O lugar do Exército Árabe da Síria na história está assegurado

Por: John Wight

Tradução: J. Junker

Fonte: American Herald Tribune

Quando os historiadores do futuro sentarem-se para escrever a história do conflito sírio, existe um teste simples que irá determinar se o seu objetivo é cavar e revelar a verdade ou se meramente querem jogar uma pá de terra na montanha das coisas que foram erigidas ao longo dos seus cinco longos anos, como um monumento à propaganda.

O teste será a representação do Exército Árabe da Síria e seu papel no conflito. Se ditos historiadores creditarem a ele segurar a linha contra as forças do inferno que se comprometeram com a destruição do país como um Estado secular, multi-religioso e multi-étnico, suportando todo tipo de perdas e baixas, colocando-o entre os mais corajosos, resistentes e heroicos de qualquer exército de qualquer nação que já existiu, então as pessoas vão saber que a verdade, ao invés da propaganda, terá prevalecido.

A glorificação da guerra e do conflito é difícil de resistir para aqueles que vivem em segurança, a muitas milhas de distância de seus horrores e brutalidades. Aqueles que a glorificam devem tomar um momento para estudar e assimilar as palavras de Jeannette Rankin, que disse: “Você não pode vencer uma guerra mais do que você pode ganhar de um terremoto”.

A guerra na Síria confirma a verdade permanente dessas palavras quando consideramos a natureza épica da destruição que ela tem proporcionado, o custo humano trágico, e como ela abalou a sociedade síria até os limites da resistência. Isso significa que, enquanto a sobrevivência do país como um Estado secular independente pode agora ser uma certeza, a sua capacidade para se recuperar totalmente do terremoto que Rankin descreve é ​​algo que só o tempo dirá.

Mas o fato de que o país conseguiu alcançar a sua sobrevivência e, com isso, a oportunidade de se recuperar é predominantemente uma realização do Exército Árabe da Síria, cuja formação é um microcosmo da própria sociedade e as pessoas que ele tem defendido – sunitas, xiitas, drusos, cristãos, alauítas. E no processo de fazê-lo, ao tempo em que estas palavras estão sendo escritas, ele já perdeu mais de 60000 homens de acordo com o mais recente relatório de Robert Fisk, um dos correspondentes ocidentais mais confiáveis, baseado na região. E isto é sem ter em conta os milhares de combatentes do Hezbollah que foram mortos, junto com curdos e membros dos vários grupos de milícias aliadas ao governo. Também não inclui as dezenas de milhares que foram feridos ou mutilados.

Mas pense sobre essa estatística impressionante de 60.000 mortos por um momento. Em um país com uma população, que antes do início do conflito era de 25 milhões, e um exército em número de 220.000 com força total, a perda de 60.000 tropas coloca a natureza épica desse conflito em que pereceram, em pé de igualdade com a Frente Oriental durante a Segunda Guerra Mundial.

A ajuda russa tem sido, naturalmente, um fator-chave para virar a maré do conflito sírio. Mas toda a ajuda e solidariedade no mundo significa pouco sem um povo e sua vontade, com seu exército, para resistir à invasão do país por milhares de extremistas cujas paixões para massacrar seres humanos das formas mais hediondas que se possa imaginar qualifica sua rotulagem como bárbaros.

O ponto saliente perdido nas incontáveis ​​colunas, relatórios e artigos de opinião que foram escritos e publicados, que equivalem esses bárbaros com o governo sírio e seus militares, é que o Exército Árabe da Síria e as pessoas sírias são uma e a mesma, em que um começa onde termina o outro e vice-versa. A capacidade e a vontade do exército de suportar o forte golpe que tem levado, e que nenhum outro exército na região poderia ter resistido, tem sido dependente do apoio do povo sírio. Este apoio tem sido constante, e vem mesmo em meio à enorme pressão externa, disposta contra o país por potências ocidentais que em um ponto estavam convencidas de que o colapso e derrota total do exército era apenas uma questão de quando e não se.

