Sem um Estado forte, outro Poder mandará

por: André Araújo

O Brasil está em uma crise política, econômica e social de caráter histórico. A raiz da crise é o enfraquecimento do Estado nacional, hoje submetido a forças desintegradoras que agridem o funcionamento e a estabilidade de um dos maiores países do mundo.

Um novo governo, seja ele de esquerda, centro ou direita não governará nesse quadro caótico.

Ou o poder se recentraliza ou o Brasil será ingovernável, correndo sérios riscos de ruptura das colunas de integridade construídas em séculos pela Coroa ibérica, pela Igreja Católica e especialmente pelas forças armadas, fundamentais na repulsa às invasões holandesa e francesa, às incursões castelhanas, na luta pela Independência e na submissão de rebeldias internas, forças desintegradoras que de norte a sul contestaram o Estado colonial e nacional.

Nenhum desses movimentos rebeldes poderia ter sido enfrentado se o Estado brasileiro não fosse forte por índole e propósito. O Brasil nasceu como nação pelas mãos do Estado fundador, anterior à própria formação da nacionalidade, o Estado antecede à Nação.

O Imperador Dom Pedro II era o símbolo da solidez do Estado brasileiro, o ponto de união e convergência em seis décadas quando os riscos potenciais de ruptura do Estado foram muitos e de toda ordem. Foi o Império com sua legitimidade histórica que impediu a fragmentação do território nacional, como ocorreu na América espanhola, dividida em 17 paises.

Na Primeira República, os Presidentes foram fortes e esmagaram incontáveis movimentos de contestação ao poder central, capitais foram bombardeadas ou invadidas como Salvador, São Luis , Fortaleza e São Paulo, rebeldias regionais não foram admitidas contra a República.

Revoltas violentas foram enfrentadas por todo lado, como a Farroupilha, a do Contestado, a do Acre, que resultou na sua anexação pelo Brasil, o amplo e duradouro movimento dos Tenentes de 1922, a rebelião de 1924 em São Paulo. Já a Segunda República enfrentou revoltas em São Paulo em 1932, dos comunistas no Rio e em Natal em 1935 e com o desfecho do Estado Novo em 1937, etapa máxima da centralização do Poder do Chefe de Estado, figura simbólica como sucessor do soberano, criando as condições de um enorme desenvolvimento social e econômico do Brasil de 1937 a 1975, regimes sequenciais ao regime varguista de 1937.

Contestação judicial ao Governo Floriano pelo STF levou à celebre frase do Presidente Floriano Peixoto ao ser ameaçado pelo Supremo “ mas quem é que dará habeas corpus ao Supremo?”

Hoje o poder da Presidência, que deveria ter as características de poder superior aos demais no sentido de seu exercício de comando operacional do Governo, está abaixo em poder de outras três torres de comando oficiais: o Supremo Tribunal Federal, a Procuradoria Geral e a Policia Federal. Ao invés do poder dos canhões, essas três torres se utilizam de inquéritos, que podem abrir contra qualquer autoridade em qualquer numero e sob sua exclusiva vontade, sem contraponto, contestação ou bloqueio, poder que não tem o Executivo ou Legislativo, cujas regras podem ser contestadas judicialmente enquanto normas do Supremo não tem instância superior de controle e inquéritos da Policia ou da Procuradoria produzem efeitos políticos a partir do momento de sua divulgação. Formou-se assim uma assimetria que transforma a Presidência em poder refém de outros, enquanto os demais não dependem em nada da Presidência ou do Congresso, podem atuar sem contrapesos.

Esses poderes podem abrir quantos inquéritos quiserem, com ou sem motivos e através dos inquéritos comandam os acontecimentos políticos, inalcançáveis por controle externo.

O Supremo incorporou o Poder de Legislar sobre matérias que não estavam antes em seu alcance e através dessa nova aquisição de poder governa a politica. Exemplo marcante é a decisão do STF de proibir o financiamento empresarial de campanha. É claríssimo, de uma limpidez ímpar, que essa é uma matéria de legislação e não de decisão judicial.

