Navios da Marinha do Brasil iniciam retorno


Por: César A. Ferreira

Após darem apoio às buscas ao ARA San Juan, atendendo ao chamado da Armada Argentina de apoio SAR, dois dos navios da Marinha do Brasil, a fragata F-49 “Rademaker” (Type 22) e o navio polar de pesquisas oceanográficas H-41 “Almirante Maximiano”, retornam as suas missões anteriores, caso do H-41 “Almirante Maximiano”, que segue para o continente antártico, e ao Brasil, destino da fragata F-49 “Rademaker”. Permanece em Mar del Plata, todavia, aguardando as ordens do comando da Armada da República Argentina o vaso vocacionado para resgate da Marinha do Brasil, o K-11 “Felinto Perry”.

As facilidades apresentadas pelo K-11 “Felinto Perry” para resgate de tripulantes de submarinos sinistrados são: baleeira com câmera hiperbárica, sino atmosférico com capacidade de realização de resgates até em profundidades superiores a 300 metros, câmaras de descompressão, veículo remotamente tripulado capaz de operar até a profundidade de 600 metros, sistema de posicionamento dinâmico e um guindaste com capacidade de 30 toneladas.

Delimitação da nova área de busca

A Organização do Tratado de Proibição Completa dos Ensaios Nucleares, cuja sigla em inglês é CTBTO, anunciou o refinamento dos dados por ela obtidos, sobra o evento análogo a uma explosão não nuclear, a partir de dados coletados por duas estações sísmicas, a TRQA – Tornquist, Argentina e a USGS e EFI de Mount Kent, nas ilhas Falklands (Malvinas na denominação argentina). Os novos dados apontam para a latitude de -46,1175 e longitude de -59,7257. Uma das dificuldades enfrentadas pelas embarcações de busca, além do estado de mar, são os numerosos sinais de falsos positivos, pois não são poucos os pesqueiros sinistrados na costa argentina. O Atlântico Sul é reconhecidamente um mar difícil e cobra um preço alto de embarcações mal comandadas e em péssimo estado.

Nova-Imagem-3
Delimitação da área do evento catastrófico. Imagem: Lassina Zerbo.

Conjecturas

Dentre as possibilidades discutidas como contribuintes para o naufrágio do submarino ARA San Juan, aquela que conta como a mais provável é a de presença de concentração do gás hidrogênio no ambiente acima da proporção de 2%. Aventa-se a possibilidade de que em função das dificuldades enfrentadas pelo submarino esteja, também, uma falha dos monitores de gases do submarino. .Em decorrência desta concentração a ocorrência de um arco-voltaico teria provocado um incêndio de considerável proporção, sendo assim um fator debilitante, se não for o preponderante para o naufrágio da embarcação que implodiu na medida que mergulhava nas profundidades abissais. A conjectura se dá em conformidade com o comunicado anterior ao desastre, este revelador do fato da embarcação navegar avariada. Tal hipótese foi amplamente abordada neste espaço, Debate Geopolítico, com paralelos traçados com outros naufrágios e acidentes ocorridos com submarinos diesel-elétricos.

Fraude

Imagens de um novo documento da Armada Argentina circularam em meio às redes sociais. Não há confirmação alguma até o momento sobre a veracidade deste documento, que pode muito bem ter sido forjado (maior possibilidade), obra de uma mente insana. O discutível documento, classificado como “Confidencial” e destinado ao Comando da Armada Argentina,  informa que o navio “Sophie Siem” haveria encontrado a “unidade”, ou seja lá o que quer dizer. O informe possui a hora de distribuição como de 12:19 minutos e a data de 28.11.2017… Não creio que este informe seja verdadeiro, afinal, tal documento com timbre da ARA é bem fácil de ser forjado, ademais, o fato de justamente citar o “Sophie Siem” leva imensa desconfiança quanto a credibilidade do referido documento.

Treinamento conjunto recusado

Em um documento datado de 25 de julho de 2017, o Poder Executivo da República Argentina solicitava ao Senado Federal daquele país autorização para execução de exercício conjunto SAR, especificamente de resgate de tripulantes de submarinos sinistrados, que seria realizado em Mar del Plata, com submarinos da Armada Argentina, e no Rio de Janeiro. A Marinha do Brasil disponibilizaria o seu meio de resgate K-11 “Felinto Perry”. Este importante exercício de adestramento foi recusado pelos congressistas argentinos.

Nota do Editor: também retornaram ao Brasil as aeronaves da FAB. Duas aeronaves P-3AM e uma aeronave SC-105 (SAR).