O atual cessar-fogo, intermediado pela Rússia e apoiado por Washington, tem lugar num momento em que o conflito se transformou enfaticamente em favor do governo. Durante uma operação ofensiva que começou no início de fevereiro, o Exército Árabe Sírio esmagou todos os insurgentes em seu caminho pelo norte do país. Combinado com uma ofensiva lançada pelas Forças Democráticas Sírias (SDF) de composição multi-étnicas na província de Aleppo, ao norte, ele efetivamente conseguiu cercar a cidade de Aleppo e cortar as principais rotas de abastecimento das forças da oposição pela Turquia no controle de uma grande parte da cidade. Dado o número de facções armadas envolvidas no conflito, a falta de qualquer estrutura de comando central direcionando suas atividades, o fato de que o cessar-fogo, até agora realizado com apenas algumas violações menores, é uma prova da realidade alterada no chão.

As maquinações, plotagem e falsidade dos sauditas e turcos – não esquecendo dos seus aliados ocidentais – foram negadas em um país onde cada cidade e rua, cada colina, aldeia e estrada foi tocada pela guerra. É a prova de que, em última análise, a história não é feita por governos, diplomatas ou funcionários em gabinetes palacianos e chancelarias. Ela é feita por homens e mulheres comuns dispostos a lutar e morrer em defesa de seus familiares, suas casas e comunidades, e cuja honra, ao fazer isso contrasta com a desonra de quem cometeu o erro de considerar a Síria como apenas uma outra peça em seu tabuleiro de xadrez geopolítico.

Ninguém deve subestimar o custo humano de proteger a soberania e a integridade da Síria. Faça isso e você irá denegrir aqueles que caíram e os que, sem dúvida, ainda cairão quando a luta recomeçar. Também não devemos subestimar o tamanho da montanha à escalar antes da Síria ser pacificada, quando as armas, eventualmente, caírem em silêncio. Pois, assim como uma luta termina outra começará.

Anúncios

Panorama do conflito sírio: 29.02.2016

Fonte: Al Masdar

Autor: Leith Fadel

Adaptação: César A. Ferreira

Corpo de importante comandante do Hezzbollah é recuperado

Durante a semana passada começaram a correr os rumores que se estenderam por todo o Líbano, de que um dos principais comandantes de campo do Hezzbollah havia sido morto durante a batalha por Khanasser, sudeste de Aleppo. Estes rumores foram de confirmado”a “se confirmar” em questão de horas, já que o destino de Ali Fayyadh, também conhecido como Alaa Al-Bosnia, foi debatido por partidários e oponentes.

Entre os rumores que se havia no Líbano e na Síria, estava a suposta captura de Ali Fayyadh pelo Estado Islâmico; estes rumores foram de prontos negados pelos jornalistas favoráveis ao Hezzbollah, mas que foram pelos equivalentes oponentes veiculados à exaustão.

 Pela manhã, elementos da “Força Tigre”, junto com combatentes do Hezzbollah, colocaram a termo estes rumores, quando recuperaram o corpo do comandante Ali Fayyadh, bem como os corpos de outros combatentes sírios, mortos durante a batalha de Al-Hammam, ao sul de Khanasser.

Os jornalistas ligados ao Hezzbollah confirmaram que o corpo do comandante Ali Fayyadh já se encontrava em sua posse (Hezzbollah), e que o mesmo retornava para a sua cidade natal para um enterro apropriado.

Província de Idlib

Comandos sírios aproximam-se da cidade estratégica de Idlib, dela distam 15 km.

Em maio passado (2015), a 87ª Brigada, pertencente à 11ª Divisão Blindada, evadiu-se vergonhosamente da cidade de Jisr Al-Shughour, citando em sua defesa a falta de cobertura aérea como razão principal da sua retirada prematura das cercanias da povoação de Ghaniyah. A realidade era o fato de as Forças Armadas da Síria não estarem preparadas para a ofensiva em grande escala lançada pela Jaysh-al-Fateh (Exército da Conquista) durante a primavera passada; isto foi evidente em sua retirada massiva da província de Idlib após um mês e meio de luta, somente.

