Documento reservado da OTAN destaca que a Rússia é superior às forças da Aliança na Síria

Por: Josef Hufelschulte

Fonte: Focus

Tradução: J.Junker

Sábado: 05.03.2016

Desde setembro, a Força Aérea Russa está voando e atacando na Síria. Na imprensa, há denuncias de que os repetidos bombardeiros de Putin mataram centenas de civis. Ironicamente, no entanto, a OTAN elogia a Rússia em seu relatório: Ela está bombardeando “com precisão e eficiência”, ele diz – e teria um efeito muito maior do que o uso do armamento da OTAN.

O relatório da Aliança Militar do Atlântico Norte (OTAN) certifica que a Força Aérea Russa, implementada na Síria, alcançou um alto nível de profissionalismo. Isto foi relatado pela Focus, citando uma análise confidencial da OTAN, feita em Bruxelas.

Embora os aviões de combate das forças armadas russas são claramente inferiores aos jatos da aliança ocidental numericamente, os pilotos do Kremlin obtiveram, em operações contra a rede terrorista EI e outros grupos rebeldes, um impacto total maior. Isto foi devido à maior frequência de ataques aéreos russos, a Focus relata, citando o documento secreto.

Assim, cerca de 40 máquinas russas estacionados na Latakia voam até 75 missões por dia. Os ataques aéreos são executados “com precisão e eficiência”. A frota da OTAN conta com um total de 180 máquinas, que diariamente atacam apenas 20 alvos no solo. O Presidente Vladimir Putin, Comandante Supremo das forças russas, pretende aumentar, em futuro próximo, para até 140 aviões na Síria. Recentemente, a OTAN se sentiu constrangida pelo desdobramento de quatro caças multipropósito Sukhoi Su-35 na Latakia. O Su-35 é superior à maioria dos aviões de produção ocidental, de acordo com especialistas.

EI demonstra força no chão

De acordo com a OTAN, até agora apenas 20 por cento dos ataques russos foram contra terroristas, sendo a maioria contra milícias anti-Assad, algumas delas apoiadas pelo Ocidente. A forte presença dos terroristas e seus ganhos de terreno podem ser explicados pela dispersão dos rebeldes, por medo de ataques aéreos em suas posições.

Ao atacar, os pilotos do Kremlin usam informações de reconhecimento aéreo sírio. Além disso, as forças e espiões russos marcam instalações estrategicamente importantes. Sobre civis mortos nos ataques de aliados e da Força Aérea Russa não há nenhuma informação no documento secreto. De acordo com informações do Observatório Sírio para os Direitos Humanos mais de 1700 civis morreram desde Setembro de 2015 nos ataques aéreos russos, incluindo 423 crianças.

Nota do Editor: o que é conhecido como “Observatório Sírio para os Direitos Humanos” não passa de um simples ativista, comprometido ideologicamente, que mora acima de uma tecelagem em Londres. Vê-se, portanto, ao baixo nível no qual a grande imprensa é capaz de chegar no seu afã de desinformar. A credibilidade da grande imprensa não passa de miragem, fantasia, ou algo parecido.

Interceptados caças F-16 da Turquia

Por: César A. Ferreira

Informações preliminares advindo do Comando das Forças Expedicionárias da Federação Russas na República Árabe da Síria, informa, através do Coronel General Andrei Kartapolov, que aeronaves de ataque, modelo SU-34, foram direcionados em rota de interceptação contra um elemento (líder e ala) de caças F-16C da Türk Hava Kuvvetleri  (THK – Força Aérea da Turquia). A parelha de caças da Força Aérea Turca estava dentro do espaço aéreo sírio e receberam de forma intermitente avisos durante o período de dois minutos para que viessem a se retirar do espaço aéreo da República Árabe da Síria. O aviso emitido foi conciso e objetivo: “(…) vos informamos de que estão a adentrar em um espaço aéreo restrito, controlado pela VKS – Força Aeroespacial Russa, caso não deixem imediatamente este espaço aéreo, agiremos(.)”; de pronto o elemento de caças f-16C turco efetuou uma curva descendente, bastante acentuada em direção à fronteira turca, evadindo-se rapidamente do espaço aéreo sírio. Percebe-se pela ação narrada, portanto, que os russos não são tão mercuriais como os turcos, tampouco vingativos, dado que a oportunidade lhes foi dada, mas estes abriram mão de justificar com sangue a perfídia turca do dia 24 de novembro último, quando foi abatido em uma emboscada o Su-24M com designativo de cauda 83, pilotado pelo Tenente-Coronel Oleg Peshkov, assassinado por terroristas turcomanos logo após a ejeção.

O Comando da VKS deverá fazer um briefing para imprensa em breve com maiores informações. Da nota divulgada, percebe-se, que as aeronaves destacadas, Su-34, são aeronaves de ataque, todavia, resguardam capacidades respeitáveis para autodefesa, tanto que podem ser equipadas com mísseis WVR R-73-E e BVR R-27E. Abaixo uma lista com as características básicas do SU-34:

Velocidade máxima: 2.200 km/h.

Velocidade de cruzeiro: 1.300 km/h.

Autonomia de voo: 4.000 km.

Peso: 14.000 kg.

Comprimento: 23 metros.

Custo unitário: USD 36,000,000.00 (trinta e seis milhões de dólares).

Voo inaugural: 13 de abril de 1990.