 

 

ARA San Juan: vaza para a imprensa a ultima mensagem

Mensagem dava conta de admissão de água pelo snorkel, curto-circuito e principio de incêndio

Por: César Antônio Ferreira

Um terremoto político varreu as terras argentinas na data última de 27.11.2017, na forma da revelação pela mídia argentina do último informe ao Almirantado por parte do submarino A-42 ARA San Juan, informe este que foi solenemente sonegado à mídia argentina, como também, ao que parece, do Ministro da Defesa e do próprio Comandante em Chefe, o Presidente da República Mauricio Macri.

O periodista que revelou o vazamento foi Eduardo Feinmann, apresentador de um programa televisivo no canal A24 (America 24). O informe do ARA San Juan confirma as conjecturas anteriores deste espaço, Debate Geopolitico, sobre as possibilidades havidas no tocante ao naufrágio do ARA San Juan. Diz o documento vazado:

“Ingreso de agua de mar por sistema de ventilación al tanque de baterías n° 3 ocasionó cortocircuito y principio de incendio en el balcón de barra de baterías. Baterías de proa fuera de servicio al momento en inmersión propulsando con circuito dividido. Sin novedades de personal. Mantendré informado”.

A mensagem é datada de quarta-feira, dia 15 de novembro de 2017 e o horário registrado para distribuição interna é de 08:52 (horário de distribuição entre órgãos da Armada e não do contato propriamente dito). Isto confirma e vai de encontro com a informação amplamente conhecida de que o último contato teria se dado às 07:30 daquela mesma manhã. Esta revelação bate com as informações repercutidas na matéria “Almirantado argentino sabia das avarias com um dia de antecedência”, que foi publicada neste mesmo espaço, Blog Debate Geopolítico.

A mensagem em si é bastante elucidativa. De maneira inequívoca apresenta um sério problema em submarinos diesel-elétricos que é a admissão de água pelo snorkel, além do terror de todo submarinista: o incêndio a bordo. A mensagem passa o entendimento que naquele presente momento as avarias estariam controladas, apesar de revelar que o submarino navegava desfalcado de boa parte das suas baterias, estando na proa desativados os dois bancos de baterias dianteiros, e na popa pelo menos um deles (o de número 3). Horas depois, não muitas, ocorreu um evento incapacitante, responsável pelo naufrágio do submarino.

S644-Eurydice
S644 Eurydice. Imagem: internet.

Esta narrativa apresenta uma similaridade com o naufrágio de um submarino da Marine Nationale, o S 644 Eurydice, ocorrido no dia 4 de março de 1970 no través de Toulon (latitude: 43,16 longitude: 6,80 – 35 milhas distante do porto), cuja a destruição também foi atribuída a um evento brutal e incapacitante, uma explosão, cujas causas permanecem não definidas, mas que tem o snorkel defeituoso como principal suspeito. Repousando no leito marinho ao largo da Baie de Bonporteau em um profundidade de 600 metros, foi fotografado pelo minisubmarino Mizar da USNAVY. O registro da implosão foi percebido pelo sismógrafo de Nice. Não houve a recuperação do submarino e nem dos corpos da tripulação, permanecendo desta forma como a sepultura permanente para todos estes.

Naufragio eurydice
Local do naufrágio do S 644 Eurydice. 600 metros de profundidade. Bing Maps.

Em comunicado à imprensa, o porta-voz da Armada da República Argentina, Capitán de Navio Enrique Balbi, revelou que o S-42 ARA San Juan não dispunha de torpedos com cabeças de guerra vivas à bordo (“torpedos de combate”). Em função dos dados que agora são de conhecimento geral, formam-se conjecturas de que entre o último contato e o horário dos eventos hidroacústicos detectados, que houve um novo curto-circuito, havendo um incêndio calamitoso, advindo da conjunção de um arco-voltaico com a concentração de hidrogênio presente no ambiente, que foi incapacitante para a tripulação, cortando a energia e levando para o fundo o submarino. Os sons captados seriam advindos da colapso e ruptura do casco resultante da pressão superior a suportável pela classe TR-1700.

É desnecessário dizer que apenas as imagens do S-42 ARA San Juan no sítio do seu naufrágio poderão confirmar qualquer conjectura e especulações realizadas em função do seu destino.

Sequer localizado o foi…

Nota do Editor: quando o comandante informa “circuito dividido” ele diz que utiliza parte de um banco de baterias e parte das baterias de outro banco.