escura usadas) e dos seus equivalentes da Arábia Saudita.

Durante os três primeiros anos da guerra, o Exército Árabe da Síria, cuja preparação focava uma guerra convencional a ser travada contra os seus vizinhos e não para a guerra assimétrica, mostrou apenas o básico em termos de disposições táticas, adotando-as de maneira inadequada, sem espaços entre dispositivos, cobertura de tiros entre os elementos destes mesmos dispositivos, sem técnicas de identificação para distinguir amigos de inimigos, etc. Os jihadistas, em contraste, detinham disponível, em grande quantidade, material de construção, importado anteriormente, tal como o equipamento que lhes permitia escavar túneis muito rapidamente, enquanto o Exército Árabe Sírio não possuía nenhuma forma de detectar a existência de tais túneis. Isto permitiu que as operações dos extremistas islâmicos agregar ao seu favor o fator surpresa contra as tropas sírias, incapazes de reagir à infiltração maciça de terroristas, e conseguir ocupar numerosas bases militares e depósitos de armas e munições. Portanto, o Exército Árabe Sírio não poderia mesmo garantir as medidas básicas de combate (e prevenção), ou prever o melhor momento para se preparar e planejar a guerra.

Os aviões de reconhecimento remotamente pilotados (UAV) Shahed-129, fornecido pelo Irã, ajudou a melhorar os procedimentos táticos dos grupos de assalto do Exército Árabe da Síria e seu uso bem sucedido, resultando na realização de manobras muito rápidas. A Rússia apoiou o governo sírio desde o início, tanto política e diplomaticamente, com embarques esporádicos de armas e cursos de formação. Mas no outono de 2015, a ajuda russa tornou-se uma ajuda à la carte, aumentando exponencialmente. O Exército Árabe da Síria viu-se rapidamente equipado com novas armas. Neste momento, chegou ao fim o período durante o qual o Exército Árabe da Síria resignou-se a sacrificar territórios e a se confinar, exclusivamente, para proteger sua população civil contra os extremistas da jihad.

Armas individuais e equipamentos de proteção

Em um primeiro momento, o Exército Árabe da Síria estava equipado apenas com os capacetes chineses QGF-02. Alguns soldados da Guarda Republicana e forças especiais tinham coletes blindados TAT-BA-7. As armas individuais consistiam de AK-47, como fuzis de assalto (ou a sua variante chinesa Type 56). A ausência de dispositivos de visão noturna, infravermelho e/ou binóculos com sistemas com intensificação de luz residual constitui uma séria limitação.

Embora a Síria tenha optado em 2005 por um projeto de equipamentos individual moderno, projeto russo conhecido como “Soldado do Futuro” (Ratnick) , no momento do início da guerra civil, tais equipamentos não tinham sido adquiridos, devido ao embargo imposto como resultado da suspeita de que seria a Síria aquela responsável pela organização do assassinato de Rafic Hariri (ex-primeiro-ministro do Líbano). Este equipamento individual inclui visores noturnos Baighis, nível 6 e o ​​fuzil de assalto AK-74M. Com a chegada dos instrutores russos, a maioria das unidades do Exército Árabe Sírio foram equipadas com os coletes balísticos 6B45, capacetes Kevlar 6b7 e fuzis de assalto AK-74M, ou AK-104, com o dispositivo lançador de granadas, GP-30. O Exército Árabe Sírio equipados com equipamentos russos de visão noturna moderna, lançadores de granadas termobáricas AGS-17, lançadores de granadas 6G30 (40 mm).

Shilkas
O combate urbano travado na Síria permitiu ver o retorno das veneráveis Shilkas, agora, na função de apoio de fogo aproximado. Os sensores sofisticados foram retirados, mas a mira óptica, então mero back up, foi mantida. Imagem: internet.