Não há na lei proibição ao financiamento empresarial, a proibição foi um exercício ilegítimo de poder pelo Supremo e como esse inúmeros outros temas foram objetos de Poder Criado interna corporis, o Supremo gera dentro dele o novo poder que exercita Acima da Lei, como a aplicação da norma do Domínio do Fato, que não se encontra na legislação positiva.

Nas novas leis “abertas” de livre interpretação, as chamadas “leis omnibus” dentro das quais cabem enquadramentos ao infinito , se usa e abusa de uma aplicação extensiva e ao único arbítrio do julgador, permitindo penas aterradoras, muito superiores àquelas do Código Penal, penas de 20, 30, 40 ou mais anos por ter ido a um guichê sacar um cheque, tudo entendido como lavagem de dinheiro,penas que não se dá a assassinos estupradores, o que demonstra grave distorção do sistema de leis penais e de sua aplicação pratica, tal disfunção tem clara explicação politica: essas regras extravagantes e de interpretação aberta como obstrução de justiça, lavagem de dinheiro, anti-corrupção, são Leis de Poder, tem como alvo principal a “classe politica” que fica assim submetida ao comando dos novos soberanos, a arma de guerra é a capacidade desse poder reforçado de aplicar penas que equivalem à prisão perpetua, destruindo a capacidade de reação da classe eleita, colocada contra a parede por inquéritos que podem ser manejados livremente como instrumentos de comando politico.

Ao proibir o financiamento empresarial de campanha o Supremo abre largamente o mercado de inquéritos contra todos os políticos do Legislativo e do Executivo, tornando-os mais vulneráveis e imputáveis. O STF aumenta por sua própria decisão o poder da PF e da PGR para criminalizar condutas de políticos que anteriormente a essa decisão poderiam receber doações empresariais e aumentam largamente o campo de arbitragem do sistema judiciário sobre a atividade politica e seus operadores eleitos pelo voto direto, agora submetidos a um poder maior que a eleição.

Mercado Financeiro

Mais duas poderosas e não oficiais Torres de Comando estão acima da Presidência: o ente conhecido como “mercado financeiro”, hoje representado pelo Ministro da Fazenda e pela sua divisão blindada, o Banco Central, a ponto de um Ministro que deveria ser um auxiliar do Presidente, por ele nomeado e demissível a qualquer momento, se permitir de forma publica a máxima ousadia que jamais um Ministro da Fazenda invocou no Brasil republicano, dizer que se mudar o Presidente ele fica, entendendo-se ele e sua equipe. Essa simples declaração em outros tempos implicaria em imediata demissão mas nestes momentos escuros o Presidente não pode demiti-lo. Na historia recente em 1965 o Ministro da Guerra, Costa e Silva, disse algo semelhante quando fez uma viagem à Europa no inicio do Governo Militar “viajo Ministro e volto Ministro” o que foi entendido como sendo seu poder ser superior ao do próprio Presidente Castello Branco, que a partir dai encolheu sua autoridade até Costa e Silva ser indicado e empossado realmente como Presidente, sua declaração atrevida previu o desfecho de seu poder superior ao Presidente como Ministro da Guerra.

A entidade “mercado financeiro” por seus porta vozes na mídia, cito apenas uma, Miriam Leitão, vem declarando continuamente que a Política Econômica é independente de quem seja o futuro Presidente, o que é uma visão historicamente absurda, porque o futuro Presidente estaria amarrado a uma politica econômica de um grupo anterior ao seu Governo?

Mídia

Chegamos então à quinta Torre de Comando sobre a Presidência, a mídia eletrônica, rádios e TVs que são uma concessão do Estado mas se permitem contesta-lo a todo dia. O Estado concede e pode cassar a capacidade de usar as ondas hertzianas, que pertencem ao Estado e são apenas cedidas temporariamente a particulares, o Código de Telecomunicações dá amplos poderes ao Estado para conceder e cancelar essas concessões quando elas forem desvirtuadas de suas finalidades ou em situações onde a transmissão põe em risco a segurança nacional, a cassação não demanda muitas explicações e pode ser executada por simples decreto da Presidência, ninguém é “dono” de uma frequência para radio e tv, é uma regra universal.

