Oficial sênior da inteligência ucraniana assassinado

Por: César A. Ferreira

Nesta terça – feira, 27. 06. 2017, precisamente às 08:14 no horário local da Capital da Ucrânia, Kiev, um oficial sênior da inteligência governamental foi vítima de um atentado explosivo, que mandou pelos ares o automóvel que o conduzia. O oficial morto neste atentado atendia pelo nome de Maxim Shapoval, e detinha neste momento o cargo de Diretor Chefe da Inteligência Militar da República da Ucrânia, englobando a chefia das operações especiais da inteligência militar.

Esta ação empana os sucessos anteriores da inteligência ucraniana no território separatista das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, onde houveram as ações letais contra os comandantes “Motorola” (Arseni Serguéyevich Pávlov) e “Givi” (Mikhail Tolstykh), ambos assassinados fora do ambiente de combate, o primeiro devido a explosivos colocado no elevador de acesso a sua residência e o segundo assassinado dentro do seu escritório, alvejado por uma granada anti-carro autopropulsionada. O atentado que vitimou Maxim Shapoval deu-se através de explosivos plantados em seu carro, que foram detonados em uma via da Capital Ucraniana de maneira espetacular.

A morte deste oficial é bem mais do que simbólica e significa, antes, um aviso candente sobre a fragilidade que se abate sobre as autoridades ucranianas, afinal se o chefe de inteligência encontra-se com o seu destino desta maneira, torna-se óbvio que existe uma infiltração severa nos dispositivos de inteligência ucranianos e que qualquer um poderá vir a compartilhar o fim de Maxim Shapoval.

Ucrânia: deserções e pedidos de dispensa

Por: César A. Ferreira

Em política sabe-se que adiar soluções só é algo proveitoso se existem boas perspectivas no horizonte, entretanto, se as opções são mesquinhas, melhor é adiantar-se e colher o resultado menos danoso.

Este conceito, por hora, é soberbamente ignorado pelo governo da Ucrânia, que já tendo perdido a península da Criméia, faz questão de manter a tensão em uma região de inegável importância econômica, com o cerco as cidades de Lugansk e Donetsk, onde os custos dos efetivos em campo, advindos de uma guerra impopular se fazem sentir gravemente em uma nação depauperada e em inclemente crise econômica.

Todavia, entende-se que apressar o desenlace no Donbass por via da escolha de uma decisão militar pode ser por demais arriscado, visto que o resultado positivo não é assegurado, afinal, para infelicidade do comando ucraniano os separatistas do Donbass possuem uma fronteira comunicável com a Rússia, além da vontade implacável de resistir, mostram-se aguerridos e desenvoltos como combatentes já tendo imposto aos militares ucranianos derrotas desconcertantes..

Pelo lado ucraniano… A vontade de vencer parece não convencer. As deserções nas armas ucranianas avolumam, mesmo entre as formações com capacidades reconhecidas de combate. É o caso da 45ª e 79ª Unidades aerotransportadas (denominadas como Brigadas, mas com valor de Batalhão), bem como da 81ª Brigada aerotransportada[1], todas estas desdobradas na região do Donbass. Estas formações do exército ucraniano receberam cerca de 1.000 pedidos de dispensa, incluindo 170 de oficiais.

De fato, desde março do presente ano, o número de deserções nas armas ucranianas atingem o valor de aproximadamente 8.300 combatentes. Este desfalque corresponde ao valor de duas Brigadas.

É interessante notar que este número tem um peso considerável, visto que as formações ucranianas são pequenas, em geral, formações denominadas como “Brigadas” pelas armas ucranianas possuem o valor de um Batalhão. Portanto, o pedido de dispensa formal de 1.000 combatentes especializados (paraquedistas), somado à deserção de outros 8.000 combatentes, resultam em um desfalque considerável, difícil de ser ignorado pelo comando das Forças Armadas Ucranianas.

Desta maneira a responsabilidade recairá, como algo que já se observa, no colo das formações ideologicamente motivadas da Guarda Nacional da Ucrânia, com todo o mal que uma força pretoriana costuma impor no cotidiano político de uma nação.

Não bastasse a explosão de 138.000 toneladas de munições em Balakliia… Realmente não há opção fácil para Kiev.

[1]: segundo o periódico cibernético News Front.