O retorno do exército sírio

Os reservistas

Durante estes cinco anos de guerra, o Exército Árabe da Síria sofreu pesadas baixas, superiores aquelas sofridas durante as guerras contra Israel, perda superior em termos de material bélico,  destruído, ou capturado pelos jihadistas, estando muitas cidades permanecendo sob o controle destes elementos, cuja ocupação se caracteriza pela posse 75% do território sírio geográfico, bem como pela execução cruel de soldados capturados e os civis favoráveis ​​à República Árabe Síria. Isso, por óbvio, dificultou a substituição do grande número de tropas que o Exército Árabe da Síria havia perdido, num processo que se tornou muito mais difícil do que o previsto nos planos de mobilização originalmente planejados em tempos de paz. Temendo por suas vidas, 130.000 reservistas não compareceram quando convocados, de modo que há apenas 270.000 combatentes. Dada a esta circunstância, o Exército Árabe da Síria recorreu à criação de subunidades formadas com voluntários mais idosos do que o esperado, calcadas na maior parte do tempo no princípio da territorialidade. Principalmente naquelas áreas atacadas pelos rebeldes, estes grupos de defesa locais sem coordenação alguma com as unidades do exército profissional, mal armados, destituídos  de treinamento físico adequado, desprovidos de treinamento de tiro, sem comandantes capacitados em escolas militares que por ventura fossem dotados de um mínimo de conhecimento aplicável em uma situação de combate, acabaram por sofrer baixas significativas, pois baseavam-se, unicamente, no seu entusiasmo patriótico

Com a melhoria da situação e a transição para o exército ofensivo, o Exército Árabe da Síria empreendeu com estes grupos de defesa locais treinamentos táticos intensivos, centradas em temas de guerrilha urbana com prática de tiro real, marchas e noções de engenharia e pirotecnia. Uma ponte aérea entre Damasco e Teerã foi implementada, proporcionando que voluntários sírios fossem treinados pela Bassidji iraniana, que recebe e continua recebendo combatentes do Hezbollah. Pela primeira vez, os iranianos treinam não só os xiitas, mas também os sunitas e os cristãos.

As operações especiais

As forças especiais sírias foram formadas e treinadas pelo exército egípcio, durante a década de sessenta (1960-1969), de acordo com um programa de comandos britânicos, focado em unidades de infantaria ligeira, bem como nos militares capacitados como paraquedistas. No início desta guerra, o Exército Árabe da Síria tinha seis batalhões independentes de forças especiais e outro batalhão de paraquedistas, que é a 104ª Brigada da Guarda Republicana.

Um grupo de Comandos, denominado “Leões Protetores”, subordinado 4ª Divisão Mecanizada, que opera no norte da Síria, foi estabelecido como tal em maio de 2014. No início desta guerra, equipamento das forças especiais sírias era tão pobre quanto aquele de outras forças do Exército Árabe da Síria e os Comandos não detinham mais a experiência em combate urbano, ou de combate anti-inssurrecional, adquirida em Beirute, em 1982. Naquela época,  unidades de Comandos sírios foram equipados com lançadores RPG-7, sistemas de mísseis anticarro 9K111 e Milan-1, que tinha causado enorme devastação entre os blindados israelenses.

A situação obteve significativa melhora quando da chegada na Síria da Força al-Quds, provinda do Irã, bem equipados e bem treinados, e dos combatentes do Hezzbollah libanês com grande experiência em guerra urbana. É interessante a lembrança que as forças especiais iranianas foram criadas e moldadas como espelho das suas equivalentes americanas e britânicas (Special Boat Service-SBS), nos tempos do Xá Mohammad Reza Pahlavi. Os comandos do Hezzbollah libanês, por sua vez, apresentaram-se armados com modernos mísseis anti-carro (9M113 KONKURS, 9M131 Metis-M e 9M133 Kornet-E) e lançadores de granadas RPG 7V e RPG-29, adquiridos em 2006, provados em uma experiência de combate sólida, com táticas assimétricas e de guerra urbana contra os Carros de Combate Merkava do exército israelense. E eles têm aperfeiçoado novas técnicas de combate anti-tanque extremamente eficazes.

Com a chegada de elementos Spetsnaz [1], além de instrutores russos, tudo que havia acabou por ser analisado e revisto de acordo com princípios de ação e regras claras. Apesar de o Irã ter investido fortemente no equipamento das forças especiais, tal equipamento não era de última geração, como dos russos. Fotos recentes de membros das forças especiais sírias apresentam-nos equipados exatamente como os russos, tecido de proteção térmica, camuflagem tipo MultiCam, com capacetes Fast Ops-Core que possuem um sistema optrônico integrado à prova de bala, dispositivos de visão noturna, colete com capuz e botas de qualidade, fuzis equipados com mira telescópica, padrão de precisão britânico AWM, com silenciadores, ou armados com fuzis de assalto AK-74M, equipado com um telêmetro a laser Alpha 7115, lançador de granadas automático AGS-30, ou de metralhadora.