O democratíssimo Presidente Juscelino usou de seu poder legal para tirar do ar a TV Tupi quando Carlos Lacerda ameaçou fazer um discurso para depor o Presidente.

Quando a mídia divulga vazamentos ilegais de processos protegidos por sigilo cabe punição severa. Paises democráticos processaram um Julian Assange por quebra de sigilos que estavam sob proteção do Estado. O que é sigiloso não pode ser divulgado e quem é cumplice da divulgação pode perder a concessão, o Estado está acima do direito subjetivo de transgressões que agridem as leis , Governos democráticos não devem ser fracos para dar a pessoas individuais o direito de desafia-lo indo contra a ordem legal Certas máximas do Poder mesmo em países democráticos fora, esquecidas no Brasil a partir da Constituição de 88, a Constituição que ampliou ao infinito os “direitos” a custa do enfraquecimento do Estado.

Política Econômica

Nas mais solidas democracias a mudança da Presidencia implica na mudança da politica econômica, nos EUA isso ocorreu em todas as mudanças de ocupantes da Casa Branca, há grande diferença entre uma politica econômica do Partido Democrata e a do Partido Republicano, na crise dos anos 30, as politicas de Hoover e Roosevelt eram diametralmente opostas, assim como a de Churchill e Attlee no Reino Unido, a saída de Thatcher implicou em grande virada na politica econômica britânica. Como então o “mercado” por seus porta vozes na mídia se atreve a dizer que o próximo Presidente manterá a mesma politica recessionista da atual equipe, aliás se atrevem a dizer que a mesma equipe continuará, é muita ousadia e se se a permitem é porque acham que a força do “mercado financeiro” é suficiente para mandar na economia e por extensão, no Governo, no atual contexto parece que conseguem esse feito.

Isso é o contexto de hoje mas não foi sempre assim. O Presidente Fernando Henrique mudou duas vezes o presidente do Banco Central, demitindo o ocupante por telefone, sem se aprisionar ao mercado. O Presidente Itamar Franco mudou em pouco tmpo três Ministros da Fazenda, sem dar maiores satisfações ao “mercado”. O Presidente Collor mudou quem e quando quis na área econômica, tirou Zelia para colocar Marcilio Moreira sem pedir permissão ao mercado ou à mídia, o Presidente do Brasil pode muito , é uma Presidencia imperial.

Os Poderes da Presidência

O aprisionamento atual da Presidência a esses novos poderes e algo novo , não tem precedentes históricos e nem é da natureza do cargo e da extensão de sua autoridade.

Um Chefe de Estado que pretenda governar o Brasil não o fará com essas torres de comando acima dele. Nada tem a ver com ideologia, é uma regra de poder simplesmente, o Comandante não pode ser emparedado pelo sargento corneteiro ou pelo oficial de intendência ou é Comandante incontestado ou o Regimento não vai combater.

A saída logica é uma aliança do Chefe de Estado com as Forças Armadas para reconduzir as Torres de Comando a seu devido lugar na politica e na Historia.

Uma Presidência forte e centralizada será essencial para o Brasil enfrentar sérios desafios na cena internacional dos próximos anos. O enfraquecimento da Presidência levou ao apequenamento da projeção internacional do Brasil, hoje uma sombra do que foi durante o Governo Vargas e durante os governos militares, que projetaram a influencia e presença do Brasil no Oriente Médio e na Africa, criaram uma forte indústria de material bélico, prontamente liquidada pelo governo FHC ao rejeitar um papel internacional do Brasil para alinha-lo automaticamente ao sistema de Washington,, assinando o Tratado de Não Proliferação e o Acordo de Cooperação Judiciaria, dois instrumentos de perda de soberania.