Um avanço rápido cinco meses mais tarde: a Força Aeroespacial Russa começou a sua campanha aérea em todo o país para ajudar as Forças Armadas da Síria a recuperar a iniciativa (ofensiva). Sem saber naquele momento, estes ataques seriam mais tardes exitosos, tornando-se o elemento vital do qual necessitava as forças governamentais para retomarem as grandes porções de territórios das províncias de Aleppo e Latakia. Agora, as Forças Armadas da Síria recuperaram quase toda a totalidade das referidas províncias, incluindo vários vilarejos que eram, então, quase intocáveis antes da ofensiva em grande escala. A 103ª Brigada da Guarda Republicana e seus aliados impõem um controle total sobre o vilarejo de Ayn Al-Bayda, que dista uns 15 km do sudoeste de Jisr Al-Shughour.

À medida que derrete a neve no campo, ao noroeste da província de Latakia, Jabal Al-Akrad, montanhas curdas, vê se inundada com soldados do Exército Árabe da Síria. Estes soldados se preparam para aquilo que pode se converter no retorno épico do EAS a Jisr-Al-Shughourt, depois da perda desta cidade a apenas nove meses.

 Província de Aleppo

As forças governamentais reforçam a rota para Aleppo depois da retirada do Estado Islâmico.

Nas últimas 24 horas, a Força Tigre do Exército Árabe da Síria, em estreita coordenação com o Hezzbollah, Liwa Al-Quds (Brigada Jerusalém), Forças de Defesa Nacional (FDN) e a Guarda Republicana, avançaram em silêncio pela estrada Aleppo-Hama, em busca da captura de várias colinas e outros pontos fortes do Estado Islâmico na proximidade do vilarejo de Al-Hammam. No sábado, o EI tentou capturar o vilarejo de Al-Hammam, na forma de um contra-ataque, contra as Forças Armadas da Síria e aliados; todavia, este assalto, intenso, foi repelido após várias horas de enfrentamentos que culminaram em número alto de mortos de ambos os lados (dentre os mortos estava o comandante de campo do Hezzbollah, Ali Fayyadh).

 No dia seguinte (domingo), a Força Tigre e seus aliados aproveitaram a oportunidade para levar a cabo sua própria ofensiva no campo de Al-Hammam; esta contra ofensiva cobriu-se de êxito, pois as forças do governo foram capazes de assegurar Al-Hammam, bem como de aumentar a zona de proteção ao redor da autoestrada Ithriyah-Khanasser. Segundo uma fonte militar da Força Tigre, as Forças Armadas da Síria capturaram as montanhas que delimitam a localidade de Al-Hammam no seu flanco noroeste.

Com estas elevações capturadas, as Forças Armadas da Síria e os seus aliados obtiveram um alívio ao longo da estrada Ithriyah-Khanasser após o perigo de tela cortada e bloqueada, mais uma vez pelo Estado Islâmico. Ao norte de Al-Hammam, ativistas de mídias sociais da “oposição síria” informavam que o Estado Islâmico havia capturado a estratégica localidade de Khanasser. Hoje, entretanto, um correspondente local, em pleno campo de batalha refutou tais afirmações, que se constituíam de pura invencionice.

Exército Árabe Síro abre oficialmente a rota de abastecimento de Aleppo

Apenas 24 horas após declarar que a rota estratégica de abastecimento de Aleppo estava sob o se controle, o Exército Árabe da Síria (EAS), havia aberto tanto a rodovia Ithriyah-Khanasser, como logo após a estrada Sheikh Hilal-Ithriyah, assim que foram retiradas as minas (IED) plantadas pelo Estado Islâmico nas citadas rodovias. Com uma só rota até a província de Aleppo, o governo sírio necessitava reabrir esta estrada devido ao apoio logístico necessário para o Exército Árabe da Síria e permitir a continuação do comércio interior, o comércio civil.

O Estado Islâmico abandonou os arredores de Al-Safira, antes de ser cercado, isto permitiu ao grupo terrorista transferir 800 dos seus combatentes desta zona para fora da planície de Khanesser, donde poderiam lançar uma contra ofensiva contra tropas governamentais na semana passada.

