Rússia anuncia novo torpedo autocavitante (supercavitante)

Por: César A. Ferreira

Federação russa anuncia um novo torpedo autocavitante (também denominado como supercavitante), desenvolvido para substituir o mítico VA – 111 Shkval, presente nos arsenais da arma submarina russa desde a década de setenta…

Anunciou-se o desenvolvimento por parte da Federação Russa da arma que deverá substituir o torpedo supercavitante VA-111 Shkval, arma sem par no mundo. Este tipo de arma distingue-se pela sua velocidade, incapaz de ser igualada pela tecnologia clássica dos torpedos pesados, visto que possui dispositivos capazes de formar à frente da arma uma bolha de gás, reduzindo de maneira drástica o atrito com o ambiente fluido.

A nova arma deverá apresentar performance em muito superior ao atual VA-111 Shkval, arma que jamais teve análogos desenvolvidos com sucesso no ocidente, dado que todas as tentativas resultaram em fracassos estruturais, ou de desempenho. Sabe-se que as marinhas dos EUA, Alemanha e Coréia do Sul desenvolveram, com graus variados de sucesso, versões análogas ao Shkval, entretanto, como revelado, sem alcançar o status de desempenho e operacionalidade da arma russa. Vale lembrar que o VA-111 Shkval começou a ser desenvolvido em plena década de sessenta, entrando em operação em 1977, o que faz dele um torpedo com quase quarenta anos de serviço!

Esta arma, o torpedo supercavitante VA-111 Shkval, recebe críticas de alguns analistas de armas ocidentais, que afirmam ser tal torpedo uma arma sem aplicação prática, além de ser dispendioso de manter. Isto, por ser um vetor de uso direto, unidirecional, desprovido de método de guiamento. Todavia, tais análises não levam em conta o conceito operacional dedicado ao vetor pela então marinha soviética. Os soviéticos esperavam equipar seus submarinos nucleares de ataque, e mesmo os convencionais, com uma arma de ação extremamente rápida, que impusesse ao inimigo um tempo de resposta mínimo, quando não inexistente, com o intuito de protegerem os seus Submarinos Lançadores de Mísseis Balísticos, em suas áreas de lançamento, notadamente o “Mar Branco”, bem como ao largo da península de Kamtchathka. O fato de poder ser equipado com uma ogiva nuclear evidencia o papel defensivo desta arma.

Concebido para ser lançado de um tubo lança-torpedos de 533mm, o VA-111 apresenta um comprimento da ordem de 8,2 metros, cerca de 2.700 kg, velocidade acima de 500 km/h e propulsão por motor foguete de combustível sólido, características estas que deverão ser mantidas, ou superadas pelo novo modelo cujo desenvolvimento foi anunciado.

Anúncios