Os desafios da economia, da ecologia, dos conflitos regionais, do aumento da pobreza e da concentração de renda exigirão uma Presidencia institucionalmente forte e eficiente, o que jamis será com a existência de ilhas de poder concorrente contra a Presidencia.

Esta pequena analise é oferecida no contexto da práxis do poder politico no modelo proposto pelo mestre Nicoló Machiavelli, sem qualquer pretensão de julgamento ideológico ou ético-moral para indagar as razões do poder, apenas pretende-se um olhar sobre o poder em existência, ele existindo só poderá operar se tiver comando do território.

Quando os militares depuseram o digno Imperador Dom Pedro II em 15 de novembro de 1889 o Embaixador britânico no Rio de Janeiro Sir Hugh Wyndham perguntou por telegrama ao Ministro do Exterior em Londres, o lendario Marques de Salisbury (Robert Gascoyne-Cecil), vamos reconhecer o novo Governo republicano do Brasil?

O Imperador era respeitadíssimo em Londres, seu longo reinado tornara-o um figura de peso na Europa e nos Estados Unidos, o Embaixador com razão lamentava o fim da Monarquia mas Lord Salisbury, três vezes Primeiro Ministro, que comandava o Império Britanico quando abriu o Seculo XX, não derramou uma lagrima sentimental , só fez uma única pergunta?

Os militares que depuseram o Imperador dominam o território?

Se dominam o território reconheça o novo governo imediatamente.

Domínio para Lord Salibury significava mandar sem contestação ou oposição.

Para Salisbury não importava o justo ou o injusto, a ética, a moral, a tradição ou a ideologia do novo governo que obviamente não poderia ser da simpatia da Monarquia inglesa.

Mas a politica é antes de tudo realidade, o Marques de Salisbury operava dentro dela.

Essa é a chave, governa quem domina o território, quem Pode Mandar é o poder.

Fonte: Jornal GGN, Luis Nassif Blog

 

Análise: EUA estão encarando uma dura luta com a China

Autor: Wendell Minnick

Tradução: Dinamica Global

Fonte Original: Defense News

23 de janeiro de 2016

Um novo relatório da RAND desafia os militares dos EUA a repensar uma guerra com a China. O relatório examina EUA e capacidades militares chinesas em 10 áreas operacionais, produzindo um “scorecard” para cada um, de quatro anos: 1996, 2003, 2010 e 2017. Cada um dos scorecards avalia capacidades no contexto da geografia e da distância, cada um dos os scorecards avalia capacidades no contexto de dois cenários: uma invasão de Taiwan e uma campanha nas Spratly Islands. Estes cenários centram-se em locais que se encontram cerca de 160 km e 940 km, respectivamente, a partir da costa chinesa.

O relatório de 430 páginas, US-China Militar Scorecard: Forças, Geografia, e o equilíbrio evolutivo do Poder, 1997-2017, foi escrito por 14 estudiosos, incluindo o gênio dos jogos de guerra da RAND, David Shlapak; o especialista Jeff Hagen da modelagem e simulação; Kyle Brady, anteriormente com Lawrence Livermore; e o pesquisador de operações Michael Nixon.

Este relatório é sobre músculo e máquinas, não sobre política e questões políticas. Este é um objetivo “onde a borracha encontra a estrada” análise que olha para as capacidades da China em espancar as bases aéreas dos EUA na região, afundando porta-aviões norte-americanos com novos mísseis balísticos antinavio, e transformando satélites de espionagem e de comunicação americanos em lixo espacial.

O formato do scorecard com a análise dá ao leitor uma sensação de disputa esportiva, sobre como tão ruim as coisas podem ficar para os militares dos EUA em um conflito com a China. Os 10 scorecards de cada particularidade das capacidades relativas norte-americanas e chinesas em cada uma das área operacionais específicas: ar (1-4), marítima (5-6), espaço, cibernética e nuclear (7-10).

Scorecard 1: Capacidade chinesa de ataque a Bases Aéreas.