O progresso havido no treinamento e equipamento dos Comandos sírios com armamento moderno pode ser visto na operação recente, que visou a recuperação da estrada Khanasser-Ithriyah,  única maneira de fornecer comunicação efetiva (logística) para as forças pró-governo na província de Aleppo.

Os Snipers

Lutas em áreas urbanas não podem ser concebidas sem o uso de muitos atiradores de elite, treinados e equipados com armamento moderno. No início da guerra, devido a ausência de pontos de observação, principalmente nas partes superiores dos edifícios e da presença de  franco-atiradores, os “homens-bomba” poderam facilmente escolher seus alvos e se explodir, ou penetrar veículos em postos de controle do Exército Árabe da Síria. Este último possuía alguns snipers e tinha apenas antigos modelos de rifles com miras telescópicas, como o Dragunov SVD e DRM (fuzil da NORINCO, empresa chinesa que produz uma copia do velho M-14 norte-americano). Posteriormente, o Exército Árabe da Síria dotou-se de cópias iranianas do fuzil austríaco Steyr HS.50 com mira telescópica, dos russos vieram os modernos Orsis T-5000 (7,62 milímetros), também com uma mira telescópica, e metralhadora KSVK com mira telescópica (12,7 mm).

Por iniciativa iraniana e russa criou-se uma escola na Síria para atiradores do exército, com instrutores libaneses (Hezzbollah), iranianos e russos. Os atiradores russos são considerados os melhores do mundo, graças aos seus centros de preparação, armas, camuflagem e formação. O foco para os atiradores sírios está exemplificado na máxima: “tornar-se invisível e ver sem ser visto”.

Kontact-5
CC T-72 equipado com blindagem reativa Kontact-5. As blindagens ERA mostraram-se muito efetivas no conflito sírio. Imagem: internet.

Viaturas blindadas e os corpos mecanizados

Quando foi empregado durante a Segunda Guerra Mundial, a finalidade do tank era de atacar, quebrar as barreiras e as linhas de defesa do inimigo graças à proteção de sua armadura, do poder de fogo e da alta mobilidade. No nosso tempo, unidades equipadas com sistemas de mísseis antitanques são muito menos caros do que as unidades de tanques, cuja ação é difícil em um ambiente hostil saturado com armas antitanque. Os blindados enviados para restaurar a ordem, sem um exame aprofundado do âmbito de ação, desprovidos do apoio da infantaria e forçados a operar no meio das aldeias, acabaram por cair em emboscadas sob o fogo de lança-granadas portáteis e mísseis antitanque. Dezenas de milhares de sistemas de mísseis antitanque BGM-71 TOW, norte-americanos, Milan-2, franco-alemão, bem como do croata lança – foguetes M-79 Osa, foram introduzidos secretamente na Síria pelos serviços de inteligência da Turquia, Arábia Saudita, França e dos Estados Unidos.

Os blindados sírios não exibiam proteção ativa, como as  placas ERA, montado na parte frontal e na parte superior da torre, ou sistemas coletores que permitem cegar e confundir a orientação dos mísseis antitanque, ou sistemas de proteção ativa, com sensores que ativam a intercepção dos mísseis antitanque e possa destruí-los antes que eles atinjam o escudo (ERA). Devido a estas deficiências, perderam-se Carros de Combate por  miudezas,  perfurados que foram com um golpe direto. E vendo-os destruídos, ou danificados às centenas, o Exército Árabe da Síria teve que se adaptar, empreendendo soldas de  chapas de aço e montagem de placas para incorporar ERA com o intuito de neutralizar os impactos cumulativos.

Após a sua chegada à Síria, os instrutores militares russos também descobriram que um dos maiores erros que o Exército Árabe da Síria havia cometido era o abandono do blindado danificado. Os russos perceberam que a maioria dos que foram abandonados foram reparados por militares turcos especialistas em blindados, que os levaram até aos jihadistas, ou que foram usados ​​como baterias de artilharia fixa para fortificar posições capturadas. Portanto, o Exército Árabe Síria aumentou o número de subunidades de reboque e prontificou a  evacuação dos blindados danificados, bem como levantou e equipou oficinas de reparos.