A ofensiva surpresa resultou em algo exitoso para o Estado Islâmico (apesar de efêmero), dado que foram capazes de cortar e bloquear a única rota de abastecimento do governo sírio para Aleppo e província em dois pontos diferentes. Tanto que obrigou o Exército Árabe da Síria a deter o seu avanço a leste e oeste de Aleppo e de Al-Raqqa. Por desgraça as forças governamentais não podem descuidar-se desta área, bloqueada pelo Estado Islâmico mais de uma ocasião, e que fora cortada, oficialmente por duas vezes nestes últimos cinco meses. A Força Tigre e os seus aliados, por agora, se desdobram para ampliar a faixa de proteção ao redor da rodovia, para eliminar a ameaça do Estado Islâmico na região.

Província de Homs

Oito vilarejos foram libertados pelas forças governamentais das mãos do Estado Islâmico.

Na manhã de segunda-feira, no campo oriental da província de Homs, o 18º Batalhão de Carros Blindados, da 67ª Brigada Mecanizada, respaldado por infantes das Forças de Defesa Nacional (FDN) e Kataebat Al-Baas (Batalhões Al-Baas), impôs um controle total sobre mais de oito elevações dos montes Jazal, após violentos combates contra o Estado Islâmico. Segundo um correspondente presente no campo de batalha, nas cercanias das montanhas Al-Shaar, as Forças Armadas da Síria lançaram um assalto inesperado surpreendendo os militantes do EI, que se encontravam nos topos das colinas orientais das montanhas Jazal; este ataque obteve êxito extraordinário em vista que estas oito elevações se encontravam abaixo do tacão do grupo terrorista havia 13 meses.

As montanhas Jazal estão situadas estrategicamente próximas da fronteira entre as províncias de Homs com a de Hama. Sua proximidade com a desértica cidade imperial de Palmira (Tadmur), faz que se torne um objetivo importante para estar sobre controle das Forças Armadas da Síria. Além da libertação destes oito cumes em Jabal Jazal, as Forças Armadas da Síria voltaram a adentrar o pequeno vilarejo de Al-Dawa, nas cercanias de Palmira, após outra intensa batalha com o Estado Islâmico.  Recentemente esta frente desértica e o campo oriental da província de Homs vêm se tornando cenário frequente de enfrentamentos encarniçados entre o EI e as forças governamentais. Isto, após a primeira marcha de assalto ao oeste de Raqqa, três semanas atrás.

00-Ghouta Oriental
Área urbana flagrada durante bombardeio. Imagem: internet,

Província de Damasco

Exército Árabe Sírio captura Al-Fadiyaya, arredores da grande Damasco.

Nesta segunda-feira, na região oriental de Ghouta, Grande Damasco, o 416º Regimento da Guarda Republicana, respaldado por elementos da Força de Defesa Nacional (FDN) e do Exército de Libertação da Palestina (ELP), acabaram por impor o controle total sobre o vilarejo de Al-Fadiyaya, nas proximidades da Base Aérea de Marj al Sultan, após violentos combates com membros da Jaysh al-Islam (Exército do Islã) e Jabhat al-Nusra (Al-Qaeda na Síria). A povoação de Al-Fadiyaya situa-se ao norte da referida base militar e a sua captura acaba por preservar a segurança do flanco norte desta base aérea e do campo de pouso para helicópteros, daquilo que havia se tornado uma fonte de projéteis, disparos de morteiros e de foguetes inimigos.

Como parte deste avanço feito de surpresa, as Forças Armadas da Síria lançaram uma ofensiva de grande escala na região sul do Ghouta Oriental, justamente a área em que há a maior concentração de combatentes da Jabaht al-Nusra, fora de Hajar a-Aswad e das montanhas Qalamoun, na Grande Damasco.

Nota do Editor: Leith Fadel é um correspondente do Al-Masdar News e tem suas reportagens repercutidas como fonte de informação credível do conflito sírio. Nem sempre o faz no formato de matéria jornalística, por comunicar eventos em tempo real no Twiter. O Al Masdar fornece três opções de linguagem para o leitor, inglês, espanhol e russo.