Desde 1996-97 com a Crise dos Mísseis no Estreito de Taiwan, assumiu-se que a China iria paralisar as bases aéreas de Taiwan com ataques de saturação de múltiplas camadas usando mísseis balísticos de curto alcance (SRBM). Porém, hoje há inclusive a base aérea de Kadena em Okinawa. O número de SRBMs têm crescido desde 1996, de um punhado para cerca de 1.400, e a probabilidade de erro circular encolheu de centenas de metros para menos de cinco metros. Até mesmo um número relativamente pequeno de mísseis precisos poderia inutilizar Kadena durante os dias críticos no início de uma guerra, e “ataques cometidos podem fechar uma única base por semanas”. Isso vai forçar os aviões americanos a voar a partir de distâncias mais longas para se envolver com forças chinesas, por exemplo: Alaska, Havaí e Guam.

DF-21D
Missil DF-21D, míssil balístico com ogiva direcionável, conhecido como “Carrier Killer”, ou “Assassino de Porta-Aviões”. Imagem: internet.

Scorecard 2: Campanhas aéreas sobre Taiwan e as Spratly Islands.

A China substituiu metade da sua frota de caças com caças de quarta geração. O impacto desse esforço tem sido próximo, mas não perto, da diferença qualitativa entre as forças aéreas dos Estados Unidos e da China. No entanto, isso levou a problemas gradativos dificultando a proteção de Taiwan em 2017. Nesse ano, os “comandantes dos Estados Unidos seriam incapazes de encontrar o embasamento necessário para as forças dos EUA prevalecerem em uma campanha de sete dias”, mas, eles poderiam deixar de lado a exigência de tempo e prevalecer em uma campanha mais prolongada, mas isso implicaria deixar as forças terrestres e navais vulneráveis ​​às operações aéreas chinesas por um longo período de tempo.

Scorecard 3: Penetração dos EUA sobre o espaço aéreo chinês.

Os avanços da China na defesa aérea têm tornado mais difícil de operar no espaço aéreo ou nas proximidades chinesas. Em 1996, os sistemas superfície-ar de mísseis (SAM) da China eram em grande parte cópias de antigos sistemas russos, como os SA-2 com 35 km de alcance. Até 2010, a China implantou cerca de 200 lançadores de “SAMs de dois dígitos” com candidatos mais sofisticados, com alcance de até 200 km. A análise mostrou ganhos líquidos para a China entre 1996-2017 com melhores sistemas integrados de Defesa Aérea, lutadores de quarta geração, e aeronaves de alerta aéreo antecipado. No entanto, em um cenário nas Spratly Islands, longe da China continental, a capacidade dos EUA de penetrar alvos é muito mais robusta, devido à utilização de aeronaves stealth e um conjunto alvo muito menor.

Scorecard 4: Capacidade dos EUA para atacar as bases aéreas chinesas.

Enquanto penetrar o espaço aéreo chinês é mais perigoso, o desenvolvimento de armas de precisão de fabricação americana tem dado aos norte-americanos mais opções e maior ímpeto em um cenário em Taiwan. Exemplos como os Joint Direct Attack Munitions e as armas retaliação de longo alcance oferecem aos EUA algumas vantagens no quintal da China. O relatório toma por modelo ataques sobre as 40 bases aéreas chinesas dentro do alcance, sem reabastecimento, dos caças de Taiwan. Em 1996, os EUA poderiam encerrar pistas a uma média de oito horas, e este número aumentou para entre dois e três dias em 2010, e permanece aproximadamente o mesmo em 2017. “Apesar do ataque ao solo representar um raro ponto de brilho para o desempenho relativo dos Estados Unidos, é importante notar que o inventário de armas à distância é finito, e o desempenho em um conflito maior iria depender de uma ampla gama de fatores”.

Scorecard 5: Capacidades chinesas de guerra antissuperfície.