No início de 2016, os russos forneceram aos sírios, para uso do seu  exército cerca de 20 tanques T-72B3 e T-90S, que têm uma proteção reativa eficaz contra  os mísseis antitanque norte-americanos BGM-71 TOW. O tanque T-90S tem sido utilizada na composição de destacamentos avançados para quebrar as defesas das jihadistas, como foi visto em fevereiro de 2016, durante a ofensiva para liberar a cidade de Kuweires, junto de Aleppo. Embora tenham sido integrados no Exército Árabe Sírio, os tanques T-90S foram pagos pelo Irã e estão sendo usados ​​por tripulações iranianas.

A Artilharia

Além dos blindados capturados ao Exército Árabe da Síria, os extremistas islâmicos receberam lotes de caminhões equipados com artilharia, metralhadoras pesadas, lançadores de foguetes, metralhadoras leves e armas de pequeno calibre, o que lhes permite exibir uma grande mobilidade e, assim, a possibilidade de explorar o efeito de surpresa de maneira contumaz. Para neutralizar essas metas, então dispostas em uma área limitada seriam necessárias munições inteligentes, algo que o Exército Árabe da Síria não dispunha. Os russos forneceram o “PRP-4A Argus” para a artilharia expedicionária, que determina as coordenadas dos sistemas de artilharia para o fogo de contra-bateria (artilharia inimiga), blindados de reconhecimento inimigos, bem como a posição dos grupos isolados de franco atiradores, com a marcação fornecida de forma automática por telêmetros lasers conjugados. Além desses equipamentos, o Exército Árabe Sírio recebeu lançadores de mísseis dotados de ogivas termobáricas (220 mm) TOS-1 “Buratino”, que apresenta uma taxa de fogo de 24 rodadas em 7, ou 15 segundos. Uma salva de TOS-1 abrange uma área de dispersão de fogo de aproximadamente 200 metros por 400 metros.

Com a chegada dos instrutores da Rússia para a Síria o padrão foi elevado para o conceito de feixe laser dentro do Exército Árabe da Síria, com o uso dos mísseis  guiados KM-2 Krasnopol. Este sistema precisa de um operador para o dispositivo LTD (laser designador de alvo) que ilumina o alvo com o laser de um veículo blindado. Abrangendo a área de 2 quilômetros de comprimento por 1,6 km de largura, ao redor do alvo, o sistema de orientação de mísseis Krasnopol é direcionado para o alvo iluminado pelo laser.

2303054
Su-34 sendo abastecido para mais uma surtida. A Força Expedicionária Russa mostrou-se vital para a virada da maré do conflito. Imagem: internet

Aviação de combate

Até a chegada do contingente russo, a força aérea síria não dispunha de sistemas para orientação de armas destinadas ao ataque com alta precisão, capazes, por isso,  de garantir um apoio para as tropas terrestres. Por essa razão, a aviação síria utilizava principalmente foguetes não guiados de  57mm e bombas convencionais dos modelos FAB-50 e FAB-100, por sua vez lançadas em mergulhos na altitude compreendida entre 1 500 e 3 000 metros. Portanto, as aeronaves sírias operavam dentro da faixa que as tornavam vulneráveis ​​ao fogo das peças de artilharia de 23 e 30 mm, em poder dos islamistas e bem dentro do alcance dos mísseis portáteis terra-ar (MANPAD), o que explica as numerosas perdas de aeronaves por parte da aviação síria.

Enquanto isso, 21 bombardeiros Su-24MK sírios foram modernizados na Fábrica No. 514 ARZ em Rzhev, Rússia, subindo de nível para o padrão Su-24M2, equipados com sistemas de navegação e de guiamento para armas de precisão (PNS-M), tal como os modelos russos desdobrados para a Base Aérea Hmeymim. Em 2015, a Rússia entregou motores aeronáuticos e aviônicos, dentre outras peças para modernizar 64 MiG-23 MLD, trazendo-os ao nível MiG-23-98. O MiG-23 tem os sistemas OLS-M, da classe LANTIRN para navegação noturna, detecção de infravermelho dos alvos terrestres e orientação voltada para vários tipos de armas inteligentes, tais como aqueles usados ​​por bombardeiros táticos russos instalados na Síria.

Os Su-24 e MiG-23 da Força Aérea da Síria, podem agora executar os bombardeio de precisão necessários, dia e noite, a partir de altitudes em que estão fora do alcance dos mísseis terra-ar portáteis. Então, conseguem, por exemplo, destruir postos de comando subterrâneos que jihadistas haviam construído em todos os lugares com o uso de bombas dotadas de ogivas de penetração. Para atingir as tropas terrestres inimigas, ao contrário do ano anterior, já não se faz mais necessário o uso de barris explosivos (bombas barril) largados de helicópteros, que de qualquer forma seriam (os helicópteros) alvos passíveis de serem destruídos por sistemas antiaéreos do tipo MANPAD.

