Sistema S-500 preocupa o Pentágono

Por: César A. Ferreira

O Sistema de Artilharia Anti – Aérea S-500, cujo desenvolvimento deverá ultimar-se neste presente ano, segundo o membro do conselho de peritos da Comissão Industrial-Militar do Ministério da Defesa da Federação Russa, Viktor Murakhoviski, preocupa enormemente os analistas do Pentágono devido as suas características anunciadas, isto segundo o especialista Dave Majumdar, colunista do veículo The National Interest.

De fato, espera-se que o sistema S-500 venha a superar o atual S-400, cujo desempenho já é superlativo. Enquanto este é capaz de negar o espaço aéreo em um raio entre 250 e 400 km, a depender da ameaça, com tempo de resposta de 10 segundos e salvas de seis mísseis simultâneos, o S-500 deverá exibir alcance de até 600 km, salvas de 10 mísseis por vez e tempo de resposta inferior, ou igual a 4 segundos, além da capacidade de interceptar ogivas no período terminal, de reentrada, com velocidades de até 7 km/s (25.000 km/h) em uma atitude situada entre 185 ~ 200 km.

S-400_Triumf-VK
S-400 “Trimph”. Foto: Vitaly V. Kuzmin

O sistema deverá ser capaz de operar integrado a toda uma gama de sensores, além daqueles que devem compor a unidade orgânica da bateria, o que equivale dizer se capaz de receber, interpretar/traduzir as informações advindas de sensores diversos, alguns destes, possivelmente, radares operantes nas bandas VHF/UHF (função anti-stealth). O colunista Dave Majumdar relata que os sensores agregados ao sistema serão os seguintes: 91N6A(M) como radar principal, varredura e gerenciamento de batalha, 96L6-TSP, radar de aquisição e engajamento multímodo; 76T6 ABM e/ou 77T6, radar de engajamento. Os dados apresentados, no entanto, são públicos, presentes na Wikipédia, bem como nos trabalhos do analista C. Kopp, o que lhes confere certo grau especulativo, visto que não partem de uma fonte oficial do Ministério de Defesa da Federação Russa, ademais, os engenheiros russos costumam desenvolver sensores específicos para cada novo sistema concebido, e quando não o fazem de imediato, integram um novo, pouco tempo após iniciada a cadência de produção do sistema recém-introduzido.