A China tem uma obsessão com a proximidade dos porta-aviões dos EUA desde que os EUA implantaram dois durante a Crise dos Mísseis de 1996-1997 no Estreito de Taiwan. Uma piada comum agora cogitada entre os analistas de defesa na China é que, quando há uma crise, o presidente dos Estados Unidos sempre pergunta “onde está o porta-aviões mais próximo”? Mas em uma crise futura, a primeira coisa que um presidente chinês vai perguntar é “onde está o mais próximo porta-aviões dos EUA”?

A China finalmente atingiu o ponto em que pode oferecer risco aos porta-aviões norte-americanos com os novos mísseis balísticos antinavio (ASBM), o primeiro implantado por qualquer nação. Embora o relatório indique que a cadeia de destruição ainda faz ASBMs vulneráveis às contra medidas dos EUA, os EUA têm de encarar o fato de que a China desenvolveu uma capacidade de localizar e comprometer as transportadoras dos EUA que só vai melhorar nos próximos anos. Atualmente, a China tem uma capacidade de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) cada vez mais robusta ao longo do horizonte, que inclui satélites militares de imagem. Junto com a ameaça ASBM, os EUA devem considerar o aumento da sofisticação dos submarinos chineses armados com mísseis de cruzeiro e torpedos.

Scorecard 6: Capacidades de guerra antissuperfície dos EUA contra os navios da marinha chinesa.

Os EUA faz um trabalho muito melhor de prevenir um desembarque anfíbio chinês em Taiwan. Graças em grande parte aos submarinos, o poder aéreo e às forças de superfície, o relatório indica que 40% (quarenta por cento) do transporte anfíbio chinês seria destruído durante uma campanha de sete dias, “perdas que provavelmente causariam destruição sobre a integridade organizacional de uma força de desembarque”. Entretanto , a China está melhorando seus helicópteros e navios de guerra antissubmarina, e continua a expandir sua frota de embarcações anfíbias. Desde 1996, a China dobrou sua capacidade de elevação anfíbia, e sua frota inclui agora quatro grandes docas de transporte classe Tipo 071 que podem transportar quatro embarcações infláveis de desembarque terrestre.

Scorecard 7: Capacidades counterspace dos EUA contra Sistemas Espaciais Chineses.

Em resposta ao aumento da dependência da China por satélites e sinais preocupantes armas antiespaciais foram desenvolvidas, em 2002, os EUA começaram a financiar capacidades antiespaciais seletivas. Isso inclui a criação em 2004 do Sistema de Anticomunicação para obstruir satélites de comunicações inimigos. O relatório também sugere aos EUA desenvolverem sistemas de laser de alta energia para ofuscar os sensores ópticos dos satélites chineses, e incumbir interceptores de mísseis balísticos para abater satélites chineses. Estas recomendações são em grande parte resultado da derrubada em 2007 pela China de um dos seus satélites meteorológicos, e não uma decisão unilateral feita pelos EUA.

Scorecard 8: Capacidades counterspace chinesas contra Sistemas Espaciais dos EUA.

A China testou três testes de cinética de mísseis antissatélites desde 2007 em órbitas terrestres baixas (LEO). A China também opera estações de alcance a laser que poderiam ofuscar os satélites dos EUA ou rastrear suas órbitas para facilitar outras formas de ataque. O relatório constatou que as ameaças aos satélites de comunicação dos Estados Unidos na forma de sistemas de interferência e de imagem que estão em LEO são graves. O relatório argumenta que “mais preocupantes” na China são os sistemas e transmissores de alta potência de rádio de dupla utilização, de fabricação russa, que podem ser utilizados contra a comunicação dos EUA e satélites ISR.

Scorecard 9: Capacidades da guerra cibernética chinesa e americana.

As unidades cibernéticas da China operam desde a década de 1990 e estão intimamente ligadas ou operadas por militares chineses. Embora os EUA tenham sofrido ataques graves, sendo destes o mais notável o recente incidente no Escritório de Gestão de Pessoas nos EUA, indica o relatório que os EUA “podem ​​não sair tão mal no domínio cibernético como muitos supõem” durante um conflito. A Cyber ​​Command dos EUA trabalha em estreita colaboração com a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos e pode desenhar fortemente o kit de ferramentas sofisticadas deste último. Apesar da vantagem dos Estados Unidos durante a guerra, ambos vão, “mesmo assim enfrentar surpresas significativas” e os esforços logísticos dos EUA serão particularmente vulneráveis, uma vez que dependem de redes não classificadas na Internet.