Valentin Vasilescu

[1] Spetsnaz: é um apelo genérico, nascido na antiga URSS, que continua hoje a designação de grupos de intervenção ou forças especiais de vários órgãos ou serviços armadas russas do Ministério do Interior e Justiça, ao FSB e as diferentes ramos das forças armadas. Nota pela Rede Voltaire.

Documento reservado da OTAN destaca que a Rússia é superior às forças da Aliança na Síria

Por: Josef Hufelschulte

Fonte: Focus

Tradução: J.Junker

Sábado: 05.03.2016

Desde setembro, a Força Aérea Russa está voando e atacando na Síria. Na imprensa, há denuncias de que os repetidos bombardeiros de Putin mataram centenas de civis. Ironicamente, no entanto, a OTAN elogia a Rússia em seu relatório: Ela está bombardeando “com precisão e eficiência”, ele diz – e teria um efeito muito maior do que o uso do armamento da OTAN.

O relatório da Aliança Militar do Atlântico Norte (OTAN) certifica que a Força Aérea Russa, implementada na Síria, alcançou um alto nível de profissionalismo. Isto foi relatado pela Focus, citando uma análise confidencial da OTAN, feita em Bruxelas.

Embora os aviões de combate das forças armadas russas são claramente inferiores aos jatos da aliança ocidental numericamente, os pilotos do Kremlin obtiveram, em operações contra a rede terrorista EI e outros grupos rebeldes, um impacto total maior. Isto foi devido à maior frequência de ataques aéreos russos, a Focus relata, citando o documento secreto.

Assim, cerca de 40 máquinas russas estacionados na Latakia voam até 75 missões por dia. Os ataques aéreos são executados “com precisão e eficiência”. A frota da OTAN conta com um total de 180 máquinas, que diariamente atacam apenas 20 alvos no solo. O Presidente Vladimir Putin, Comandante Supremo das forças russas, pretende aumentar, em futuro próximo, para até 140 aviões na Síria. Recentemente, a OTAN se sentiu constrangida pelo desdobramento de quatro caças multipropósito Sukhoi Su-35 na Latakia. O Su-35 é superior à maioria dos aviões de produção ocidental, de acordo com especialistas.

EI demonstra força no chão

De acordo com a OTAN, até agora apenas 20 por cento dos ataques russos foram contra terroristas, sendo a maioria contra milícias anti-Assad, algumas delas apoiadas pelo Ocidente. A forte presença dos terroristas e seus ganhos de terreno podem ser explicados pela dispersão dos rebeldes, por medo de ataques aéreos em suas posições.

Ao atacar, os pilotos do Kremlin usam informações de reconhecimento aéreo sírio. Além disso, as forças e espiões russos marcam instalações estrategicamente importantes. Sobre civis mortos nos ataques de aliados e da Força Aérea Russa não há nenhuma informação no documento secreto. De acordo com informações do Observatório Sírio para os Direitos Humanos mais de 1700 civis morreram desde Setembro de 2015 nos ataques aéreos russos, incluindo 423 crianças.

Nota do Editor: o que é conhecido como “Observatório Sírio para os Direitos Humanos” não passa de um simples ativista, comprometido ideologicamente, que mora acima de uma tecelagem em Londres. Vê-se, portanto, ao baixo nível no qual a grande imprensa é capaz de chegar no seu afã de desinformar. A credibilidade da grande imprensa não passa de miragem, fantasia, ou algo parecido.

Hillary Assobrada pela Líbia

Por: Eric Margolis 

Fonte: Eric Margolis.com

Adaptação: César A. Ferreira

No corrente ano de 1987 desloquei-me até a Líbia para entrevistar seu homem-forte, Muammar Khadaffi. Vivenciamos um entardecer conversando na sua colorida tenda beduína ao lado dos Quartéis Bab al-Azizya em Trípoli que haviam sido bombardeados um ano antes pelos EUA em uma tentativa de matar o altivo líder líbio.

Khadaffi preveniu-me que caso fosse derrubado, a Líbia dividir-se-ia em três partes, tornando-se novamente presa do domínio ocidental. Seus esforços para tirar o mundo árabe e a África Ocidental da subserviência e do atraso findar-se-iam, anteviu.

Correto estava o líder líbio. Hoje, após sua morte, a Líbia se fragmenta em regiões hostis. Os EUA, França e Egito expandem sua influência pela Líbia, por último tendo-se  juntado a Itália, governante colonial da Líbia no passado. Instalaram o conjunto habitual de serviçais para cumprir suas ordens. Velhos hábitos são difíceis de morrer.

Vamos ouvir muito sobre a Líbia após as  vitórias grandiosas de Hillary Clinton e Donald Trump nas primárias da última Super Terça.

A ex-secretária de estado Hillary Clinton logo enfrentará o retorno de uma grande ameaça que a persegue desde 2012 – o ataque de extremistas da jihad contra o consulado americano em Trípoli, Líbia e a subsequente chacina a do embaixador americano Christopher Stevens e seus seguranças.

Os republicanos vêm tentando jogar a culpa por Benghazi sobre Clinton. Até agora não tem sido bem-sucedidos. Mas o boca de trapo Donald Trump com certeza hostilizará Hillary por Benghazi, seu registro como Secretária de Estado que nada fez e os problemas legais advindos. E mais, a autêntica história da falsa “libertação” da Líbia pode finalmente vir à tona.

Nem os democratas, ou republicanos até agora ousaram revelar o que realmente se deu em Benghazi. A chamada “revolução popular” de 2011 na Líbia foi um elaborado complô da França, Grã-Bretanha e EUA, ajudados pelos Emirados do Golfo e Egito, para derrubar Khadaffi, homem-forte da Líbia por quatro décadas, e assim assumir o controle de seu petróleo de alta-qualidade.

A inteligência ocidental e ONGs semi-governamentais utilizaram as mesmas táticas de subversão na Líbia que haviam empregado nas bem-sucedidas “revoluções coloridas” na Geórgia, Ucrânia e Síria, porém fracassadas no Irã e na Rússia.

Os franceses desejavam derrubar Khadaffi, pois ele afirmava ter ajudado a financiar a eleição do ex-presidente Nicholas Sarkozy. Este negou a acusação. Os árabes do Golfo queriam Khadaffi morto porque ele continuava acusando-lhes de roubar a riqueza árabe e serem fantoches das potências ocidentais. Elementos operativos da inteligência francesa tentaram assassinar Khadaffi nos anos 80. O MI6 da Grã-Bretanha procurou matar o líder líbio com uma massiva explosão de um carro-bomba em Benghazi.

A operação de mudança de regime pelos EUA, França e Grã-Bretanha começou em 2011 com os protestos populares engendrados em Benghazi. Logo foram seguidos por uma operação militar clandestina liderada por forças especiais ocidentais contra o esfarrapado exército de Khadaffi, seguido por pesados ataques aéreos. A mídia ocidental amestrada, de boa vontade fechou os olhos a esta intervenção militar ocidental, saudando-a  de “revolução popular” na Líbia.

Após Khadaffi ter sido derrubado e assassinados (reportadamente por agentes da inteligência francesa), enormes estoques de armas tornaram-se disponíveis. A secretária de estado Clinton, que patrocinara a derrubada de Khadaffi, decidiu armar a mais nova “revolução colorida” do Ocidente, os rebeldes anti-Assad da Síria.

A maioria das armas líbias estava estocada em Benghazi, foram transportadas via aérea para o Líbano, ou Jordânia, então sendo contrabandeadas para os rebeldes na Síria. O embaixador americano Stevens estava supervisionando as transferências de armas do consulado em Benghazi. Ele foi morto por jihadistas anti-americanos combatendo a ocupação da Líbia e não por “terroristas”.

Hillary Clinton, financiada por neocons importantes, arca com a responsabilidade principal por duas calamidades: a deposição de Khadaffi e a terrível guerra civil da Síria. Khadaffi estava contendo numerosos grupos jihadistas norte-africanos. Depois de sua derrocada, eles despejaram-se para o sul, no Sahel e regiões subsaarianas, ameaçando os governos dominados pelo Ocidente.

Também descobrimos que o Departamento de Estado de Clinton deu luz verde para mais de US$ 150 bilhões em vendas de armas para dezesseis nações repressivas que doaram grandes somas para a Fundação Clinton – uma espécie de governo no exílio para o Clinton Clan.

Todos os negócios sórdidos. Não é de se admirar que tantos americanos exibam fúria para com a sua classe política. Um bocado de munição para Donald Trump.