Scorecard 10: EUA e China, Estabilidade Nuclear Estratégica.

Este scorecard avalia as capacidades de sobrevivência de ambas as partes para um segundo ataque nuclear em face de um primeiro ataque. A China tem melhorado suas forças nucleares de forma constante desde 1996, com a introdução de novos mísseis balísticos intercontinentais, como o DF-31/31A e um atualizado DF-5 com capacidade MIRV. A Marinha também implantou seu primeiro míssil JL-2 balístico lançado de submarino operacional a bordo de seus submarinos da classe Jin. Apesar destas novas capacidades a China não tem a capacidade de impedir uma segunda capacidade de ataque dos EUA. Os EUA têm uma vantagem numérica de ogivas de 13:1 (treze para um).

Conclusões e Recomendações

O relatório afirma que nos próximos cinco a 15 anos, se as forças americanas e chinesas permanecem nas trajetórias atuais, a Ásia vai testemunhar uma fronteira que irá se afastar progressivamente do domínio dos Estados Unidos. As forças chinesas se tornarão mais capazes de estabelecer temporariamente no local a superioridade naval e aérea no início de um conflito, e isso poderá permitir que a China “alcance objetivos limitados sem derrotar as forças dos EUA”.

“Talvez mais preocupante do ponto de vista político-militar, a capacidade para contestar o domínio pode levar os líderes chineses a acreditar que eles poderiam impedir a intervenção num conflito entre eles e um ou mais dos seus vizinhos”. Isso poderia minar a dissuasão norte-americana e poderia durante uma crise pender a balança da disputa para a China sobre a conveniência de usar a força.

O relatório recomenda que os EUA trabalhem para moldar as percepções equivocadas dos líderes chineses de que a força militar dos EUA está enfraquecendo na região e enfatizem que existem sérios riscos de se envolver com as forças militares dos EUA.

As prioridades de aquisição devem ser ajustadas para enfatizar a redundância de base e capacidade de sobrevivência, mais armas standoff, caças e bombardeiros de sobrevivência furtivos, e melhorou as capacidades de guerra submarina e antissubmarina, e um programa espacial e antiespacial robusto. Os militares dos EUA também devem fazer cortes rápidos para as forças de combate legados e diminuir a ênfase em porta-aviões de grande porte.

Os militares dos EUA devem considerar uma estratégia de negação ativa que utilize a profundidade estratégica da Ásia e “permita que as forças dos EUA possam absorver os golpes iniciais e lutar contra seu caminho de volta”.  A defesa de posições estáticas próximas a China “podem ​​simplesmente se tornar inacessíveis”.

As relações político-militares com as nações regionais devem ser ampliada, com ênfase no acesso ao tempo de guerra para instalações e bases, particularmente nas Filipinas, Vietnã, Indonésia e Malásia.

Apesar destes esforços, os EUA enfrentam sérios desafios na região. A China tem um foco mais estreito sobre uma série de missões regionais, especialmente em Taiwan, o que lhe permite optimizar as suas forças para aqueles trabalhos. “Geograficamente – ‘o esqueleto da estratégia’- complica enormemente os desafios enfrentados pelos Estados Unidos”. A proximidade da China até as áreas de conflito em potencial lhe permite capitalizar sobre as áreas de paragem relativamente seguras. “Isso permite que o PLA se concentre em grande parte, nos ‘dentes’ (forças de combate) ao invés da ‘cauda’ (ativos de apoio)”.  Em contraste, os EUA devem manter um extenso mar e uma capacidade logística aérea, juntamente com uma grande parte baseada sistema de comunicação espacial, que é vulnerável ​​a perturbações por parte da China.